OTAVIO FRIAS DE OLIVEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FRIAS, Otávio
Nome Completo: OTAVIO FRIAS DE OLIVEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
Verbete: Frias (de Oliveira), Octavio

FRIAS, Otávio

* empresário e jornalista

 

                Otávio Frias de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro no dia 5 de agosto de 1912. Penúltimo dos nove filhos de Luís Torres de Oliveira e de Elvira Frias de Oliveira, seu pai foi juiz de direito da cidade de Queluz, interior do estado de São Paulo. A família paterna possuía raízes políticas no Rio de Janeiro. Seu avô Luís Plínio de Oliveira participou da construção dos Arcos da Lapa, adutora que trazia água do bairro de Santa Teresa para o centro da cidade, hoje um dos cartões postais da capital fluminense.

                Em 1918, com a licença de seu pai da magistratura e a mudança da família para a cidade de Jundiaí (SP), cursou o Colégio São Luís, mantido por padres jesuítas. Em 1927, aos 15 anos, devido a dificuldades financeiras enfrentadas pela família, deixou o colégio e começou a trabalhar. Seu primeiro emprego foi na Companhia de Gás de São Paulo, onde trabalhou como office-boy e mecanógrafo. Em 1930, convidado a exercer um posto junto à Secretária da Fazenda do Estado de São Paulo, organizou a confecção mecânica dos tributos estaduais.

                Em 1932, alistou-se nas tropas da Revolução Constitucionalista, permanecendo por dois meses em Cunha, na região do Vale do Paraíba.

                Sua vida profissional oscilou entre as atividades empresariais e a estabilidade do serviço público, prezada por seu pai. A partir de 1940, tornou-se diretor do Departamento Estadual do Serviço Público, respondendo pela diretoria de contabilidade e planejamento. Três anos mais tarde, na condição de acionista-fundador, participou do estabelecimento do Banco Nacional Imobiliário (BNI), dirigido por Orozimbo Roxo Loureiro, onde exerceu o cargo de diretor da carteira imobiliária. Nessa função, lançou o programa de condomínios a preço de custo, que possibilitou a construção de prédios como o da Copan e a Galeria Califórnia, projetos de Oscar Niemeyer, como também o Teatro Maria Della Costa.

                Na condição de diretor do banco, viajou várias vezes para os Estados Unidos, tomando contato com a cultura e o empresariado norte-americanos. Deixou o BNI em junho de 1954, seis meses antes do banco ter sido comprado pelo Bradesco, quando entrou em processo de liquidação.

                Em 1953, fundou a empresa Transaco - Transações Comerciais, uma das primeiras firmas especializadas na venda de ações diretamente ao público. Por conta dessa atividade, traduziu para o português o livro Do fracasso ao sucesso na arte de vender, de Frank Bettger, em 1956, e organizou, entre 1955 e 1958, cursos de vendas para equipes de até quinhentos vendedores, empreendimento inédito no país na época. Nesse período, a empresa Transaco prestou serviços ao jornal carioca Tribuna da Imprensa, de Carlos Lacerda e à Folha da Manhã, de José Nabantino Ramos.

                Associou-se ao empresário Carlos Caldeira Filho para juntos construírem a Estação Rodoviária de São Paulo, em 1961, e em 13 de agosto do ano seguinte adquiriram a Folha de São Paulo, de propriedade de José Nabantino Ramos.

                Frias e Caldeira, presidente e superintendente da empresa, dedicaram-se no primeiro momento a recuperar financeiramente o jornal. Contrataram para dirigir a redação o cientista José Reis, um dos criadores da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A reestruturação da Folha ficou a cargo do jornalista Cláudio Abramo, que havia saído do O Estado de São Paulo. Convidado, em fins de 1965, por Otávio Frias de Oliveira, Abramo foi primeiramente trabalhar na empresa Transaco, que realizava corretagem de ações e análises diárias para o jornal. Mais tarde, Frias o colocou dentro do jornal como chefe de produção, e em 1967, Abramo tornou-se secretário-geral da Folha.

                No final dos anos 1960, os sócios Frias e Caldeira chegaram a organizar o embrião de uma rede de televisão congregada à TV Excelsior de São Paulo, adquirindo, em 1967, outras três emissoras no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Dois anos depois, abandonaram o projeto. Nessa mesma época, investiram na modernização industrial da Folha de São Paulo, com a compra de novos equipamentos nos Estados Unidos. A partir de 1968, o jornal passou a ser o primeiro na América Latina a ser impresso em off-set.

                No período de 1969 a 1972, o jornal foi submetido à censura imposta pelo regime militar.

Durante os preparativos para a posse do general Ernesto Geisel como presidente da República, em 15 de março de 1974, Otávio Frias foi convidado pelo general Golberi do Couto e Silva para ir ao Rio conversar. Nessa conversa, Golberi delineou os rumos que seriam dados ao país pelo novo governo, mostrou a necessidade de uma abertura política, e que era conveniente para a concretização deste objetivo que houvesse em São Paulo mais de um jornal forte, em termos de peso de opinião pública. Entretanto, segundo Otávio Frias Filho, apesar do encorajamento para que a Folha de São Paulo se tornasse um jornal importante no estado, não houve, da parte do governo, nenhum outro tipo de apoio.

Em 1974, Boris Casoy, recém-contratado como editor de política do jornal, tornou-se editor-chefe da Folha. Um ano depois, Abramo retornou à direção do órgão e reformulou a página 3, com a colaboração de intelectuais e jornalistas como Paulo Francis, Newton Rodrigues e Alberto Dines, dando início a uma mudança ainda discreta do jornal. Essas alterações só começariam a se efetivar em 1976, quando Abramo retornou à direção efetiva da redação juntamente com Otávio Frias de Oliveira e Otávio Frias Filho.

Recém-nomeado diretor de redação, Cláudio Abramo iniciou uma série de mudanças no jornal, como uma grande reforma gráfica que mudou bastante o aspecto plástico, visual da Folha e introduziu uma sessão denominada “Tendências em debate”. Ao deixar o jornal, Abramo foi substituído por Rui Lopes.

Em 1977, Casoy retornou ao jornal e passou a escrever uma coluna sobre os bastidores políticos intitulada “Painel”. Em setembro desse ano, Abramo foi novamente afastado da direção de redação por imposição do ministro do Exército, general Sílvio Frota, em um episódio que envolveu o jornalista da Folha Lourenço Diaféria, que escrevera uma crônica considerada pelos militares ofensiva à memória de Duque de Caxias. No dia seguinte à prisão de Diaféria, o general Hugo Abreu, chefe da Casa Militar do presidente Ernesto Geisel, ligou para o jornal e Frias pediu que Abramo se demitisse, tendo sido então substituído por Boris Casoy.

Acerca desse episódio, Otávio Frias Filho escreveu, em 1996, uma versão que o associava a uma “crise provocada por uma tentativa de golpe militar contra o presidente Ernesto Geisel”.

                Em meados dos anos 1980, Frias começou a transferir a operação executiva do jornal para seus filhos Luís e Otávio, respectivamente nas funções de presidente e editor do Grupo Folha, sem, contudo, afastar-se da orientação e do dia-a-dia do órgão. Em 1984, Boris Casoy deixou o cargo de diretor de redação e voltou a escrever a coluna “Painel”, sendo substituído por Otávio Frias Filho.

                Sócios durante 30 anos, Frias e Caldeira desfizeram a sociedade em 1991, cabendo ao primeiro a empresa de comunicações e ao segundo os demais negócios e imóveis em comum.

Faleceu em São Paulo no dia 29 de abril de 2007.  

Casou-se em primeiras núpcias com Zuleika Lara de Oliveira, em 1948. Ficou viúvo em 1954 e dois anos depois casou-se com Dagmar de Arruda Camargo, com quem teve três filhos, Otávio, Maria Cristina e Luís.

Sobre o biografado foi publicado A trajetória de Octavio Frias de Oliveira (2006).

 

Beatriz Kushnir

 

Fontes: CURRIC. BIOG.; ENTREV. Otávio Frias Filho.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados