MOZART GURGEL VALENTE JUNIOR

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VALENTE, Mozart Gurgel
Nome Completo: MOZART GURGEL VALENTE JUNIOR

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VALENTE, MOZART GURGEL

VALENTE, Mozart Gurgel

*diplomata; emb. Bras. EUA 1970.

 

Mozart Gurgel Valente Júnior nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 11 de novembro de 1917.

Bacharelou-se pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil em 1938.

Dois anos depois ingressou no serviço diplomático, atuando como auxiliar da Secretaria do Ministério das Relações Exteriores na III Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, realizada no Rio de Janeiro em janeiro de 1942. Designado em setembro seguinte para servir na Comissão Técnica Brasileira junto à Missão Técnica Americana, permaneceu nessa secretaria até janeiro de 1943.

Em abril desse ano foi transferido para a África francesa, sendo nomeado encarregado do consulado em Argel, na Argélia, função que exerceu de novembro seguinte a março de 1944. Permaneceu à disposição da delegação brasileira junto ao Comitê Francês de Libertação Nacional de março a agosto deste último ano, sendo ainda em agosto promovido a terceiro-secretário e removido para Roma. Em dezembro de 1945 passou a segundo-secretário, tendo servido na capital italiana até abril de 1949.

Transferido no mês seguinte para Washington, foi secretário da delegação brasileira à IV Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, realizada em março de 1951. Em outubro de 1952 assessorou a delegação brasileira à VII Sessão da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. Promovido a primeiro-secretário em janeiro de 1953, nove meses depois passou a cônsul adjunto, sendo então transferido para Antuérpia, na Bélgica, onde permaneceu até outubro do ano seguinte.

Removido nesse mês para Bruxelas, também na Bélgica, em julho de 1956 foi promovido a conselheiro. Em julho de 1958 ficou à disposição do ministro de Estado para exercer funções de assessoria, em conexão com o presidente da República, para assuntos relacionados com a Operação Pan-Americana (OPA), lançada durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961). Em setembro seguinte foi assessor das delegações do Brasil a XIII Sessão da Assembléia Geral da ONU e à Reunião Informal dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, em Washington. Foi ainda assessor da delegação brasileira à reunião da comissão especial do Conselho de Organização dos Estados Americanos (OEA) encarregada de formular novas medidas de cooperação econômica, na capital norte-americana, em novembro de 1958, assessorando a mesma delegação à segunda reunião desse grupo, mais conhecido como Comitê dos 21, realizada em Buenos Aires em abril de 1959.

Promovido no mês seguinte a ministro de segunda classe, foi designado em fevereiro de 1960 para servir na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), com sede em Paris. Atuou como encarregado de negócios junto à Comunidade Econômica Européia (CEE) e foi também delegado do Brasil ao III Período de sessões do Comitê dos 21, realizado em Bogotá, na Colômbia, em setembro de 1960. Participou da delegação de seu país na viagem de serviços aos países do Mercado Comum Europeu, em novembro do mesmo ano, da CEE junto à II Reunião no Quai d’Orsay, celebrada em Paris em março de 1962, e da missão oficial enviada a Washington para tratar de assuntos da OPA, em dezembro seguinte.

Chefe de gabinete do ministro das Relações Exteriores Vasco Leitão da Cunha, em abril de 1964, foi também assessor da delegação do Brasil à IX Reunião de Consulta de Ministros de Estado, realizada em Washington em julho seguinte. Permaneceu na UNESCO até setembro desse mesmo ano, quando foi promovido a ministro de primeira classe, integrando ainda nesse mês a comitiva do ministro Leitão da Cunha em sua viagem à Argentina. Em outubro seguinte participou da delegação brasileira à X Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores dos Estados Americanos, celebrada em Washington.

Ainda como ministro de primeira classe, Gurgel Valente foi delegado brasileiro à II Conferência Interamericana Extraordinária, reunida no Rio de Janeiro em novembro de 1965. Foi então nomeado embaixador brasileiro em Belgrado, na Iugoslávia, onde permaneceu até 1968. Em fevereiro de 1970 passou a servir como embaixador em Washington, vindo a falecer em Arlington, Virgínia, nos EUA, no dia 19 de dezembro desse ano.

Casou-se com Eliane Gurgel Valente.

 

 

FONTES: Globo (22/12/70); MIN. REL. EXT. Anuário.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados