OCTAVIO TOMAS RAMON AMADEO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: AMADEO, Octavio R.
Nome Completo: OCTAVIO TOMAS RAMON AMADEO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
AMADEO, OCTAVIO R

AMADEO, Octavio R.

*diplomata argentino; emb. Argentina no Brasil 1939-1940.

 

Octavio Tomás Ramón Amadeo nasceu em Buenos Aires no dia 24 de janeiro de 1878, filho de Octavio Benito Amadeo e de Ana Marcenaro.

Diplomado em 1900 pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires, elegeu-se deputado provincial pela província de Buenos Aires em 1909. Professor de história constitucional na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Nacional de La Plata (1910-1911), na qual exerceu também o cargo de secretário, deixou a cátedra da faculdade em 1913.

Em 1914 renunciou às suas funções de deputado e assumiu o cargo de membro do Conselho Geral de Educação da província de Buenos Aires, exercendo-o até 1916, quando foi nomeado procurador-geral da Suprema Corte de Justiça da província de Buenos Aires, função que exerceu até 1918. Foi ainda administrador-geral de impostos internos da Argentina em 1930.

Nomeado embaixador argentino no Brasil em abril de 1939, assumiu o posto em junho do mesmo ano em substituição a Julio Argentino Roca. Durante seu período como embaixador foi substituído interinamente pelos encarregados de negócios Francisco de Veyga e David A. Traynor. Deixou a embaixada em junho de 1940, sendo substituído por Eduardo Labougle.

De volta à Argentina, foi nomeado ainda em 1940 interventor nacional na província de Buenos Aires, permanecendo no cargo até o ano seguinte. Em 1943 tornou-se presidente da Comissão Nacional de Coordenação de Transportes da Argentina, atuando em seguida como secretário do Juizado de Menores de Mercedes, na província de Buenos Aires.

Foi ainda membro da Academia Nacional de História, da Academia de Direito de Buenos Aires, do Instituto da Universidade de Paris na capital argentina, dos institutos culturais Argentino-Brasileiro e Argentino-Chileno, da Academia de Ciências Morais e Políticas, e colaborador das academias de História de Madri, Assunção e Montevidéu.

Faleceu em Buenos Aires no dia 25 de maio de 1955.

Foi casado em primeiras núpcias com Maria Justa French, de quem teve três filhos, e, em segundas núpcias, com Fidela Raquel Peña, de quem teve dois filhos. Um de seus filhos, Mario Octavio Amadeo, foi embaixador da Argentina no Brasil de 1966 a 1969.

Além de colaborar em diversos periódicos e revistas, publicou Política (1916), Inamovilidad de los jueces (1917), Vidas argentinas (1934), Doce argentinos (1945) e Unitarismo (tese).

 

FONTES: INF. CONSEJO ARGENTINO PARA LAS RELACIONES INTERNACIONALES; Quien.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados