MARIO DOMINGUES DA SILVA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DOMINGUES, Mário
Nome Completo: MARIO DOMINGUES DA SILVA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DOMINGUES, MÁRIO

DOMINGUES, Mário

*dep. fed. PE 1924-1929; const. 1934; dep. fed. PE 1935-1937.

 

Mário Domingues da Silva nasceu em Amaraji (PE) no dia 17 de janeiro de 1885, filho de José Domingues da Silva e de Davina Araújo Domingues da Silva. Seu irmão José Domingues da Sila foi interventor em Pernambuco em 1946.

Estudou no Colégio Santa Cruz e no Ginásio Pernambucano, na capital do estado, antes de ingressar na Faculdade de Direito de Recife, pela qual se bacharelou em dezembro de 1907.

Ingressou na política logo após formar-se, e em 1911 participou da campanha pela eleição do general Emídio Dantas Barreto para o governo de Pernambuco. Proprietário de engenhos em Amaraji e em Ribeirão (PE), elegeu-se duas vezes prefeito de Amaraji, em 1912 e em 1918. Durante sua permanência no cargo, presidiu o Conselho Municipal e promoveu a construção do Paço Municipal, de uma ponte sobre o rio Amaraji e de diversas estradas de rodagem.

Em 1918, elegeu-se também deputado à Câmara Estadual de Pernambuco, reelegendo-se em 1922. Participou da campanha da Reação Republicana, apoiando a candidatura derrotada de Nilo Peçanha à presidência da República em 1922, e nesse mesmo ano, na qualidade de presidente da Câmara estadual, assumiu interinamente o governo de Pernambuco devido à morte do governador do estado, José Bezerra. Ocupou o cargo por 40 dias, num período crítico para a política local e de ampla repercussão no plano nacional: a intervenção do governo federal na sucessão pernambucana, com uso de forças do Exército, gerou nos meios militares intensos protestos, que conduziram ao Levante de 5 de Julho de 1922.

Além disso, como deputado estadual, foi secretário-geral, primeiro-secretário e membro da Comissão de Finanças da Câmara pernambucana. Elegeu-se depois senador estadual e deputado federal por Pernambuco, deixando o Senado pernambucano, do qual era presidente, para ocupar uma cadeira na Câmara Federal a partir de maio de 1924. Reeleito em 1927, exerceu o mandato de deputado federal até dezembro de 1929.

Participou da campanha da Aliança Liberal, tendo apoiado a Revolução de 1930. Em maio de 1933, elegeu-se deputado à Assembléia Nacional Constituinte na legenda do Partido Social Democrático (PSD) de Pernambuco. Assumiu o mandato em novembro do mesmo ano, participando dos trabalhos que resultaram na Constituição de 1934, e em outubro desse ano elegeu-se deputado federal por Pernambuco, ainda na legenda do PSD do seu estado. Constituinte até abril de 1935, no mês seguinte tornou-se deputado federal. Nesse período, integrou o grupo dissidente, liderado pelo então ministro do Trabalho, Agamenon Magalhães, que se opunha ao interventor — e depois governador — pernambucano Carlos de Lima Cavalcanti. Perdeu seu mandato com o advento do Estado Novo (10/11/1937), que suprimiu todos os órgãos legislativos do país.

Morreu em Recife no dia 20 de julho de 1943.

Era casado com Inês Lima Domingues da Silva.

 

 

FONTES: Boletim Min. Trab. (5/36); CÂM. DEP. Deputados; Câm. Dep. seus componentes; Diário do Congresso Nacional; ENTREV. BIOG.; GODINHO, V. Constituintes; SILVA, H. 1889.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados