ROSPIDE ROSPIDE NETO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ROSPIDE NETO
Nome Completo: ROSPIDE ROSPIDE NETO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ROSPIDE NETO

ROSPIDE NETO

*const. 1987-1988; dep. fed. RS 1987-1991.

Rodolfo Rospide Neto nasceu em Iraí (RS) no dia 26 de novembro de 1938, filho de Aurino Rospide e de Iracema Ramos Rospide.

Advogado, contabilista e produtor rural, iniciou sua carreira política como vereador no município de Três de Maio (RS), eleito na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) no pleito de novembro de 1962. Tomou posse em fevereiro do ano seguinte e, ainda em 1963, bacharelou-se no curso de direito da Faculdade Santo Ângelo.

Em 27 de outubro de 1965, com a edição do Ato Institucional nº 5 (AI-5), que extinguiu os partidos políticos existentes e implantou o bipartidarismo no país, Rospide Neto ingressou no Movimento Democrático Brasiliero (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. No pleito de novembro de 1966 foi reeleito vereador, desta vez pela nova agremiação, tendo sido empossado em fevereiro de 1967. Após o exercício de dois mandatos consecutivos como vereador, disputou uma cadeira na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul no pleito de novembro de 1970. Empossado em fevereiro de 1971, foi reeleito para mais três mandatos estaduais consecutivos (1975-1979, 1979-1983, 1983-1987). No início de seu terceiro mandato, com a extinção do bipartidarismo e a conseqüente reorganização partidária em 29 de novembro de 1979, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que sucedeu ao MDB. Como deputado estadual foi presidente da mesa diretora daquela casa e da Comissão de Agricultura, além de líder do PMDB.

No pleito de novembro de 1986 disputou uma vaga para a Câmara dos Deputados. Eleito deputado constituinte com os votos de setores da classe média urbana, de agricultores e representantes da esquerda gaúcha, foi empossado em fevereiro de 1987. Atuou na Constituinte como membro da Subcomissão do Sistema Eleitoral e Partidos Políticos da Comissão de Organização Eleitoral, Partidária e Garantia das Instituições.

Peemedebista histórico, ligado ao grupo do então governador do Rio Grande do Sul, Pedro Simon, com exceção da estabilidade no emprego votou com os setores representantes dos interesses dos trabalhadores. No campo econômico adotou uma postura nacionalista revelando-se a favor da presença do Estado em alguns setores da economia e preocupado com o incentivo ao desenvolvimento tecnológico do país. Votou na reforma agrária no primeiro turno das votações, mas, no turno final afirmou não aceitar a desapropriação da propriedade produtiva e voltou atrás em sua posição anterior.

Votou a favor do rompimento de relações diplomáticas com países de orientação racista, da limitação do direito de propriedade produtiva, do mandado de segurança coletivo, da remuneração 50% superior para o trabalho extra, da jornada semanal de 40 horas, do turno ininterrupto de seis horas, do aviso prévio proporcional, da unicidade sindical, da soberania popular, do voto aos 16 anos, da nacionalização do subsolo, da estatização do sistema financeiro, do limite de 12% ao ano para os juros reais, da proibição do comércio de sangue, do mandato de cinco anos para o presidente Sarney, da limitação dos encargos da dívida externa e da anistia aos micro e pequenos empresários. Votou contra a pena de morte, a estabilidade no emprego, o presidencialismo, a criação de um fundo de apoio à reforma agrária, a legalização do jogo do bicho e a desapropriação da propriedade produtiva.

Com a promulgação da nova Constituição em outubro de 1988, Rospide continuou no exercício de seu mandato ordinário. Deixou a Câmara no final da legislatura, em janeiro de 1991, não tendo disputado a reeleição.

Em janeiro de 2006 assumiu o cargo de superintendente-geral da Assembléia Legislativa gaúcha, permanecendo até maio de 2006, quando preferiu se dedicar à campanha política peemedebista no Estado, uma vez que era secretário-geral do PMDB no Rio Grande do Sul.

Voltou a exercer a advocacia em Porto Alegre e foi também assessor especial da presidência do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul). .

Casou-se com Denise Marin Rospide, com quem teve três filhos.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987); COELHO, J. ; OLIVEIRA, A. Nova; Correio Braziliense (19/1/87); Folha de S. Paulo (19/1/87); INF. BIOG; Portal da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em : <http://www. al.rs.gov.br>. Acesso em : 19 out. 2009.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados