PAULO TARSO FLECHA DE LIMA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LIMA, Flecha de
Nome Completo: PAULO TARSO FLECHA DE LIMA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LIMA, FLECHA DE

LIMA, Flecha de

*diplomata; emb. Bras. Inglaterra 1990-1993; emb. Bras. EUA 1993-1999; emb. Bras. Itália 1999-2001.

 

Paulo Tarso Flecha de Lima nasceu em Belo Horizonte no dia 8 de julho de 1933, filho de Sebastião Dayrell de Lima e de Maria de Lurdes Flecha de Lima.

Após concluir os estudos básicos em sua cidade natal, obteve o bacharelato em ciências jurídicas e sociais pela Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro (1955), e entrou, por concurso direto, para a carreira diplomática. Foi nomeado cônsul de terceira classe em junho de 1955 e fez, a seguir, o curso de aperfeiçoamento de diplomatas do Instituto Rio Branco. Integrou a delegação às solenidades de posse do presidente do Brasil e, como oficial do Gabinete Civil, a equipe do presidente Juscelino Kubitschek até 1959. Tomou parte na I Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena (Áustria), em 1957, e nas solenidades de posse do presidente do México, no ano seguinte.

Promovido a segundo-secretário por merecimento, em 1959, foi removido para Roma (Itália) em 1961, servindo na embaixada junto ao Quirinal até 1962, ano em que exerceu as funções de encarregado de negócios e de representante-suplente à XXXI Sessão do Comitê de Produtos de Base da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. Em Montevidéu (Uruguai), serviu de 1962 a 1964 como segundo-secretário na embaixada junto à Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC), na qual exerceria as funções de encarregado de negócios em 1963, 1965 e 1966. Foi promovido a primeiro-secretário por merecimento em outubro de 1964 e continuou em Montevidéu até 1966. Nesse período, foi representante suplente junto à ALALC (1964-1966) e participou de numerosas reuniões e conferências em Montevidéu e Buenos Aires (Argentina).

De volta à Secretaria de Estado das Relações Exteriores, dirigiu a Divisão Latino-Americana de Livre Comércio (Dalalc) de 1966 a 1968, tendo recebido, em fevereiro de 1967, o título de conselheiro. Nas funções de chefe da Dalalc, tomou parte em diversas reuniões internacionais, entre as quais a reunião de chanceleres dos países da bacia do Prata em Buenos Aires (1967), a V Reunião Anual do Conselho Interamericano Econômico e Social em Viña del Mar (Chile) e o IV Período de Sessões Extraordinárias da Conferência das Partes Contratantes do Tratado de Montevidéu. Ainda em 1967, coordenou a reunião do conselho de ministros da ALALC em Assunção (Paraguai) e participou da III Reunião da Comissão Especial Brasil-Argentina de Coordenação (CEBAC), bem como da I Reunião do Grupo sobre Implicações Financeiras da Integração Econômica Latino-Americana, ambas no Rio de Janeiro.

Indicado subchefe do grupo técnico exploratório do Brasil para conversações comerciais com a Venezuela (1967), tomou parte na sessão brasileira da Comissão Mista Brasil-Chile (1968), nas reuniões da CEBAC em Buenos Aires (1967-1968) e no Rio de Janeiro (1968) e, como coordenador, no VII Período de Sessões Ordinárias da Conferência da ALALC em Montevidéu (1968). Removido para Nova Iorque em 1969, chefiou, como cônsul-adjunto, o Setor de Promoção Comercial (Secom) do consulado geral da cidade até 1971. Nesse período, foi também subchefe das conversações sobre exportação de têxteis brasileiros para os Estados Unidos.

De volta ao Brasil, foi nomeado, em 1971, chefe do Departamento de Promoção Comercial da Secretaria de Estado das Relações Exteriores. Encarregado do comércio internacional do Brasil nos 13 anos seguintes, dedicou-se com sucesso a remodelar, modernizar e expandir os serviços de apoio a essa atividade no exterior. Nesse período (1971-1984), chefiou, entre outras missões, a delegação do Brasil a Bagdá para dar cumprimento ao disposto no acordo sobre cooperação comercial, assinado com o governo do Iraque em maio de 1971. Em 1972, integrou a comitiva do ministro das Relações Exteriores, Mário Gibson Barbosa, em viagem a países da costa oeste da África.

Em 1973 representou o Ministério das Relações Exteriores (MRE) no convênio de prestação de assistência técnica para a modernização do sistema de informações da pasta e no comissariado da Feira Brasileira de Exportação. No ano seguinte, integrou a comitiva do ministro das Relações Exteriores, Antônio Azeredo da Silveira, em viagem oficial ao Senegal. Membro da comitiva de Azeredo da Silveira em viagem oficial à Costa do Marfim em 1975, participou, nesse mesmo ano, da XXX Sessão da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, e chefiou a missão preparatória à visita do ministro das Relações Exteriores do Brasil ao Iraque. Também em 1975, integrou a comitiva do presidente, general Ernesto Geisel, em visita oficial ao Uruguai. No ano seguinte, chefiou missão comercial governamental a Angola e à seção brasileira da Comissão Econômica Brasil-Canadá, em Ottawa (Canadá).

Promovido por merecimento a ministro de primeira classe em abril de 1977, no mesmo ano chefiou a seção brasileira da Comissão Econômica Mista Brasil-Kuweit, integrou a comitiva do ministro da Indústria e Comércio, Ângelo Calmon de Sá, em viagem oficial ao Iraque e chefiou a seção brasileira na reunião sobre investimentos privados Brasil-Portugal, em Lisboa, e as missões comerciais ao Irã, à Venezuela e à Argélia, além de ter participado de missão especial à Nigéria, da feira internacional de Bagdá (Iraque) e da reunião de coordenação dos Secoms em Dallas (EUA). Em 1978, chefiou a seção brasileira na reunião Brasil-Portugal sobre investimentos recíprocos, em Lisboa, e integrou as comitivas do secretário-geral do MRE, embaixador Dario de Castro Alves, em viagens oficiais ao Irã, Japão e Austrália, além de ter participado da visita oficial do presidente Geisel à Alemanha Ocidental. Subchefe da delegação brasileira à reunião da Comissão Mista Brasil-Iraque, em Bagdá, em 1979, no mesmo ano chefiou missões comerciais à Argélia e a Malta.

Em 1980 participou da I Reunião da Comissão Mista Brasil-Nigéria em Lagos, chefiou a missão comercial governamental à Arábia Saudita e desempenhou missão oficial junto ao governo da Grécia, tendo ainda integrado a comitiva do ministro das Relações Exteriores, Ramiro Saraiva Guerreiro, em visita oficial aos países da África Austral e participado do seminário da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) em Viena. Em Lagos, participou da II Reunião da Comissão Mista de Coordenação Brasil-Nigéria, em 1981, tendo no mesmo ano chefiado missão comercial aos países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean). Também em 1981, integrou a comitiva do presidente, general João Batista de Figueiredo, em suas visitas a Portugal, França, Colômbia, Equador, Alemanha Ocidental e Peru.

Embaixador, em missão especial, para negociações econômicas junto ao governo do Iraque em 1982, nesse mesmo ano foi subchefe da delegação brasileira à III Reunião da Comissão Mista Brasil-Iraque e integrou a comitiva da visita presidencial aos Estados Unidos e ao Canadá e a missão comercial governamental ao Egito. No ano seguinte, foi chefe da missão preparatória à visita presidencial ao México, das missões comerciais à Argentina e ao Paraguai, da delegação brasileira às conversações econômicas junto ao governo da França, em Paris, da missão preparatória à visita presidencial à Nigéria e da delegação do Brasil à reunião do Comitê Conjunto ad hoc sobre Questões Comerciais em Bagdá, além de ter integrado a comitiva da visita do presidente Figueiredo à África. Em 1984, foi nomeado subsecretário-geral para Assuntos Econômicos e Comerciais do MRE.

No ano seguinte, atingiu o cargo mais alto da carreira diplomática como secretário-geral das Relações Exteriores, tendo sido, nesse mesmo ano, assessor especial para a coordenação da viagem ao exterior do presidente eleito Tancredo Neves. À frente da Secretaria Geral do Itamarati, coordenou a adesão do Brasil aos Pactos de Direitos Civis e Políticos e de Direitos Econômicos e Sociais das Nações Unidas e ao Pacto de São José — principais instrumentos jurídicos internacionais e interamericanos de proteção aos direitos humanos —, bem como às Convenções contra a Tortura da ONU e da Organização dos Estados Americanos. Também durante sua gestão, foi criado o Instituto de Pesquisas em Relações Internacionais. Em várias ocasiões, assumiu interinamente o Ministério das Relações Exteriores. Embaixador em missão especial nos EUA para assuntos econômicos e comerciais bilaterais em 1986, foi a seguir nomeado representante especial do governo brasileiro para negociações comerciais.

Em 1990, foi nomeado embaixador do Brasil em Londres, em substituição a Celso Antônio de Sousa Silva. Em 1991, durante a Guerra do Golfo, tendo em vista sua familiaridade com o Iraque e sua capacidade de negociação, chefiou uma missão diplomática a Bagdá que conseguiu a liberação de centenas de trabalhadores brasileiros retidos no país. Também no mesmo ano, foi designado pelo Itamarati para acompanhar o herdeiro do trono britânico, príncipe Charles, e a princesa de Gales, lady Diana — de quem sua esposa tornou-se grande amiga —, durante a primeira visita do casal ao Brasil. Deixou a embaixada em Londres em novembro de 1993, para assumir o cargo de embaixador nos Estados Unidos em sucessão a Rubens Ricupero, sendo substituído na capital inglesa por Rubens Barbosa.

Em dezembro de 1994, liderou a participação do Brasil na Cúpula das Américas, em Miami (EUA), encontro em que foi aprovado um plano de ação com vistas à eliminação das barreiras alfandegárias entre os países do continente e à criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), que, embora prevista para ser instalada até 2005, não se concretizou.

Uma das principais polêmicas que enfrentou como embaixador em Washington foram as críticas à questão dos direitos humanos no Brasil. Em janeiro de 1995, num artigo para o jornal Folha de S. Paulo, acusou a Anistia Internacional e outras organizações não-governamentais de “desonestidade intelectual” e “má-fé” pela publicação de três relatórios responsabilizando as autoridades brasileiras por práticas de torturas contra crianças, homossexuais e prostitutas e outras violências verificadas no país. Seu artigo provocou uma reação imediata de intelectuais e especialistas dos direitos humanos, num debate que se estendeu por vários dias.

Em agosto de 1995, Flecha Ribeiro sofreu uma hemorragia cerebral. Retornou ao trabalho em outubro, após duas cirurgias. As relações comerciais Brasil-Estados Unidos foram uma de suas prioridades em Washington. Contra as informações de possíveis conflitos nessa área, procurou sempre ressaltar a “convergência estrutural” entre os dois países, baseada — segundo afirmou em várias ocasiões — na opção pelo livre-mercado e no respeito aos direitos humanos e à democracia.

Não obstante as declarações oficiais, o relacionamento com os norte-americanos enfrentou alguns percalços durante sua gestão. O principal deles foi a pressão dos Estados Unidos para a aprovação de uma Lei de Propriedade Industrial pelo Congresso brasileiro. Favorável à adoção de uma legislação específica para o setor, como forma de garantir a continuidade dos investimentos externos, Flecha de Lima conseguiu evitar a adoção de sanções comerciais contra o Brasil durante todo o período em que se estendeu a polêmica. Para além dos acordos de cooperação estabelecidos com os norte-americanos, criticou em várias oportunidades a política protecionista dos EUA em setores importantes para a economia brasileira, notadamente o agropecuário e o siderúrgico. Também a data prevista para a criação da ALCA foi objeto de divergências entre os dois países, tendo o Brasil liderado a resistência às pressões americanas para a aceleração do processo.

Deixou a embaixada de Washington em junho de 1999, assumindo em seguida a de Roma. Foi sucedido nos Estados Unidos novamente pelo embaixador Rubens Barbosa. Em outubro do mesmo ano foi designado para chefiar, cumulativamente, a embaixada na Albânia. Permaneceu na embaixada da Itália até o fim de 2001, quando foi substituído por Angelo Andrea Matarazzo. Este foi seu último posto como diplomata.

Mesmo aposentado, Flecha de Lima continua acompanhando a política internacional e concedendo sua análise sobre os acontecimentos na ordem global. Além disso, ele integra um escritório de consultoria em Brasília. Em entrevista a Isto é Dinheiro, em 05/04/2003, ressaltou sua preocupação em entender como será o mundo depois da guerra do Iraque e afirmou que o mundo só poderia ser reconstruído depois que o presidente americano à época, George W. Bush, deixasse o poder. Para Flecha de Lima, o sistema político internacional, estruturado em torno da ONU, é o principal afetado pela guerra. O unilateralismo do presidente George W. Bush estaria destruindo a ONU. Com relação ao Brasil, entende que “é péssimo para nós o colapso do sistema multilateral. Esse sistema é uma proteção que dilui nossas fraquezas ao obrigar as grandes nações a respeitar as regras do jogo. No momento em que os americanos quebram as regras, prevalece a lei do mais forte. E não somos nós.”

Casou-se com Lúcia Martins Flecha de Lima, com quem teve cinco filhos.

Publicou o livro Caminhos diplomáticos (1997), reunindo artigos, entrevistas e discursos.

Sílvia Escorel/Luís Otávio de Sousa

FONTES: CURRIC. BIOG.; Agência Senado (01/10/2009); Isto é Dinheiro Entrevista (05/04/2003); Folha de S. Paulo (26/2, 3 e 18/12/94, 9, 10, 11, 14, 15, 19, 21, 25 e 26/1, 15/2, 17, 18 e 21/4, 9/5, 26/8, 9, 14 e 27/9 e 4/10/95, 1/3, 13 e 21/10/96, 17/2, 19/8, 4, 14, 15 e 21/10/97, 13/5 e 15/12/98 e 14/6/99, 24/10/01); Jornal do Brasil (13 e 21/9/90 e 6/10/93); MIN. REL. EXT. Anuário (1983).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados