MARILU SEGATTO GUIMARAES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GUIMARÃES, Marilu
Nome Completo: MARILU SEGATTO GUIMARAES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GUIMARÃES, Marilu [VERIFICAR]

GUIMARÃES, Marilu

* dep. fed. MS 1991-1999.

 

Marilu Segatto Guimarães nasceu em Campo Grande, então no estado de Mato Grosso e atual capital de Mato Grosso do Sul, no dia 15 de outubro de 1951, filha de José Segatto e de Maria de Lurdes Brandão Segatto.

Em 1970 ingressou no curso de educação física na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), concluindo-o em 1974. Nesse período, entre os anos de 1970 e 1972, freqüentou o curso de direito na Universidade Católica de Mato Grosso.

Professora, jornalista, empresária e produtora cultural, fez o curso de arte e cultura no Carnegie Hall, Ballets Arts Associates, em Nova Iorque, e presidiu o Núcleo de Desenvolvimento Comunitário (Nudescom), entidade de cunho social com atuação na capital e no interior do estado.

Iniciou sua trajetória política em 1986, filiando-se ao Partido da Frente Liberal (PFL). Por essa legenda, foi eleita deputada estadual constituinte no pleito de novembro e empossada em fevereiro de 1987. Nesse mesmo ano, tornou-se líder da bancada do seu partido na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Em 1988, no pleito de outubro, disputou o cargo de vice-prefeita de Campo Grande, na chapa encabeçada por Lúdio Coelho. Eleita, continuou na Assembléia. Em 1989, com a instalação da Assembléia Estadual Constituinte de Mato Grosso do Sul, deixou a liderança do Legislativo e presidiu a Comissão da Ordem Econômica e Social e Defesa dos Direitos do Cidadão. Em 1990, saiu do PFL, ingressando no Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Retornando à Assembléia Legislativa, participou da Comissão Especial dos Direitos da Mulher, presidiu a Comissão do Meio Ambiente e foi membro da Comissão de Finanças e Orçamento.

No pleito de outubro de 1990, foi eleita deputada federal pelo Mato Grosso do Sul na legenda do PTB, obtendo a segunda votação do estado com 52.463 votos. Deixando a vice-prefeitura de Campo Grande em janeiro de 1991, assumiu a cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro. Nesse mesmo ano, esteve nos Estados Unidos em missão cultural.

Entre 1991 e 1992, foi primeiro vice-presidente da Comissão de Defesa do Consumidor e suplente da Comissão de Educação, Cultura e Desportos. Em 1992, tornou-se membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Extermínio de Crianças e Adolescentes e primeiro vice-presidente da CPI da Violência contra a Mulher na Câmara dos Deputados. No Congresso Nacional, integrou a CPI Mista da Esterilização das Mulheres no Brasil. Participou também da Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente no Rio de Janeiro. Ainda em 1992 saiu do PTB e voltou para o PFL.

Na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro, horas antes da conclusão do processo pelo Senado, que decidiu pelo seu impedimento. Foi então efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 2 de outubro.

Nas principais matérias constitucionais apresentadas na Câmara dos Deputados, Marilu votou a favor da criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo retirar recursos de áreas como saúde e educação para ter maior liberdade de administração das verbas, do fim do voto obrigatório e da criação do imposto de 0,25% sobre transações bancárias, o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF).

Em 1993, participou da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, presidiu a CPI da Exploração e Prostituição Infanto-Juvenil e foi suplente das comissões de Seguridade Social e Família, e Especial da Política Nacional de Habitação na Câmara dos Deputados. Em 1994, foi titular da Comissão de Seguridade Social e Família e suplente das comissões de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, de Educação, Cultura e Desportos e de Defesa Nacional.

Em outubro de 1994, reelegeu-se deputada federal na legenda do PFL, tendo como base eleitoral a cidade de Campo Grande. Empossada em fevereiro de 1995, integrou a Comissão de Direitos Humanos e Educação, Cultura e Desporto.

Durante a votação das emendas constitucionais enviadas ao Congresso Nacional pelo Executivo federal, acompanhou a orientação da base parlamentar governista, posicionando-se favoravelmente à abolição do monopólio estatal na exploração do petróleo. Também foi favorável à abertura da navegação de cabotagem às embarcações estrangeiras, ao fim de todas as diferenças jurídicas entre empresas de capital nacional e aquelas de outros países e à quebra do monopólio dos governos estaduais na distribuição do gás canalizado. Manifestou-se contra o fim do monopólio estatal nas telecomunicações.

Em novembro de 1995, votou a favor da prorrogação por 18 meses do FSE, rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF). Ainda nesse ano, Marilu Guimarães presidiu a CPI da Exploração e Prostituição Infanto-Juvenil.

Em junho de 1996, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) – que substituiu o IPMF –, imposto de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde. Ainda nesse ano, foi vice-líder do PFL na Câmara dos Deputados.

Em janeiro/fevereiro de 1997, votou a favor da emenda da reeleição e em novembro desse ano pronunciou-se a favor da quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa que permite a demissão por mal desempenho e/ou excesso de gastos com a folha de pagamento. Integrou a Comissão de Seguridade Social e Família de 1995 a 1998.

Nas eleições de outubro de 1998, disputou novamente uma vaga na Câmara dos Deputados na legenda do PFL, não tendo sido eleita. Em novembro, votou a favor do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e ausentou-se na votação do estabelecimento de idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, itens fundamentais para a definição da reforma da previdência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1999, ao final do mandato.

Presidiu o Instituto Tancredo Neves do PFL. Foi também presidente da Frente Parlamentar contra a Prostituição Infantil.

Casou-se com José Chadid, com quem teve uma filha.

Publicou Seminário internacional do meio ambiente (1988) e Subsídios para elaboração da Constituição do Mato Grosso do Sul (1988).

 

Márcia Quarti

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Estado de São Paulo (28/9/96); Folha de São Paulo (29/9 e Especial 6/11/98); Globo (30/9/92, 31/3/97); INF. BIOG.; Olho no Congresso/Folha de São Paulo (14/1/96 e 30/1/97); Perfil Parlamentar/Istoé; TRIB. SUP. ELEIT. Relação (1998).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados