Paulo Jorge Mansur

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MANSUR, Paulo
Nome Completo: Paulo Jorge Mansur

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

MANSUR, Paulo

*dep. fed. SP 1963-1964.

Paulo Jorge Mansur nasceu em Igarapava (SP) no dia 4 de dezembro de 1915, filho de Jorge Mansur e de Maria Gomes Mansur.

Residiu na Síria dos quatro aos 12 anos de idade e, ao voltar para o Brasil, cursou o secundário no Instituto Mackenzie, em São Paulo, concluindo-o em 1933. Radialista, trabalhou na Rádio Difusora Paulista, onde transmitiu programas musicais. Lançou o primeiro rádio-teatro em língua árabe através de emissoras paulistas e, em 1946, tornou-se proprietário da Rádio Cultura de São Vicente (SP).

No pleito de outubro de 1958 candidatou-se a uma cadeira na Câmara dos Deputados na legenda do Partido Socialista Brasileiro (PSB), mas não teve êxito. Em outubro de 1962, com o apoio majoritário de imigrantes nordestinos da Baixada Santista, onde foi o candidato mais votado, elegeu-se deputado federal por São Paulo na legenda da coligação entre o PSB e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB. Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte, tornou-se membro da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. Conforme declarou ao Correio Brasiliense, manifestou-se favoravelmente à manutenção de relações comerciais com todos os países, ao regime presidencialista com eleições indiretas do presidente da República e dos governadores, à reforma eleitoral com a extensão do direito de voto a todos os cidadãos, e à reforma agrária cooperativista, com a desapropriação dos latifúndios improdutivos mediante o pagamento de uma indenização em títulos da dívida pública. Defendeu também o intervencionismo econômico e o monopólio estatal dos minérios atômicos, da energia elétrica, das telecomunicações e do petróleo, bem como a participação dos municípios na renda tributária nacional e a criação de um banco dos municípios, destinado a fomentar o desenvolvimento interno do país. Apoiou ainda a unificação das pastas militares, a criação do Ministério do Planejamento e as reformas tributária e bancária.

Após a vitória do movimento político-militar de 31 de março de 1964, que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), teve o mandato cassado em junho com base no Ato Institucional nº 1 (9/4/1964), abandonando então a vida pública. Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Nessa legenda concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados em novembro de 1982 e obteve uma suplência.

Faleceu no dia 8 de fevereiro de 2007.

Casado com Maria Gomes Mansur, teve quatro filhos, entre eles Beto Mansur, que foi prefeito de Santos e deputado federal.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Anais; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CAMPOS, Q. Fichário; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados