OLIVEIRA NETO, LUIS CAMILO DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: OLIVEIRA NETO, Luis Camilo de
Nome Completo: OLIVEIRA NETO, LUIS CAMILO DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
OLIVEIRA NETO, LUÍS CAMILO DE

OLIVEIRA NETO, Luís Camilo de

*reitor UDF 1939.

 

Luís Camilo de Oliveira Neto nasceu em Itabira do Mato Dentro (MG) no dia 9 de setembro de 1904, filho de João Camilo de Oliveira Torres e de Rosa Assis de Oliveira Drummond. Seu irmão, João Camilo de Oliveira Torres, foi importante historiador.

Formou-se em química industrial na Escola de Engenharia de Belo Horizonte em 1924 e aí se tornou professor de química inorgânica. Em 1933, durante a interventoria de Gustavo Capanema, trabalhou como perito químico na Secretaria do Interior e Justiça de Minas Gerais. Passou então a dedicar-se ao estudo da história do Brasil, organizando e dirigindo a biblioteca da secretaria e iniciando suas pesquisas no Arquivo Público Mineiro. Em 1934, ano em que Capanema foi nomeado ministro da Educação, transferiu-se para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, passou a servir no Ministério da Educação e foi nomeado diretor da Casa de Rui Barbosa, onde elaborou o plano de publicação das obras completas do patrono da instituição. Em 1936 foi nomeado membro do Conselho Nacional de Educação por Gustavo Capanema.

Em 13 de julho de 1937 foi designado por Afonso Pena Júnior, então reitor da Universidade do Distrito Federal, junto com Gilberto Freire, representante da Universidade no Congresso de História da Expansão Portuguesa no Mundo. Aproveitou essa viagem para dar início as suas pesquisas no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Arquivo Histórico Colonial e Biblioteca Nacional de Lisboa.

Em junho de 1938 tornou-se professor catedrático de história do Brasil da Universidade do Distrito Federal (UDF). A universidade fora criada em 1935 sob a inspiração de Anísio Teixeira, então diretor do Departamento de Educação do Distrito Federal, com uma proposta inovadora: pretendia encorajar a pesquisa científica, literária e artística e “propagar as aquisições da ciência e das artes, pelo ensino regular de suas escolas e pelos cursos de extensão popular”. Seu objetivo era não apenas produzir profissionais, mas também formar “os quadros intelectuais do país”. Num contexto marcado por importantes confrontos ideológicos entre integralistas, comunistas, socialistas, democratas, conservadores católicos e liberais, e pela disputa de espaço entre esses grupos para expandir suas idéias e controlar o sistema educacional, a UDF logo iria enfrentar dificuldades, tornando-se alvo dos ataques dos movimentos católico e integralista.

A crise na UDF teve início pouco depois de sua fundação, em decorrência da revolta comunista de novembro de 1935. Acusado de envolvimento no levante, em dezembro seguinte Anísio Teixeira foi demitido de suas funções. Foram também demitidos o reitor da UDF, Afrânio Peixoto, e vários professores. Assumiu a reitoria Afonso Pena Júnior, que tentou enfrentar os desafios e garantir a permanência dos professores. Em 1937 — ano em que foi criada a Universidade do Brasil (5 de julho) e foi dado o golpe do Estado Novo (10 de novembro) — Afonso Pena Júnior foi substituído por Alceu Amoroso Lima, que era ligado ao grupo intelectual católico e se opunha fortemente ao projeto educacional e às idéias de Anísio Teixeira, bem como à própria UDF. Amoroso Lima modificou a estrutura acadêmica e administrativa da universidade, o que pode ser visto no Decreto nº 6.214, de 16 de maio de 1938, e em setembro desse ano afastou-se da UDF para se dedicar aos projetos de ensino superior da Igreja Católica. Em 1939 assumiu a reitoria Luís Camilo de Oliveira Neto, que, além de professor de história, era diretor da Faculdade de Política e Economia e vice-reitor. Apesar de seus esforços para evitar o fechamento da UDF, esta foi extinta e seus quadros foram incorporados à Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, então criada.

Entre 1936-1940 foi membro do Conselho Nacional de Educação e, entre 1940 e 1943, diretor do Serviço de Documentação e da Biblioteca do Itamarati. Foi exonerado dessas funções por sua ativa participação na elaboração do texto-fusão do Manifesto dos mineiros, do qual foi signatário. Originariamente intitulado Manifesto ao povo mineiro e datado de 24 de outubro de 1943 — em homenagem à Revolução de 1930 —, o documento foi o primeiro pronunciamento público de setores liberais contra o Estado Novo. Embora a repressão a seus signatários não tenha incluído prisões, violências ou qualquer tipo de punição policial, vários deles foram duramente atingidos por sanções em sua vida profissional, sugeridas pelo ministro da Fazenda Sousa Costa e pelo interventor em Minas Gerais, Benedito Valadares. Assim, com base no artigo 177 da Constituição de 1937, aqueles que trabalhavam em empresas públicas foram demitidos ou aposentados; nos casos de empresas particulares, o governo recorreu à pressão sobre os proprietários, em geral com êxito.

Luís Camilo de Oliveira Neto só retomou seu posto na chefia do Serviço de Documentação do Ministério das Relações Exteriores em 1945, com a queda do Estado Novo e a redemocratização do país. Foi também diretor do Banco de Crédito Real de Minas Gerais e um dos fundadores e diretor-presidente da Metal Leve.

Faleceu no Rio de Janeiro em 3 de setembro de 1953.

Era casado com Elsa Malheiro de Oliveira, com quem teve cinco filhos, entre os quais Luís Filipe de Oliveira Pena, deputado federal pelo PMDB do Rio de Janeiro de 1979 a 1983; Maria Luísa Pena Moreira, formada em filosofia e casada com Marcílio Marques Moreira, embaixador do Brasil nos Estados Unidos de 1986 a 1991 e ministro da Economia de 1991 a 1992; e Rosa Maria Pena, que foi casada com o cineasta Glauber Rocha.

Sua trajetória de vida mereceu artigos publicados em livros, revistas e jornais, que foram reunidos por João Camilo de Oliveira Torres e Maria Luísa Pena Moreira em Luís Camilo de Oliveira Neto; história, cultura & liberdade (1975).

 Alzira Alves de Abreu

 

FONTES: INF. MARIA LUÍSA PENA MOREIRA; OLIVEIRA NETO, L. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados