OTAVIO ELISIO ALVES DE BRITO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ELISIO, Otavio
Nome Completo: OTAVIO ELISIO ALVES DE BRITO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ELÍSIO, OTÁVIO

ELÍSIO, Otávio

*const. 1987-1988; dep. fed. MG 1987-1991, 1997.

Otávio Elísio Alves de Brito nasceu em Belo Horizonte no dia 27 de janeiro de 1940, filho do professor Reinaldo Otávio Alves de Brito e de Elisa Machado Alves de Brito.

Em 1957 concluiu o curso técnico em metalurgia na Escola Técnica de Mineração e Metalurgia de Ouro Preto (MG), ingressando no ano seguinte no curso de engenharia de minas e metalurgia da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), que foi encerrado em 1962.

Deu início à sua carreira em 1963, contratado pelo Instituto de Tecnologia Industrial do Estado de Minas Gerais. Engenheiro da Companhia de Ferro de Belo Horizonte (Ferrobel), tornou-se superintendente-geral da empresa em 1964, cargo que exerceu até o ano seguinte. Ainda em 1965 tornou-se diretor da Companhia Brasileira de Geologia e, em 1966, engenheiro-chefe do setor de pesquisa da Minas Cerâmica S.A., exercendo este cargo até 1969.

Neste ano especializou-se em engenharia econômica pela Universidade Católica de Minas Gerais e, no ano seguinte, tornou-se funcionário do Instituto de Desenvolvimento Industrial, no qual permaneceria por três anos. Em 1971 iniciou o curso de análise e administração de projetos, marketing e análise de risco em Cambridge, nos Estados Unidos, que concluiu no ano seguinte. Ainda em 1972 trabalhou para o Banco Mundial (BIRD) nos Estados Unidos fazendo análise e avaliação de projetos industriais, com visitas a indústrias no Japão.

Em 1973 tornou-se presidente da empresa Metais de Minas Gerais S.A. (Metamig), cargo que exerceria até 1976. Em 1975 fez o curso internacional de economia mineral na Universidade de Colorado, nos Estados Unidos, e, dois anos depois, na Escola de Minas, em Paris. Em 1977 tornou-se professor de economia e legislação mineral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e assumiu o cargo de secretário-adjunto de Ciência e Tecnologia do Estado de Minas Gerais na gestão do governador Aureliano Chaves (1975-1979), permanecendo nesta função até 1979. Nesse ano, tornou-se secretário executivo da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa da UFMG e consultor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), permanecendo nos dois cargos até o ano seguinte.

Foi secretário de Educação de Minas Gerais de 1983 a 1986, nas gestões dos governadores Tancredo Neves (1983-1984) e Hélio Garcia (1984-1987). Em novembro desse ano candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Eleito, assumiu seu mandato em fevereiro do ano seguinte, participando dos trabalhos da Constituinte como membro titular da Subcomissão da Educação, Cultura e Esportes, da Comissão da Família, da Educação, Cultura e Esportes, da Ciência e Tecnologia e da Comunicação, e suplente da Comissão de Sistematização.

Nas votações mais importantes da Constituinte, foi a favor da limitação do direito de propriedade privada, do mandado de segurança coletivo, da jornada semanal de 40 horas, do turno ininterrupto de seis horas, do aviso prévio proporcional, da unicidade sindical, da soberania popular, do voto aos 16 anos, da nacionalização do subsolo, da estatização do sistema financeiro, do limite de 12% ao ano para os juros reais, da limitação dos encargos para a dívida externa, da criação de um fundo de apoio à reforma agrária, da anistia aos micro e pequenos empresários e da desapropriação da propriedade produtiva; e contra a pena de morte, o presidencialismo, a legalização do jogo do bicho e o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney.

Em 1989 ingressou no Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), fundado em junho do ano anterior. Ainda em 1989 tornou-se primeiro-vice-presidente da executiva nacional da agremiação, cargo que ocuparia até 1991. Concorreu e foi eleito primeiro suplente de deputado federal em outubro de 1990. Deixou a Câmara ao final da legislatura, em janeiro de 1991.

Ainda este ano assumiu o cargo de secretário de Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente de Minas Gerais na segunda gestão de Hélio Garcia (1991-1995), exercendo a função até 1994. Candidatou-se novamente a uma cadeira na Câmara dos Deputados em 1994, obtendo apenas uma suplência.

Em 1995 tornou-se diretor do Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais, permanecendo no cargo até 1997. Em 25 de fevereiro deste ano assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados, substituindo Carlos Mosconi. Nas votações de que participou, declarou-se favorável à emenda constitucional que permitiu a reeleição do presidente da República, dos governadores e dos prefeitos e da emenda que pôs fim à estabilidade dos servidores públicos. Exerceu o mandato até 1º de janeiro de 1998, quando Maurício Campos retornou à Câmara.

Em 2004 passou a presidir o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA) em substituição a arquiteta e professora Vanessa Borges Brasileira. Depois, tornou-se subsecretário da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

No ano de 2009 foi escolhido para compor a diretoria colegiada da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais.

Foi membro de várias associações representativas de classe e de conselhos nacionais e estaduais nas áreas de ciência e tecnologia, presidente da Confederação Brasileira de Fotografia e Cinema e do Fotoclube de Minas Gerais.

Casou-se com Vera Lúcia Ferreira Alves de Brito, com quem teve três filhos.

Além do prefácio do livro A Cia. Vale do Rio Doce (1980), de Dermeval José Pimenta, foi autor de vários trabalhos científicos em revistas e jornais.

Marcelo Costa/Rogério Alves de Barros/Sabrina Guerghe

FONTES: ASSEMB. LEGISL. MG. Dicionário biográfico; ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertórios (1991-1995, 1995-1999); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova.; Folha de S. Paulo (5/2/98); Portal da Agência Minas (22/3/04); Portal da ALMG (10/8 e 1/9/09).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados