RUI HELLMEISTER NOVAIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NOVAIS, Rui
Nome Completo: RUI HELLMEISTER NOVAIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NOVAIS, RUI

NOVAIS, Rui

*dep. fed. SP 1959-1963.

 

Rui Hellmeister Novais nasceu em Campinas (SP) no dia 28 de outubro de 1924, filho de Anselmo Gomide Novais e de Zuleica Hellmeister Novais.

Estudou no grupo escolar anexo ao Instituto de Educação Carlos Gomes e nos ginásios Culto à Ciência e Ateneu Paulista, sempre em sua cidade.

Proprietário rural e industrial, elegeu-se em 1955 prefeito de Campinas na legenda do Partido Socialista Brasileiro (PSB), com o apoio do Partido Libertador (PL) e do Partido Democrata Cristão (PDC). Assumiu o cargo em janeiro de 1956.

No pleito de outubro de 1958 elegeu-se deputado federal por São Paulo na legenda da Aliança Popular Nacionalista, composta pelo PSB e pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN). Em janeiro de 1959 renunciou à prefeitura de Campinas e no mês seguinte assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados. Durante sua gestão como prefeito promovera vários melhoramentos em Campinas, recebendo em 1959 o título de melhor prefeito do ano, concedido pelo jornal Correio Paulistano. Inicialmente candidato à prefeitura da capital do estado em 1961, desistiu de concorrer ao pleito nos últimos dias, em favor de Francisco Prestes Maia. Encerrou seu mandato de deputado federal em janeiro de 1963.

Após o movimento político-militar de 31 de março de 1964, que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), foi reconduzido à prefeitura de Campinas. Durante sua gestão, foi acusado pelo general José Morais Coelho de ter cometido irregularidades na realização de despesas públicas, privilegiando interesses particulares. Uma comissão de inquérito formada em 1967 considerou as acusações inconsistentes. Inconformado com essa decisão, o general Morais Coelho apresentou, ainda em setembro de 1967, cinco queixas-crime, reafirmando as denúncias anteriores, especialmente as relacionadas com a construção do paço municipal, além de denunciar o prefeito pelo fato de ter em sua administração, secretários e assessores ligados ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) e de pertencer ao Conselho Consultivo da União Cultural Brasil-União Soviética. Em 1970 o acusador foi condenado por crime de injúria ao ex-prefeito.

Desiludido com a vida pública, retirou-se do cenário político a partir de 1970, passando a residir em sua propriedade agrícola no município de José Bonifácio (SP), dedicando-se à fruticultura, à produção de cereais e à heveicultura. Em 1975, cooperado da Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo e fornecedor de sementes selecionadas de cereais para este órgão do governo, foi convidado a participar de um programa de fomento de cultivo de seringueiras no Planalto Paulista, recebendo sementes para condução de viveiros em sua fazenda. Considerado pioneiro no cultivo de borracha natural no estado de São Paulo durante a década de 1970, fundou em 1986 a Borracha Paulista Indústria, Comércio, Exportação e Importação Ltda., empresa de processamento de látex e borracha, em sua propriedade agrícola. Desenvolveu vários convênios e trabalhos conjuntos com orgãos do estado — IAC e Universidade Estadual Paulista (Unesp) — e do governo federal — Sudhevea e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) — oferecendo sua empresa para projetos de pesquisa agrícola em vários segmentos, tais como: desenvolvimento de novas técnicas de cultivo e melhoramentos genéticos, na formação de viveiros experimentais nos estudos climatológicos para a heveicultura, no desenvolvimento da biotecnologia, para o controle fitossanitário dos seringais e outros.

Por conta de graves problemas de saúde a partir de fins da década de 1980, encerrou totalmente suas atividades profissionais.

Faleceu em Campinas no dia 30 de março de 2000.

Era casado com Haydée Maria Pupo Novais, com quem teve uma filha.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; Estado de S. Paulo (16 e 22/2, 7/9/67 e 17/7/70); INF. FAM. SÔNIA NOVAIS MORAIS; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (4).

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados