NEUMANN, TEOBALDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NEUMANN, Teobaldo
Nome Completo: NEUMANN, TEOBALDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NEUMANN, TEOBALDO

NEUMANN, Teobaldo

*dep. fed. RS 1959-1961.

 

Teobaldo Neumann nasceu em Tapes (RS) no dia 19 de abril de 1912, filho de Carlos Neumann e de Maria Neumann, descendentes de alemães.

Fez seus primeiros estudos no Colégio Anchieta, em Porto Alegre, bacharelando-se mais tarde pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio Grande do Sul.

Tornou-se delegado de polícia em seu estado em 1939, e no período que se seguiu foi vice-prefeito, juiz municipal e consultor jurídico da prefeitura de Guaíba (RS), diretor de penitenciária, oficial-de-gabinete da chefia de polícia e delegado especial no cartório do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) do Rio Grande do Sul. Exerceu também os cargos de corregedor-geral e delegado de estrangeiros na Polícia Civil do Rio de Janeiro, no Distrito Federal, e membro ouvinte do Conselho Nacional de Imigração. De volta ao Rio Grande do Sul foi diretor da Radiopatrulha e do DOPS, membro do Conselho Disciplinar de Polícia e secretário dos Negócios do Interior e Justiça. Presidiu o Conselho Municipal de Geografia de Guaíba e foi membro da Seção de Segurança Nacional do Ministério da Justiça e Negócios Interiores.

No pleito de outubro de 1950 elegeu-se deputado estadual no Rio Grande do Sul na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), assumindo o mandato em fevereiro de 1951. Em 1954 foi reeleito e em outubro de 1958 conquistou uma suplência de deputado federal, sempre na mesma legenda. Encerrou seu mandato de deputado estadual em janeiro de 1959 e nesse mesmo ano, com a posse de Leonel Brizola no governo do Rio Grande do Sul, foi convidado para ser secretário de Segurança, cargo que ocupou até novembro, quando assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Ao longo de seu mandato, exercido até abril de 1961, foi favorável ao intervencionismo econômico e defendeu o monopólio estatal dos minérios atômicos, da eletricidade, do petróleo, das telecomunicações e dos transportes marítimos e ferroviários. Foi favorável também a uma reforma agrária, preferentemente cooperativista, garantindo o Estado assistência creditícia, técnica, educacional e sanitária aos lavradores. Defendeu a desapropriação dos latifúndios improdutivos, feita a indenização em títulos da dívida pública, com cláusula de garantia contra a desvalorização, e a adoção da cédula única em todos os pleitos, com o voto dos analfabetos e dos praças de pré.

Participou do II e do III congressos municipalistas, respectivamente em São Lourenço (MG) e no Rio de Janeiro, e do V Congresso Internacional Penal Penitenciário Ibero-Latino-Americano-Filipino. Foi membro da International Association of Chiefs of Police, com sede nos Estados Unidos.

Faleceu em Porto Alegre no dia 13 de novembro de 1988.

Era casado com Flávia Ávila Krause Neumann, com quem teve três filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CÂM. DEP. Súmulas; CAMPOS, Q. Fichário; COUTINHO, A. Brasil; FERREIRA FILHO, A. História; INF. FAM. SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (2, 3 e 4).

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados