NORONHA, SILVIO DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NORONHA, Sílvio de
Nome Completo: NORONHA, SILVIO DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NORONHA, SÍLVIO DE

NORONHA, Sílvio de

*militar; comte.-em-ch. Esquadra 1946; ch. EMA 1946; min. Mar. 1946-1951.

 

Sílvio de Noronha nasceu no Rio de Janeiro, então capital do Império, no dia 11 de maio de 1884, filho do almirante Júlio César de Noronha e de Hércia Costa de Noronha. Seu pai foi ministro da Marinha entre 1902 e 1906, e seu primo, o contra-almirante José Isaías de Noronha, foi membro da Junta Governativa Provisória que assumiu o poder em 24 de novembro de 1930, após a destituição do presidente Washington Luís, e ministro da Marinha em 1930.

Sílvio de Noronha estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro de 1896 a 1901, sentando praça em abril de 1902 ao ingressar na Escola Naval. Promovido a segundo-tenente em dezembro de 1905, deixou a escola em janeiro do ano seguinte para servir no encouraçado Aquidabã e no navio-escola Benjamim Constant. Em 1907 serviu no navio-escola Caravelas e nos encouraçados Deodoro e Floriano, neste último como encarregado de navegação.

Embarcou no cruzador Barroso em julho de 1908, seguindo viagem até Natal. Em junho de 1909 viajou para a Europa nessa embarcação, em missão de fiscalização da construção de navios, regressando ao Brasil em novembro de 1910. No mês seguinte foi nomeado ajudante-de-ordens do inspetor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, alcançando o posto de primeiro-tenente em maio de 1911. Encarregado de navegação do contratorpedeiro Piauí em maio de 1913, em abril de 1914 foi designado para o navio-escola Tamandaré, quando fez o curso de artilharia. Em outubro de 1917 voltou a embarcar no cruzador Barroso, que, em virtude da proclamação do estado de guerra no país devido à Primeira Guerra Mundial (1914-1918), passou a integrar a Divisão Naval do Sul, envolvida em operações de guerra. Tornou-se encarregado de artilharia do navio em dezembro do mesmo ano, sendo nomeado encarregado da Seção de Artilharia da Diretoria de Armamento, ao desembarcar, em março de 1918. A partir de agosto tornou-se ajudante da Seção de Espingardeiros e em outubro foi promovido a capitão-tenente. No mês seguinte foi designado para o encouraçado Minas Gerais, recebendo o comando da quinta torre.

Depois de servir no encouraçado norte-americano Florida, em setembro de 1920 freqüentou cursos sobre os instrumentos Ford range keepers, na Ford Instrument School, em Nova Iorque. Retornando ao Rio de Janeiro a bordo do Minas Gerais em setembro de 1921, em julho de 1922, ainda no encouraçado, combateu o levante deflagrado no forte de Copacabana em protesto contra o governo federal — movimento que teve a participação também da Escola Militar e da Vila Militar do Rio, iniciando o ciclo de revoltas tenentistas da década de 1920. Em outubro de 1922 representou o governo brasileiro na posse do presidente argentino Marcelo Alvear, deixando em 1923 o Minas Gerais para servir como instrutor de oficiais, suboficiais e praças. Em março de 1924 tornou-se oficial de ligação junto à Missão Naval Americana do Rio de Janeiro, mas em novembro retornou ao Minas Gerais para combater o levante do encouraçado São Paulo, deflagrado por oficiais da Marinha sob a liderança do tenente Herculino Cascardo.

Promovido a capitão-de-corveta em maio de 1925, foi desligado da Missão Naval Americana para assumir sucessivamente os cargos de encarregado-geral de artilharia e de oficial de tiro no Minas Gerais, onde ficou até 1929. De fevereiro a novembro de 1930, fez o curso de comando da Escola Naval de Guerra, tornando-se em seguida assistente de direção do Arsenal de Marinha. Após a Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder, serviu junto ao Estado-Maior da Armada (EMA), de janeiro a março de 1931, assumindo no mês seguinte o cargo de segundo-comandante do Minas Gerais. Em novembro de 1932 foi promovido a capitão-de-fragata e em novembro de 1933 deixou suas funções no Minas Gerais.

No mês seguinte viajou para Barrow-in-Furnes, na Inglaterra, chefiando a comissão fiscalizadora da construção do navio-escola Almirante Saldanha da Gama, para o qual fora nomeado comandante no mês anterior. Em julho de 1934 partiu em viagem de instrução no Almirante Saldanha da Gama, com os segundos-tenentes e guardas-marinhas, e desembarcou no Rio de Janeiro em outubro, sendo destacado para servir na Diretoria do Ensino Naval. Tornou-se vice-diretor de Armamentos da Marinha em fevereiro de 1935, desligando-se em janeiro de 1936 para fazer o curso da Escola de Guerra Naval, que durou até dezembro.

Em março de 1937 assumiu o cargo de chefe da Divisão de Planos do EMA, sendo promovido em setembro a capitão-de-mar-e-guerra. Chefiou a Capitania dos Portos do estado de São Paulo de dezembro do mesmo ano a fevereiro de 1940, assumindo em abril desse último ano o comando do encouraçado Minas Gerais. Deixou o navio em outubro de 1941, por ter sido nomeado, pelos ministérios da Marinha e das Relações Exteriores, presidente da Comissão Mista Brasileiro-Paraguaia, encarregada de estudar os problemas de navegação do rio Paraguai. Em dezembro do mesmo ano concluiu o curso de alto comando da Escola de Guerra Naval. Assumindo a chefia do Comando Naval e da Flotilha de Mato Grosso em outubro de 1942, em dezembro foi promovido a contra-almirante.

Nomeado adido naval junto à embaixada do Brasil em Washington em abril de 1944, em junho representou a Marinha brasileira na Comissão de Defesa Brasil-Estados Unidos. No mês seguinte participou da delegação da Marinha à Junta Interamericana de Defesa, e em abril de 1945 fez parte da delegação brasileira à Conferência das Nações Unidas, realizada em São Francisco, nos Estados Unidos.

Promovido a vice-almirante em outubro de 1945, em dezembro foi nomeado comandante-em-chefe da Esquadra, assumindo o cargo em janeiro de 1946, poucos dias antes da posse do general Eurico Gaspar Dutra na presidência da República. Exerceu a função até junho do mesmo ano, sendo substituído pelo vice-almirante Adalberto Lara de Almeida. No mês seguinte assumiu a chefia do EMA, em substituição ao vice-almirante José Maria Neiva, e em setembro foi promovido a almirante-de-esquadra. Em 3 de outubro, deixou a chefia do EMA — passando o cargo ao vice-almirante Adalberto Lara de Almeida — e tornou-se ministro da Marinha, em substituição ao almirante Jorge Dodsworth Martins. Foi transferido para a reserva em julho de 1950, deixando o ministério em janeiro de 1951, no término do mandato presidencial do general Dutra, tendo sido substituído na pasta pelo almirante Renato de Almeida Guillobel, nomeado já sob o segundo governo de Getúlio Vargas.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 19 de junho de 1957.

Foi casado com Leonor Barros de Noronha.

 

 

FONTES: Grande encic. Delta; HIRSCHOWICZ, E. Contemporâneos; MIN. MAR. Almanaque (1946 e 1950); SERV. DOC. GER. MARINHA; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados