NIVALDO PASSOS KRUGER

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: KRÜGER, Nivaldo
Nome Completo: NIVALDO PASSOS KRUGER

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
KRÜGER, NIVALDO

KRÜGER, Nivaldo

*dep. fed. PR 1979-1983; sen. PR 2002-2003.

Nivaldo Passos Krüger nasceu em Canoinhas (SC) no dia 27 de maio de 1929, filho de Augusto Krüger e de Araci Passos.

Industrial e fazendeiro, iniciou sua carreira política como vereador da cidade de Guarapuava (PR). Eleito em novembro de 1958 na coligação formada pelo Partido da Representação Popular (PRP) e pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), foi empossado em fevereiro do ano seguinte. Em novembro de 1963, foi eleito prefeito da cidade concorrendo na mesma coligação e assumiu o cargo em 1º de março de 1964. No ano seguinte, fundou a Associação dos Municípios do Paraná, a qual passou a presidir.

Deixou a prefeitura de Guarapuava em fevereiro de 1969 e, em novembro do ano seguinte, disputou uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. Empossado em fevereiro de 1971, exerceu o mandato por apenas dois anos, uma vez que, em novembro de 1972, foi novamente eleito prefeito de Guarapuava na legenda emedebista. Tomou posse em fevereiro de 1973 e durante seu mandato empreendeu obras de saneamento e habitação popular, baseadas no sistema de mutirão, e incentivou a criação de conselhos comunitários. Integrante do movimento municipalista no Paraná e no país, foi secretário e presidente da Associação dos Municípios do Paraná e secretário da Associação Brasileira de Municípios (ABM).

Em novembro de 1978, foi eleito deputado federal pelo Paraná. Empossado em fevereiro de 1979, atuou como presidente e membro da Comissão de Agricultura e Política Rural. À frente dessa comissão, promoveu o Simpósio Nacional da Agropecuária Brasileira.

Com o fim do bipartidarismo em novembro de 1979 e a consequente reorganização partidária, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que sucedeu o MDB.

Em 1980 pediu a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar a construção da hidrelétrica de Itaipu, em função das seis mil pessoas que tiveram suas terras desapropriadas na bacia da usina pelo governo militar. Contudo, o líder do PMDB na Câmara, deputado Freitas Nobre (SP), e o próprio Krüger concordaram em sustar o pedido de uma CPI em troca da promessa do presidente da hidrelétrica, general José Costa Cavalcanti, de responder a um questionário para esclarecer os pontos obscuros do projeto de construção da usina.

Nivaldo Krüger não concorreu à reeleição no pleito de novembro de 1982 e deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1983, ao final da legislatura. Nessa ocasião, foi escolhido pelo comitê de imprensa que cobria as atividades parlamentares como um dos dez deputados mais atuantes.

Presidente da Companhia de Saneamento do Paraná em 1990, no governo de Álvaro Dias (1987-1991), dois anos depois foi eleito presidente do diretório regional do PMDB paranaense. Nessa legenda, elegeu-se primeiro suplente do senador Roberto Requião em outubro de 1994. Após a eleição de Requião para o governo do estado do Paraná, no pleito de outubro de 2002, e sua subsequente renúncia ao mandato, Krüger assumiu a cadeira de senador a partir do dia 18 de dezembro de 2002, permanecendo no cargo até o término do mandato em 31 de janeiro de 2003. Nesse período manifestou-se contra as excessivas taxas de juros praticadas pelo mercado financeiro e criticou a globalização, chamando a atenção para os riscos que tal fenômeno poderia gerar quanto à estabilidade e perda de identidade cultural das nações mais pobres.

Após deixar o Senado, assumiu a chefia do escritório da representação do governo do Paraná em Brasília. Permaneceu no exercício da função até abril de 2008, quando foi substituído pelo ex-deputado federal peemedebista André Zacharow. A partir de então, tornou-se secretário especial para Projetos de Reflorestamento do governo do Paraná.

Publicou várias obras sobre problemas históricos e regionais do Paraná, entre elas: História das Câmaras na Formulação da Nacionalidade Brasileira; Palmas: paisagem e memória (2003) e Sudoeste do Paraná - História de Bravura, Trabalho e Fé (2005).

Casou-se com Lenita Oliveira Krüger, com quem teve cinco filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1979-1983); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (25/6/80); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em: 12/12/2009); http://www.agenciadenoticias.pr.gov.br/ (último acesso em: 12/12/2009); http://www.senado.gov.br/sf/ (último acesso em: 12/12/2009).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados