MARIA ZILA FROTA BEZERRA DE OLIVEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BEZERRA, Zila
Nome Completo: MARIA ZILA FROTA BEZERRA DE OLIVEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BEZERRA, Zila

BEZERRA, Zila

* dep. fed. AC 1991-

 

Maria Zila Frota Bezerra de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 7 de maio de 1945, filha de Giucippe Genuense Frota e de Maria Júlia Lopes Frota.

Professora e funcionária pública, em 1966 começou a lecionar na Fundação Educacional do Distrito Federal, onde permaneceu até 1970. Nesse mesmo ano, tornou-se técnica de controle externo do Tribunal de Contas da União (TCU) e oficial de chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (MRE). No ano seguinte, ingressou na Faculdade de Letras da Universidade de Brasília (UnB), pela qual viria a se bacharelar em 1982. Ingressou na política em 1973, filiando-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instalado no país em abril de 1964, tendo sido coordenadora das campanhas eleitorais do partido em Cruzeiro do Sul (AC). Em 1975, realizou viagem em missão oficial do Itamarati a Genebra, na Suíça, e neste mesmo ano tornou-se oficial de chancelaria do serviço diplomático do Brasil em Paris, onde permaneceu até 1979. Voltando ao Brasil, com o fim do bipartidarismo em novembro desse ano e a conseqüente reformulação do quadro partidário, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sucessor do MDB, e se manteria na coordenação de campanhas eleitorais da agremiação até 1994.

Em 1983, tornou-se coordenadora de comunicação social em Rio Branco. Exerceu essa função até 1985, quando assumiu a coordenadoria de Desenvolvimento Agrário do Vale do Juruá, na qual permaneceu até 1987, época em que foi nomeada pelo governador Nabor Júnior secretária de estado para assuntos de governo do Acre em Brasília, cargo que exerceu até 1990, quando se desincompatibilizou para concorrer à Câmara dos Deputados.

No pleito de outubro desse ano elegeu-se deputada federal pelo Acre na legenda do PMDB. Assumindo sua cadeira na Câmara em fevereiro de 1991, tornou-se membro titular da Comissão de Seguridade Social e Família e suplente da Comissão de Minas e Energia. Integrou ainda, como titular, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre aeroportos clandestinos, missões religiosas estrangeiras, garimpo de Roraima e internacionalização da Amazônia, e como suplente, a CPI sobre violência contra a mulher.

No ano seguinte, tornou-se membro titular da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias e foi observadora da Câmara dos Deputados junto à conferência mundial sobre ecologia, que ficou conhecida como Rio-92. No Congresso Nacional, integrou, como titular, a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização e a CPI Mista Esterilização das Mulheres no Brasil.

Uma série de denúncias e suspeitas de corrupção contra o governo do presidente Fernando Collor (1990-1992) atingiu o clímax em maio de 1992, quando a revista Veja publicou uma entrevista de Pedro Collor, irmão do presidente, na qual fazia sérias acusações contra o governo e apontava o ex-tesoureiro da campanha presidencial, Paulo César Farias, o PC, como o responsável pelas ações ilegais. Essa denúncia levou o Congresso a instalar uma CPI no mês seguinte. As conclusões dessa comissão levaram ao envolvimento do presidente e foi pedido o seu impeachment. Na sessão de 29 de setembro desse ano, Zila votou a favor do afastamento de Fernando Collor da Presidência da República.

Em 1993, foi observadora da Câmara dos Deputados junto à Assembléia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, e membro do Parlamento Amazônico. No ano seguinte, tornou-se suplente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. Ao longo da legislatura, nas votações importantes na Câmara dos Deputados, votou a favor da criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo gastar 20% da arrecadação de impostos sem destiná-los obrigatoriamente aos setores de saúde e educação, e do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), fixado em 0,2% como fonte complementar de recursos para a saúde, e contra o fim do voto obrigatório.

Em outubro de 1994, reelegeu-se para a Câmara dos Deputados ainda na legenda do PMDB, licenciando-se em seguida do cargo de oficial de chancelaria do Ministério das Relações Exteriores para assumir novo mandato de deputada federal em fevereiro do ano seguinte. Nessa legislatura, passou a titular da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, da qual tornou-se terceiro-vice-presidente, e foi suplente da Comissão de Seguridade Social e Família. Integrou ainda, como titular, a CPI sobre adoção e tráfico de crianças brasileiras, da qual foi primeiro-vice-presidente, e a comissão especial do projeto de emenda constitucional (PEC) sobre educação. Foi suplente na comissão do PEC que modificava o capítulo da Administração Pública e na que tratava do número de vereadores.

Nas votações das emendas constitucionais enviadas pelo governo ao Legislativo em 1995, votou a favor da quebra do monopólio dos estados na distribuição do gás canalizado, do fim da reserva de mercado para as embarcações nacionais na navegação de cabotagem, da mudança no conceito de empresa nacional, da quebra do monopólio estatal das telecomunicações e da Petrobrás na exploração do petróleo. Faltou à votação da prorrogação do FSE, rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF).

Em janeiro de 1996, deixou o PMDB para se filiar ao Partido da Frente Liberal (PFL). Nesse mesmo ano, votou favoravelmente à recriação do imposto do cheque, rebatizado de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Em janeiro de 1997, votou a favor do projeto de emenda constitucional que permitiu a reeleição de ocupantes do Poder Executivo, ratificando o voto em fevereiro, quando foi aprovado no segundo turno de votação.

No mês seguinte, a Folha de São Paulo divulgou o conteúdo de umas fitas gravadas, que acusava Zila e outros parlamentares de seu estado de terem votado a favor da reeleição em troca de uma compensação financeira, mas ela acabou sendo absolvida pela Câmara dos Deputados. Em novembro desse ano, votou a favor do projeto de reforma administrativa do governo que, ao ser aprovado, quebrou a estabilidade do servidor público. Em maio de 1998, votou a favor da reforma da previdência, que estabelecia idade mínima para aposentadoria. No pleito de outubro desse ano, voltou a se reeleger deputada federal na legenda do PFL e, no mês seguinte, votou a favor do projeto do governo de reforma da previdência, que fixou um valor máximo para as aposentadorias no setor público, bem como a idade mínima e o tempo de contribuição no setor privado. Em fevereiro de 1999, iniciou novo período legislativo na Câmara dos Deputados.

Foi ainda membro do diretório regional do PMDB no Acre e suplente do seu diretório nacional.

Casou-se com Aluísio Bezerra de Oliveira, que foi deputado federal pelo Acre de 1979 a 1987, constituinte de 1987 a 1988 e senador pelo mesmo estado de 1987 a 1995, com quem teve uma filha.

 

Alan Carneiro/Eduardo Junqueira

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Estado de São Paulo (28/11/97); Folha de São Paulo (8/5/98); Globo (30/9/92, 9/1/96, 10/10/98); Olho no Congresso/Folha de São Paulo(14/1/96); Olho no voto/Folha de São Paulo (18/9/94).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados