OLIVEIRA, JOSE MARIA DO AMARAL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: OLIVEIRA, José Maria do Amaral
Nome Completo: OLIVEIRA, JOSE MARIA DO AMARAL

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
OLIVEIRA, JOSÉ MARIA DO AMARAL

OLIVEIRA, José Maria do Amaral

*militar; min. ch. EMFA 1985-1986.

 

José Maria do Amaral Oliveira nasceu em Belém no dia 7 de dezembro de 1925, filho de Manuel Oliveira e de Beatriz do Amaral Oliveira.

Ingressou na Escola Naval em março de 1942, sendo declarado guarda-marinha em janeiro de 1946. Foi promovido a segundo-tenente em janeiro do ano seguinte, a primeiro-tenente em fevereiro de 1949, a capitão-tenente em março de 1952 passou e a capitão-de-corveta em fevereiro de 1956. Em setembro desse ano ingressou no Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval, aí permanecendo até julho de 1958. Em julho de 1959, passou a comandar a Divisão da Área Técnica de Aviação.

Em julho de 1960, foi nomeado subchefe do Departamento de Aviação do Grupo de Recebimento do navio-escola Minas Gerais, assumindo, em dezembro seguinte, a subchefia do Departamento de Aviação. Em julho de 1961 foi designado oficial de Aviação do Estado-Maior da Esquadra (EME) e, em maio de 1962, assumiu o comando do 1º Esquadrão de Helicópteros do Controle Central. Em setembro foi promovido a capitão-de-fragata, sendo reconduzido à função de oficial do EME dois meses depois. Em março 1964, como comandante do 1º Esquadrão de Helicópteros, apoiou o movimento político-militar que resultou na deposição do presidente João Goulart.

Assumiu a chefia do Departamento de Aviação em fevereiro de 1965, e em março seguinte foi designado capitão dos Portos do estado do Ceará. Em outubro de 1966 concluiu o curso de comando e estado-maior da Escola de Guerra Naval (EGN) e, ainda no mesmo mês, foi indicado para chefiar o estado-maior do comando do IV Distrito Naval, em Belém. Fez também o curso da Escola Superior de Guerra (ESG). Em julho de 1967, viajou aos Estados Unidos a fim de fazer o curso de comando naval para oficiais superiores estrangeiros, no Naval War College, em Newport, que concluiu em agosto de 1968.

Retornando ao Brasil, no mês seguinte assumiu a chefia do curso de comando e estado-maior da ENG. Em dezembro de 1968, recebeu a patente de capitão-de-mar-e-guerra, sendo designado para o gabinete do Estado-Maior da Armada em março de 1969. Em abril tornou-se instrutor do curso de comando e estado-maior e, seis meses depois, foi indicado para subchefe do Gabinete do ministro da Marinha, almirante Adalberto de Barros Nunes. Assumiu, em outubro de 1970, a presidência da Comissão Fiscalizadora de Recebimento de Fragatas na Inglaterra e, em junho de 1973, tornou-se comandante do Centro de Adestramento Almirante Marques Leão, do qual foi nomeado diretor em novembro de 1974, após ter sido promovido a contra-almirante em julho do mesmo ano.

No ano seguinte, dirigiu o Centro de Instrução Almirante Graça Aranha e foi nomeado comandante da Força Aeronaval. Recebeu em março de 1978 a promoção a vice-almirante e em dezembro foi nomeado diretor de Aeronáutica da Marinha. Em novembro de 1980 foi nomeado subcomandante e subdiretor de estudos da ESG, à qual esteve ligado até outubro de 1983, tornando-se, no mês seguinte, diretor de obras civis da Marinha. Promovido a almirante-de-esquadra em março de 1984, no mês seguinte foi nomeado diretor-geral do Material da Marinha e indicado presidente do Conselho de Administração da Empresa Gerencial de Projetos. Passou a exercer cumulativamente o cargo de comandante de Operações Navais da Marinha em junho de 1984.

Com o fim do regime militar em março de 1985, foi nomeado pelo presidente José Sarney (1985-1990) ministro-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), em substituição ao tenente-brigadeiro-do-ar Valdir de Vasconcelos. Na ocasião, manifestou-se favoravelmente à criação do Ministério da Defesa, que, entre outros pontos, acarretaria a extinção dos três ministérios militares. A nova pasta viria a ser efetivamente regulamentada somente em 1999, no segundo mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso (1999-2003). Ao ser empossado, também defendeu a profissionalização das forças armadas e o enquadramento dos militares aos preceitos constitucionais.

Transferido para a reserva remunerada em junho de 1986, foi substituído no EMFA pelo general Paulo Campos Paiva. De setembro de 1986, a maio de 1990 foi conselheiro militar da missão brasileira junto à Organização das Nações Unidas (ONU), exercendo funções na Suíça e nos Estados Unidos. De volta ao Brasil, tornou-se diretor do Instituto Brasileiro de Estudos Estratégicos e conferencista da EGN e da ESG. Em 1992, assumiu a presidência da Salvanave, empresa naval especializada na procura de navios naufragados. Tornou-se também membro do Centro de Estudos Estratégicos da ESG e passou a prestar consultorias na área de aviação naval.

Faleceu no dia 19 de maio de 2009.

Casou-se em primeiras núpcias com Míriam Hartz Oliveira, com quem teve quatro filhos. Posteriormente, casou-se com Sônia Helena Guarita do Amaral, sobrinha do deputado Ulisses Guimarães.

Mirian de Aragão/Luís Otávio de Sousa

 

FONTES: Arq. da Marinha; Estado de S. Paulo (13, 15 e 16/3 e 8/6/85); Folha de S. Paulo (13/3/85); INF. BIOG.; Portal Poder Naval. Disponível em : <http://74.125.113.132/ search?q=cache:w1XwN3ZiSnQJ:www.naval.com.br/blog/%3Fp%3D10729+%22Jos%C3%A9+Maria+do+Amaral+Oliveira%22&cd=11&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br>. Acesso em : 31 ago. 2009.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados