MARIA DO SOCORRO GOMES RODRIGUES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GOMES, Socorro
Nome Completo: MARIA DO SOCORRO GOMES RODRIGUES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GOMES, SOCORRO

GOMES, Socorro

*dep. fed. PA 1991-1999.

 

Maria do Socorro Gomes Rodrigues nasceu em Cristalândia (TO), então no estado de Goiás, no dia 12 de janeiro de 1952, filha de Nélson Coelho dos Santos e de Margarida Gomes dos Santos.

Transferindo-se para Goiânia, iniciou sua militância política no movimento estudantil na década de 1960, como membro da União Metropolitana de Estudantes Secundaristas (UMES) e da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES), tornando-se, em 1966, diretora desta última entidade. Dois anos depois, ingressou na Ação Popular (AP), organização política clandestina de esquerda que se incorporaria ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB), também clandestino, no ano de 1972.

Atuando na luta contra a ditadura militar, em 1979 envolveu-se no movimento pela anistia ampla, geral e irrestrita, tendo participado de comitês e atos públicos pela libertação dos presos políticos. Conquistada a anistia ainda neste ano, Socorro Gomes radicou-se no Pará, onde, na condição de professora, foi líder sindical na área da Gleba Companhia de Desenvolvimento Agropecuário Industrial e Mineral do Estado do Pará (Cidapar), em Viseu, incorporando-se ao movimento pela reforma agrária. Em 1982 tornou-se sócia-fundadora da União das Mulheres, entidade sediada em Belém. Neste mesmo ano iniciou o curso de história na Universidade Federal do Pará, diplomando-se em 1985. Em 1983 assumiu a vice-presidência do Movimento Nacional de Entidades Emancipacionistas de Mulheres, também em Belém.

Durante o ano de 1985 assumiu a presidência da Federação de Centros Comunitários do Estado do Pará (Fecampa) e a vice-presidência da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam) — região Norte, em Belém. Dois anos mais tarde, integrou a Executiva do Conselho Municipal do Direito da Mulher, em Belém, onde atuou até 1988. No pleito de novembro daquele ano, elegeu-se para a Câmara Municipal de Belém pelo PCdoB, legalizado em 1985. Empossada em fevereiro do ano seguinte, foi titular das comissões de Defesa do Consumidor e do Meio Ambiente, tendo participado também da elaboração da Lei Orgânica Municipal.

Em outubro de 1990 concorreu a deputada federal pelo Pará, na legenda do PCdoB. Eleita com 60.317 votos, foi a parlamentar mais votada em todo o estado. Renunciando ao seu mandato de vereadora em janeiro de 1991, assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro seguinte. Nesta legislatura, participou como titular das comissões de Defesa do Consumidor, de Meio Ambiente e Minorias e, como suplente, da Comissão Mista Especial Projeto Calha Norte. Também participou de diversas comissões parlamentares de inquérito, com destaque para as CPIs sobre violência no campo, na qual foi primeira vice-presidente, e sobre exploração e prostituição infanto-juvenil, como suplente. Ausentou-se das votações dos projetos de criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), do Fundo Social de Emergência (FSE) e do fim do voto obrigatório.

Em 29 de setembro de 1992 votou a favor do impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Collor foi afastado da presidência logo após a votação na Câmara e renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal. Com a renúncia, foi efetivado na presidência o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 2 de outubro.

Neste mesmo ano, nas eleições municipais de outubro, Socorro Gomes candidatou-se à prefeitura de Belém por uma frente de centro-esquerda formada pelo PCdoB, Partido Popular Socialista (PPS), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Partido Democrático Trabalhista (PDT) e Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Derrotada, continuou no exercício de seu mandato na Câmara dos Deputados.

Em outubro de 1994 reelegeu-se deputada federal pelo PCdoB. Empossada em fevereiro do ano seguinte, integrou as comissões de Defesa do Consumidor, do Meio Ambiente e de Minorias, de Direitos Humanos e, como titular, de Amazônia e Desenvolvimento Regional, votando contra as seguintes emendas à Constituição, a serem regulamentadas por lei: o fim do monopólio estatal das telecomunicações, da exploração do petróleo pela Petrobras e da distribuição de gás canalizado pelos Estados; a permissão para embarcações estrangeiras operarem no transporte de cargas e passageiros entre portos do país; o fim das diferenciações legais entre empresas brasileiras e estrangeiras.

Em junho de 1996 votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — que substituiu o IPMF —, imposto de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde.

Em janeiro e fevereiro de 1997 votou contra a emenda da reeleição para presidente, governadores e prefeitos. Em novembro seguinte ausentou-se da votação que propunha a quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa. Defensora da preservação do patrimônio nacional, foi coordenadora do Movimento contra a Privatização da Companhia Vale do Rio Doce no Pará, lançado em 1997.

No início do ano seguinte tornou-se vice-líder do seu partido na Câmara. Disputou seu terceiro mandato consecutivo em outubro de 1998, mas não conseguiu se reeleger. Em novembro seguinte, votou contra o teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e o estabelecimento de idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, itens que definiram a reforma da Previdência.

Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1999, ao término da legislatura.

Em 2003, tomou posse como nova titular da Delegacia Regional do Trabalho, em Belém

Em abril de 2008, assumiu a presidência do Conselho Mundial da Paz (CMP). Presidiu também o Centro Brasileiro de Luta pela Paz (Cebrapaz).

Foi casada com Francisco Rodrigues, com quem teve três filhos. Contraiu segundas núpcias com Sebastião Santos, com quem teve dois filhos.

Verônica Pimenta Veloso/Alexsandro Gomes

FONTES: Boletim DIAP, VIII (98); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995 e 1995-1999); Globo (30/9/92); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (14/1/96); Olho no voto/Folha de S. Paulo (18/9/94 e 29/9/98). FORUM DO TRABALHO ESCRAVO. Notícias. (18/5/2003; disponível em: http://www.forum-escravo.jex.com.br/noticias/socorro+gomes+promete+combater+trabalho+escravo+na+drt+; acessado em: 20/10/2009).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados