ROMULO GALVAO DE CARVALHO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GALVÃO, Rômulo
Nome Completo: ROMULO GALVAO DE CARVALHO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
Galvao, Rômulo

GALVÃO, Rômulo

* dep. fed. BA 1975-1987.

 

Rômulo Galvão de Carvalho nasceu em Campo Formoso (BA), no dia 22 de setembro de 1930, filho de Antônio João de Carvalho e de Djanira Galvão de Carvalho.

Bacharel em ciências jurídicas e sociais pela faculdade de direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 1959, alcançou o grau de mestre em administração pública em 1963, pela Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

                Professor da escola de administração e da faculdade de direito, além de chefe de gabinete da reitoria, do departamento social e da divisão de pesquisas administrativas da UFBA, entre 1967 e 1968, nesse mesmo período lecionou também na faculdade de ciências contábeis da Fundação Visconde de Cairu e na faculdade de ciências econômicas da Universidade Católica de Salvador. Em 1971, no primeiro governo de Antônio Carlos Magalhães (1971-1975), assumiu a Secretaria de Educação e Cultura.

No pleito de novembro de 1974 elegeu-se deputado federal na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instaurado no país em abril de 1964. Tendo tomado posse em fevereiro de 1975, presidiu a Comissão de Educação e Cultura e, na condição de suplente, participou da Comissão de Serviço Público. Reeleito em novembro de 1978, um ano depois, com a extinção do bipartidarismo e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), sucessor da Arena. Nessa legislatura fez parte da comissão parlamentar de inquérito que investigou a situação do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e avaliou a política do governo para sua defesa e conservação. Retomando a presidência da Comissão de Educação e Cultura, atuou como suplente da Comissão de Comunicação.

Em novembro de 1982, na legenda do PDS, conquistou seu terceiro mandato.

Ausente da sessão da Câmara que, em 25 de abril de 1984, por falta de 22 votos, não aprovou a emenda Dante de Oliveira – proposta de eleição direta para presidente da República que deixou de ser apreciada pelo Senado –, no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, Rômulo Galvão votou no candidato oficial do regime, Paulo Maluf, derrotado pelo oposicionista Tancredo Neves, da Aliança Democrática, uma união do PMDB com a dissidência do Partido Democrático Social (PDS) abrigada na Frente Liberal. Doente, Tancredo Neves não chegou a ser empossado, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 15 de março.

Rômulo Galvão disputou o quarto mandato em novembro de 1986, mas não conseguiu se eleger. Diante disso, deixou a Câmara dos Deputados ao término da legislatura, em janeiro de 1987.

De volta às atividades educacionais, tornou-se professor da Escola de Administração da UFBA e de 1991 a 1993 foi delegado do Ministério da Educação na Bahia. Presidente do Conselho Estadual de Educação no biênio 1993-1994, no pleito de outubro de 1998 candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Legislativa da Bahia  na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL), mas não conseguiu se eleger.

Foi diretor do Instituto do Cacau, membro da Associação Brasileira de Técnicos de Administração e funcionário do Banco do Brasil.

Casou-se com Eliana Vieira Lima Galvão, com quem teve três filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1983-1987); Globo (26/4/84 e 16/1/85); INF. BIOG.; TRIB. SUP. ELEIT. Relação (1998).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados