PIZA SOBRINHO, LUIS DE TOLEDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PIZA SOBRINHO, Luís de Toledo
Nome Completo: PIZA SOBRINHO, LUIS DE TOLEDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PIZA SOBRINHO, LUÍS DE TOLEDO

PIZA SOBRINHO, Luís de Toledo

*rev. 1932; const. 1946; dep. fed. SP 1946-1951.

 

Luís de Toledo Piza Sobrinho nasceu na cidade de São Paulo no dia 3 de setembro de 1888, filho de José de Toledo Piza Penteado e de Maria José Guimarães de Toledo Piza.

Estudou em seu estado no curso normal da Escola Modelo Prudente de Morais, de cujo jornal foi fundador.

Professor primário no interior e na capital de São Paulo, em 1904 trabalhou como secretário do jornal A Luz. No ano seguinte passou a redator do jornal O Estado, exercendo essa função até 1913. Posteriormente, tornou-se fazendeiro de café em Pirajuí (SP), onde administrou a fazenda Reunidas, de sua propriedade.

Em 1914 bacharelou-se pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais de São Paulo, passando a trabalhar como promotor público em várias comarcas paulistas. Encarregado da reforma da instrução pública de Alagoas, retornou depois a São Paulo, onde passou a trabalhar na Recebedoria de Rendas do Estado e em seu escritório de advocacia, montado em sociedade com Paulo Setúbal.

Sua atividade política foi iniciada e desenvolvida na zona noroeste, como vereador no município de Pirajuí, onde chegou a prefeito e presidente da Câmara Municipal. Eleito sucessivamente deputado estadual na legenda do Partido Republicano Paulista, exerceu o mandato de 1918 a 1930. Após a Revolução de 1930 participou, em 1932, da Revolução Constitucionalista de São Paulo, deflagrada em julho contra o Governo Provisório chefiado por Getúlio Vargas. Ao término do movimento, derrotado em outubro de 1932, exilou-se em Lisboa. Um ano depois, de volta ao Brasil, elegeu-se, em outubro de 1934, deputado federal por São Paulo, na legenda do Partido Constitucionalista. Renunciou, contudo, ao mandato para assumir, em São Paulo, a Secretaria de Agricultura e Comércio, no governo de Armando de Sales Oliveira (1935-1937).

Em dezembro de 1936, tornou-se presidente do Departamento Nacional do Café, função que exerceu até fevereiro de 1937. Integrou a União Democrática Brasileira (UDB), partido político de âmbito nacional constituído em 1937. Reunindo vários partidos estaduais de oposição ao presidente Getúlio Vargas, a UDB lançou a candidatura de Armando de Sales Oliveira à presidência da República no pleito previsto para 1938. Em novembro de 1937, Toledo Piza colocou-se contra a implantação do Estado Novo. No ano seguinte partiu para o exílio na França, de onde seguiu, juntamente com integrantes da UDB, para os Estados Unidos. Em janeiro de 1939 esse grupo enviou ao presidente americano Franklin Roosevelt um manifesto que denunciava o totalitarismo vigente no Brasil sob o regime do Estado Novo.

Com a desagregação desse regime e o início da redemocratização do país, retornou ao Brasil em abril de 1945, depois de sete anos de exílio. Elegeu-se, em dezembro seguinte, deputado à Assembléia Nacional Constituinte, por São Paulo, na legenda da União Democrática Nacional (UDN), de cujo conselho nacional fez parte. Empossado em fevereiro de 1946, participou dos trabalhos constituintes e, após a promulgação da nova Carta (18/9/1946), passou a exercer o mandato ordinário. Durante a legislatura, em janeiro de 1948 votou contra a cassação dos mandatos dos parlamentares comunistas, que acabou prevalecendo. Integrou a Comissão Permanente de Finanças da Câmara dos Deputados e foi ainda relator dos orçamentos das pastas da Guerra e da Marinha, bem como do projeto que liberou os bens dos súditos do Eixo, após o término da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Deixou a Câmara ao final de seu mandato, em janeiro de 1951.

No período de 1958 a 1960 foi presidente do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Marítimos (IAPM). Representou as classes produtoras no Conselho Consultivo da Comissão Executiva Brasileira do Intercâmbio Brasil-URSS durante o período de 1960 a 1964 e em 1966. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

Faleceu em São Paulo no dia 19 de maio de 1983.

Era casado com Rejana de Toledo Piza, com quem teve dois filhos.

Publicou O problema político brasileiro (1929), Ação nacional (1934), O problema rural em São Paulo (1936), O problema do café (1936) e O problema agrário no Brasil (1946).

 

FONTES: ARAÚJO, A. Chefes; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; DEP. PESQ. ESTADO DE SÃO PAULO; Diário do Congresso Nacional; DUARTE, P. Prisão; Estado de S. Paulo (3/9/78 e 4/9/88); FREIRE, G. Ordem; GALVÃO, F. Fechamento; Grande encic. Delta; LEITE, A. História; LEITE, A. Páginas; MELO, L. Dic.; SILVA, G. Constituinte; SILVA, H. 1932; SILVA, H. 1939.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados