MARINHO, GILBERTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARINHO, Gilberto
Nome Completo: MARINHO, GILBERTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MARINHO, GILBERTO

MARINHO, Gilberto

*militar; rev. 1930; sen. DF 1955-1960; sen. GB 1960-1971.

 

Gilberto Marinho nasceu em Pelotas (RS) no dia 15 de setembro de 1907, filho de Gonçalo Marinho e de Nena Marinho.

Estudou no Colégio Militar de Porto Alegre, ingressando em março de 1925 na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Declarado aspirante-a-oficial da arma de engenharia em junho de 1928, dois meses depois foi promovido a segundo-tenente, sendo designado para servir no 3º Batalhão de Engenharia, em Cachoeira do Sul (RS).

Participou da Aliança Liberal (1929-1930), ingressando nesse movimento através de João Alberto Lins de Barros, militar que tivera destacada participação na Coluna Prestes (1925-1927). Após a derrota de Getúlio Vargas, candidato aliancista, nas eleições presidenciais de 1930, e sobretudo depois do assassinato de João Pessoa, seu companheiro de chapa, em julho seguinte, a direção da Aliança Liberal decidiu promover um movimento armado com o objetivo de derrubar o presidente Washington Luís (1926-1930).

No dia 3 de outubro de 1930 eclodiu o movimento revolucionário, tendo Gilberto Marinho, que em agosto desse ano fora promovido a primeiro-tenente, sublevado o batalhão em que servia, comandando-o durante a revolta. No transcorrer das ações militares, foi comissionado no posto de major por Getúlio Vargas, chefe supremo do movimento. Com a vitória dos revolucionários e a posse de Vargas na chefia do Governo Provisório em 3 de novembro de 1930, foi nomeado ajudante-de-ordens do interventor federal em São Paulo, João Alberto, e posteriormente do general Pedro Aurélio de Góis Monteiro. Em seguida tornou-se auxiliar de ensino e depois catedrático no Colégio Militar de Porto Alegre. Em outubro de 1934 foi promovido a capitão e em fevereiro de 1938 alcançou o posto de major. Durante esse período colaborou no jornal Diário de Notícias, de Porto Alegre.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), foi chefe de gabinete de João Alberto na Coordenação de Mobilização Econômica, e em seguida chefiou o gabinete do Departamento Federal de Segurança Pública. Posteriormente tornou-se professor da Escola Militar do Realengo. Promovido a tenente-coronel em março de 1945, em dezembro seguinte — após a deposição de Getúlio Vargas pelos chefes militares em outubro do mesmo ano — candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Nacional Constituinte, na bancada do Distrito Federal. Lançado pelo Partido Social Democrático (PSD), não logrou ser eleito. Em 1946 foi designado subchefe do Gabinete Militar da Presidência da República pelo general Eurico Gaspar Dutra, eleito em dezembro de 1945 e empossado em janeiro de 1946.

Em janeiro de 1947, na chapa encabeçada por Mário Ramos, elegeu-se suplente de senador pelo Distrito Federal na legenda da coligação formada pelo PSD, o Partido Democrata Cristão (PDC), o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), o Partido Proletário do Brasil (PPB), o Partido Republicano (PR) e o Partido Trabalhista Nacional (PTN). Nesse mesmo ano tornou-se secretário-geral da Prefeitura do Distrito Federal, durante a gestão do general Ângelo Mendes de Morais. Em outubro de 1950 voltou a candidatar-se a suplente de senador pelo Distrito Federal, como companheiro de chapa de João Alberto, lançado pelo PSD. Nessa oportunidade, contudo, não conseguiu eleger-se. Em abril de 1951, com a saída de Mendes de Morais, deixou a secretaria geral da prefeitura, sendo nomeado diretor da Caixa Econômica do Rio de Janeiro. Em junho de 1953 recebeu a patente de coronel, no quadro do magistério do Exército. Eleito senador pelo Distrito Federal em outubro de 1954 na legenda da coligação formada pelo PSD e o Partido Republicano Trabalhista (PRT), deixou nessa ocasião a direção da Caixa Econômica do estado. Iniciando seu mandato em fevereiro do ano seguinte, foi membro das comissões de Educação, de Relações Exteriores, de Justiça, de Economia e de Serviço Público. Promovido a general-de-brigada em agosto de 1958, nesse mesmo ano tornou-se vice-líder da maioria e do governo no Senado. De 1959 a 1960 foi terceiro-secretário e, no ano seguinte, segundo-secretário daquela casa. Em outubro de 1962, após a mudança da capital federal para Brasília (21/4/1960), foi novamente eleito senador, dessa vez pelo recém-criado estado da Guanabara, na legenda do PSD. No ano seguinte reassumiu seu posto de secretário no Senado.

Após a vitória do movimento político-militar de 31 de março de 1964, que depôs o presidente João Goulart, com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido governista, do qual foi um dos fundadores. Em fevereiro de 1967 foi eleito vice-presidente e um ano depois presidente do Senado.

Em agosto de 1969, o presidente da República, general Artur da Costa e Silva, empossado em março de 1967, foi acometido por grave enfermidade. Nesse mesmo mês assumiu o governo uma junta militar composta pelos ministros almirante Augusto Rademaker, da Marinha, brigadeiro Márcio de Sousa e Melo, da Aeronáutica, e o general Aurélio de Lira Tavares, do Exército. Em 9 de outubro desse mesmo ano Gilberto Marinho, como presidente do Senado, e José Bonifácio de Andrada, como presidente da Câmara dos Deputados, foram convocados pela junta, que lhes comunicou a decisão de dar prosseguimento ao calendário político através da reabertura das duas casas legislativas, da convocação de uma convenção da Arena para a escolha do candidato à presidência da República e de sua eleição pelo colégio eleitoral. Em 25 de outubro de 1969 foi eleito o novo presidente, o general Emílio Garrastazu Médici, empossado no cargo no dia 30 seguinte.

Candidato à reeleição no pleito de novembro de 1970, Gilberto Marinho foi derrotado, assim como os demais candidatos lançados pela Arena carioca — Luís Gama Filho e Ângelo Mendes de Morais. As três vagas da Guanabara no Senado foram preenchidas por Nélson Carneiro, Benjamim Farah e Danton Jobim, candidatos do Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Marinho continuou a presidir o Senado até o final de seu mandato, em janeiro de 1971, quando deixou a casa. Em abril de 1975 tomou posse na presidência da Arena fluminense, após a fusão, no mês anterior, do estado da Guanabara com o estado do Rio de Janeiro.

Advogado, em 1976 tornou-se presidente da Engenharia de Sistemas e Processamento de Dados (Datamec) e membro do conselho fiscal do Banco Novo Rio Investimentos.

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 11 de fevereiro de 1985.

Era casado com Enilda Leite Marinho, com quem teve uma filha.

 

FONTES: CAFÉ FILHO, J. Sindicato; CORTÉS, C. Homens; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (16/3 e 27/7/76); MACEDO, N. Aspectos; MAGALHÃES, I. Segundo; NÉRI, S. 16; Rev. Ciência Pol.; SENADO. Dados; SENADO. Relação; SENADO. Relação dos líderes; Veja (20/2/85).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados