MESSIAS SOARES DA SILVA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOARES, Messias
Nome Completo: MESSIAS SOARES DA SILVA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOARES, MESSIAS

SOARES, Messias

*const. 1987-1988; dep. fed. RJ 1987-1991, 1994-1995.

 

Messias Soares da Silva nasceu em Belo Horizonte no dia 21 de novembro de 1942, filho de Antônio Soares da Silva e de Maria da Penha Soares.

Presidente da Associação Caxiense de Estudantes e vice-presidente da Confederação Fluminense de Estudantes em 1964, formou-se em direito pela Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro, em 1966.

Iniciou sua carreira política em novembro de 1966, elegendo-se vereador em Duque de Caxias (RJ), na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. Assumiu o mandato em fevereiro do ano seguinte e foi presidente das comissões de Finanças e de Defesa do Consumidor.

Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reorganização partidária, filiou-se ao Partido Popular (PP) e, logo em seguida, ao Partido Democrático Social (PDS), agremiação que sucedeu à Arena.

Em novembro de 1982, elegeu-se deputado estadual pelo Rio de Janeiro na legenda do PDS, iniciando o mandato em fevereiro do ano seguinte. Na Assembléia Legislativa, foi presidente da Comissão de Turismo e membro titular da Comissão de Defesa do Consumidor. Desligou-se do PDS e, em 1986, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), acompanhando Wellington Moreira Franco, cuja liderança seguia.

Em novembro de 1986 concorreu com êxito a uma cadeira de deputado federal constituinte na legenda do PMDB, elegendo-se com votos provenientes em sua maioria da Baixada Fluminense, sobretudo de Duque de Caxias. Nesse mesmo pleito, Moreira Franco elegeu-se governador do Rio.

Concluindo sua passagem pelo Legislativo estadual em janeiro de 1987, no mês seguinte assumiu sua cadeira na Assembléia Nacional Constituinte. Também em 1987, transferiu-se para o Partido Trabalhista Renovador (PTR). Participou dos trabalhos constituintes como membro titular da Subcomissão da União, Distrito Federal e Territórios, da Comissão da Organização do Estado; e como suplente da Subcomissão da Família, do Menor e do Idoso, da Comissão da Família, e ainda das comissões de Educação, Cultura e Esportes, de Ciência e Tecnologia e de Comunicação.

Nas votações da Constituinte, pronunciou-se a favor da pluralidade sindical, da nacionalização do subsolo, do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney e da legalização do jogo do bicho, votando contra o presidencialismo, a criação de um fundo de apoio à reforma agrária, a desapropriação da propriedade produtiva e a estabilidade no emprego.

Com a promulgação da nova Constituição em outubro de 1988, continuou no exercício de seu mandato regular como deputado federal.

Concorreu à reeleição em outubro de 1990, já vinculado ao Partido da Frente Liberal (PFL), conseguindo apenas uma suplência. Em abril de 1994 assumiu o mandato na Câmara em substituição ao deputado Fábio Raunheitti, cassado por corrupção. Ainda nesse ano, Messias Soares transferiu-se para o Partido Democrático Trabalhista (PDT). Na Câmara, integrou como titular a Comissão de Viação e Transportes e, na condição de suplente, a Comissão de Educação, Cultura e Desportos.

Concorreu a uma vaga de deputado federal no pleito de outubro de 1994, na legenda do PDT, não conseguindo, contudo, reeleger-se. Em virtude de suspeitas de fraude, a eleição foi no entanto anulada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Convocado novo pleito para novembro seguinte, Messias Soares foi novamente derrotado, deixando a Câmara em janeiro do ano seguinte, ao final da legislatura 1991-1995.

Em outubro de 1998 perdeu a eleição para deputado estadual, concorrendo na legenda do Partido Progressista Brasileiro (PPB). Com a posse de José Camilo Zito à frente da prefeitura de Duque de Caxias em 2003, Messias Soares tornou-se assessor do prefeito.

Foi patrono da Escola de Samba Grande Rio de Duque de Caxias. Publicou A Constituinte e a nova Constituição (1986) e Idéias e propostas (1986).

Faleceu em Duque de Caxias no dia 9 de setembro de 2003.

Foi casado em primeiras núpcias com Magali do Carmo, com quem teve três filhos. Depois, com Edir Batista Santos Soares, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Estado de S. Paulo (26/8/97); Globo (20/3/96 e 7/10/98); http://jbonline.terra.com.br/jb/papel/cidade/2003/09/15/jorcid20030915003.html  acesso em 31/7/09.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados