ORCINO GONCALVES DA SILVA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GONÇALVES, Orcino
Nome Completo: ORCINO GONCALVES DA SILVA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

GONÇALVES, Orcino

*dep. fed. GO 1995-1999.

Orcino Gonçalves da Silva nasceu em Frutal (MG), no dia 3 de junho de 1939, filho de Alvino Gonçalves da Silva e de Norvina Vicentina de Jesus.

Técnico agrícola formado em 1957, entrou na política em 1990 ao filiar-se ao Partido da Reconstrução Nacional (PRN), agremiação que elegeu Fernando Collor de Melo presidente da República em 1989. Tesoureiro do partido em Goiás, elegeu-se deputado estadual em outubro deste ano. Integrante da Comissão de Divisão Administrativa e Judiciária e Assistência Técnica aos Municípios e presidente da Comissão de Finanças, Fiscalização Financeira e Tomada de Contas, em 1991, deixou o PRN e, no ano seguinte, filiou-se ao Partido Social Trabalhista (PST), do qual foi presidente estadual.

Filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) em 1993, ano em que se licenciou do mandato para assumir a Secretaria de Agricultura e Abastecimento de Goiás no governo de Íris Resende (1991-1994). Em 1994, deixou a secretaria para disputar uma cadeira de deputado federal no pleito de outubro. Eleito, nas votações das emendas constitucionais apresentadas pelo governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, em 1995, votou a favor da quebra do monopólio dos estados na distribuição de gás canalizado, da quebra do monopólio das embarcações nacionais na navegação de cabotagem, da mudança do conceito de empresa nacional, da quebra do monopólio estatal das telecomunicações e da quebra do monopólio da Petrobras na exploração de petróleo.

Em junho de 1996 votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) — criado como fonte complementar de recursos para a saúde. Em janeiro/fevereiro de 1997, votou a favor da emenda da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Em novembro, manifestou-se favoravelmente à quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa.

No pleito de outubro de 1998 disputou a reeleição na legenda peemedebista, mas não teve êxito. Em novembro seguinte, votou contra o teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e o estabelecimento de idade mínima e de tempo de contribuição para o setor privado, itens que definiram a reforma da Previdência.

Ainda em 1998, agrediu fisicamente, nas dependências da Câmara dos Deputados, o deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), após acusá-lo de ter assediado sua esposa. Mabel, no entanto, disse acreditar que a agressão de que fora alvo foi causada por disputas políticas em Goiás.

Em janeiro de 1999, ao final da legislatura, deixou a Câmara dos Deputados. Afastado da política, passou a dedicar-se à produção agrícola.

Casou-se duas vezes: a primeira com Giovanira Diniz da Silva, com quem teve cinco filhos, e a segunda com Audriane Cristina A. Gontijo Gonçalves da Silva, com quem teve mais dois filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Folha de S. Paulo (Especial 6/11/98); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97); Olho no voto/Folha de S. Paulo (29/9/98).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados