RITTER, KARL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RITTER, Karl
Nome Completo: RITTER, KARL

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RITTER, KARL

RITTER, Karl

*diplomata alemão; emb. Alemanha no Brasil 1937-1938.

 

Karl Ritter nasceu na cidade alemã de Dörflas em 5 de junho de 1883.

Depois de concluir o curso de direito em outubro de 1905, trabalhou em Berlim como estagiário do Jornal de Colônia, ingressando em novembro de 1907 no serviço civil do estado da Baviera. Em dezembro de 1910, habilitou-se a prestar o segundo exame jurídico, podendo então iniciar suas atividades profissionais como advogado.

Em 1919, foi admitido no Instituto Econômico do Estado e, no ano seguinte, passou à condição de conselheiro do Ministério da Fazenda de seu país. Em fevereiro de 1922, ingressou nos quadros do Ministério dos Negócios Estrangeiros, sendo destacado para a seção especial de economia como ministro de segunda classe. Promovido a ministro de primeira classe em 1924, assumiu a chefia do departamento de política econômica do ministério, tornando-se um dos principais articuladores da ofensiva comercial empreendida pela Alemanha na década de 1930, já sob o regime nazista.

Em 1934, preparou a vinda ao Brasil de uma delegação especial para negociar a implementação do comércio de compensação (realizado sem utilização de divisas) e, dois anos depois, participou ativamente das conversações efetuadas em Berlim para a assinatura do ajuste de comércio compensado entre os dois países.

Em junho de 1937, chegou ao Rio de Janeiro, então Distrito Federal, para assumir as funções de embaixador de seu país, substituindo Arthur Schmidt-Elskop. Em fins de novembro, após a decretação do Estado Novo por Getúlio Vargas, declarou que “não existiam diferenças políticas entre o Brasil e a Alemanha e que não podia imaginar que viesse surgir alguma no futuro”. No entanto, logo depois apareceu um ponto de atrito entre Ritter e o governo de Vargas em torno da organização do Partido Nazista no Brasil, chefiado pelo adido cultural da embaixada alemã, Hans Menning von Cossel, e especialmente ativo entre a colônia alemã radicada no Sul do país.

Após a dissolução de todos os partidos políticos nacionais, decretada em dezembro de 1937, o governo determinou medidas rigorosas contra as atividades dos agentes nazi-fascistas no Brasil, o que levou à prisão, em fevereiro do ano seguinte, de Ernst Dorsch, provocando o primeiro incidente entre Ritter e o Itamarati. A ação do Partido Nazista tornou-se, em seguida, cada vez mais ofensiva, acentuando as preocupações dos chefes militares brasileiros com a segurança interna. Em 18 de abril, o funcionamento de partidos políticos estrangeiros em território nacional foi suspenso, e o uso do alemão em escolas particulares — até então freqüente no Sul passou a sofrer restrições, como parte de uma campanha de nacionalização do ensino.

Em 10 de maio de 1938, Ritter entregou ao chanceler Osvaldo Aranha uma nota de protesto contra as decisões adotadas pelo governo brasileiro. Na madrugada seguinte, grupos ligados à Ação Integralista Brasileira (AIB), de inspiração fascista, tentaram tomar de assalto o palácio Guanabara, residência oficial de Vargas, com o objetivo de depor e aprisionar o chefe do governo. Apesar da precária resistência legalista, os atacantes foram contidos em poucas horas. Convencidas de que o levante contara com ajuda de agentes nazistas, as autoridades brasileiras prenderam seis cidadãos alemães, entre os quais um alto funcionário do Ministério dos Transportes desse país, chamado Koenig. Ritter reagiu drasticamente a esses fatos, chegando a solicitar permissão de Berlim para ameaçar com o rompimento das relações diplomáticas. A conduta do embaixador acabou por incompatibilizá-lo com Osvaldo Aranha e mereceu posteriormente reparos do próprio chanceler alemão, Joachim von Ribbentrop.

Em fins de junho, foi descoberto no Sul do país outro plano de revolta integralista, provocando novo agravamento das relações com a Alemanha. No mês seguinte, Ritter promoveu no Rio de Janeiro uma reunião com representantes das colônias alemãs radicadas no Chile, Argentina e Uruguai para tratar da “campanha antigermânica” na América Latina.

Em agosto de 1938, Karl Ritter viajou à Alemanha a fim de participar do congresso do Partido Nazista, realizado em Nuremberg. Osvaldo Aranha aproveitou essa oportunidade para solicitar que o embaixador brasileiro em Berlim, José Joaquim Muniz de Aragão, encaminhasse às autoridades alemãs um pedido de mudança do seu representante no Brasil. A questão já estava praticamente resolvida quando Muniz de Aragão comunicou a volta de Ritter ao Rio de Janeiro, por poucos dias, com o objetivo de levar a Vargas as propostas da empresa Krupp para a instalação de uma usina siderúrgica. Osvaldo Aranha se opôs energicamente a essa viagem. Diante do impasse criado, Ritter foi declarado persona non grata pelo governo brasileiro em 21 de setembro de 1938, levando a Alemanha a adotar posição semelhante em relação a Muniz de Aragão. A normalização das relações diplomáticas só se verificou em junho do ano seguinte, com as nomeações dos embaixadores Ciro de Freitas Vale para Berlim e Kurt Prüfer para o Rio de Janeiro.

Em outubro de 1938, Ritter foi enviado à Tchecoslováquia, já sob ocupação alemã, como delegado às negociações econômicas previstas pelos acordos de Munique, assinados nesse mesmo ano. A partir de maio de 1939, serviu até o final da Segunda Guerra Mundial como oficial de ligação entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o estado-maior das forças alemãs, exercendo, ainda, em 1940, a chefia da delegação de seu país que viajou à União Soviética para negociar acordos econômicos.

Após a derrota da Alemanha na guerra, Ritter respondeu ao processo de Nuremberg, sendo condenado a quatro anos de reclusão.

Faleceu no dia 31 de julho de 1968.

Paulo Brandi

 

 

FONTES: BANDEIRA, L. Presença; CORRESP. EMB. REP. FED. ALEMANHA; HILTON, S. Brasil e as grandes; LEVINE, R. Vargas; SILVA, H. 1938; SILVA, H. 1939.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados