RODRIGUES JUNIOR, SEBASTIAO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RODRIGUES JÚNIOR, Sebastião
Nome Completo: RODRIGUES JUNIOR, SEBASTIAO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RODRIGUES JÚNIOR, SEBASTIÃO

RODRIGUES JÚNIOR, Sebastião

*dep. fed. PR 1975-1987.

 

Sebastião Rodrigues de Sousa Júnior nasceu em Juiz de Fora (MG) no dia 10 de junho de 1937, filho de Sebastião Rodrigues de Sousa e de Ilza Gonçalves Rodrigues.

Fez seus primeiros estudos no Instituto Granbery, em sua cidade natal, transferindo-se posteriormente para o Rio de Janeiro, onde se bacharelou em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil.

Radicando-se no Paraná, ocupou o cargo de chefe de serviço da Carteira de Crédito Agrícola e Industrial do Banco do Brasil nas agências de Francisco Beltrão e de Pato Branco, tendo sido gerente desta última no período de 1967 a 1970. Com forte militância política no sudoeste paranaense, em novembro de 1970 elegeu-se deputado à Assembléia Legislativa na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instalado no país em março de 1964. Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte, tornou-se líder da bancada de seu partido e membro das comissões de Justiça e de Terras. Representante da região sudoeste do estado, formada pelos municípios de Pato Branco, Francisco Beltrão, Coronel Vivida, Santo Antônio do Sudoeste e Capanema, defendeu a solução dos problemas de desenvolvimento econômico e agrícola paranaense e o restabelecimento do estado de direito.

No pleito de novembro de 1974 foi eleito deputado federal pelo Paraná sempre na legenda do MDB. Assumindo sua cadeira em fevereiro de 1975, após deixar a Assembléia Legislativa, foi membro da Comissão de Constituição e Justiça e suplente da Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara dos Deputados. Em novembro de 1977, declarou que era de competência do governo a continuidade do diálogo com a oposição porque a ele cabia esclarecer até que ponto seria revisto o “pacote de abril”, conjunto de reformas promovidas pelo Executivo em abril do mesmo ano. Ainda em 1977, representou o Congresso Nacional na conferência da União Interparlamentar realizada em Sófia, Bulgária, evento em que voltaria a estar presente nas edições de 1980, realizada em Berlim Oriental, na Alemanha Oriental, de 1982, em Bogotá, Colômbia, e de 1984, em Genebra, Suíça.

Em 1978, foi vice-líder de seu partido na Câmara e presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Defesa do Consumidor, além de participar da CPI sobre as multinacionais. Reeleito em novembro desse ano, ainda na legenda do MDB, com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Nessa legislatura, integrou a Comissão de Relações Exteriores e a CPI destinada a investigar as causas das elevadas taxas de juros nos diversos setores do Sistema Financeiro Nacional, e foi também suplente da Comissão de Economia, Indústria e Comércio. No pleito de novembro de 1982 conseguiu nova reeleição, na legenda do PMDB, iniciando seu segundo mandato em fevereiro de 1983.

Observador da delegação brasileira junto à XXXIX Sessão da Assembléia Geral da Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque, em 1984, em 25 de abril desse ano votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que, apresentada na Câmara dos Deputados, propôs o restabelecimento das eleições diretas para presidente da República em novembro daquele ano. Como a emenda não obteve o número de votos indispensáveis à sua aprovação — faltaram 22 para que o projeto pudesse ser encaminhado à apreciação pelo Senado —, no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, votou no candidato oposicionista Tancredo Neves, eleito novo presidente da República pela Aliança Democrática, uma união do PMDB com a dissidência do Partido Democrático Social (PDS) abrigada na Frente Liberal. Com a doença e posterior morte de Tancredo, o vice José Sarney foi empossado na presidência da República em 15 de março e efetivado no dia 21 de abril de 1985.

Ainda nesse ano, afastou-se da Câmara dos Deputados para assumir, a convite do presidente José Sarney, a diretoria do Crédito Rural do Banco do Brasil. Entre maio de 1986 e outubro de 1988, acumulou essa diretoria com a vice-presidência de operações do banco. Deixando o Crédito Rural em 1989, passou então a ocupar a diretoria de finanças da instituição. Entre novembro de 1990 e fevereiro de 1991, foi chefe-adjunto do gabinete da presidência do Banco do Brasil. Nomeado, no final de 1990, gerente da agência do Banco do Brasil em Barcelona, Espanha, recusou o cargo por ter sido convidado por Roberto Requião, governador eleito do Paraná, para ocupar a Secretaria Especial para Assuntos Externos, estrutura administrativa vinculada diretamente ao gabinete do chefe do Executivo estadual, destinada a fazer gestões junto a organismos federais e internacionais em favor de reivindicações do estado e que congregava os escritórios de representação do Paraná em Brasília e no Rio de Janeiro. Assumiu a secretaria em março de 1991.

Faleceu em São Paulo no dia 24 de julho de 1992.

Era casado com Marlene Rehbein Rodrigues, com quem teve três filhas.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (8 e 9); INF. BIOG; IPC. Relação de ex-parlamentares (1/1/92 a 18/8/98); Jornal do Brasil (6/11/77); NÉRI, S. 16; Perfil (1980); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (9); Who’s who in Brazil.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados