SANTOS, ENIO GOUVEIA DOS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SANTOS, Ênio Gouveia dos
Nome Completo: SANTOS, ENIO GOUVEIA DOS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SANTOS, ÊNIO GOUVEIA DOS

SANTOS, Ênio Gouveia dos

*militar, comte. IV Ex. 1981-1982; ch. Depto. Ger. Serv. Ex. 1982-1984.

 

Ênio Gouveia dos Santos nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 18 de dezembro de 1918, filho de Alberto Dias dos Santos e de Vera Gouveia dos Santos.

Sentou praça na Escola Militar do Realengo em abril de 1936, saindo aspirante-a-oficial da arma de cavalaria em dezembro de 1938. Em dezembro de 1939 foi promovido a segundo-tenente, passando a primeiro-tenente em dezembro de 1941 e a capitão em dezembro de 1944. Em 1945 e 1946, serviu em Bajé (RS). Neste último ano, freqüentou o curso especial de equitação da Escola de Cavalaria. Aluno da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) em 1947, foi instrutor de equitação neste estabelecimento em 1947 e 1948. Cursou a Escola do Estado-Maior do Exército (ECEME) de 1949 a 1951.

Promovido a major em outubro de 1952, no ano seguinte, retornou à EsAO, desempenhando entre outras funções a de instrutor do curso de cavalaria. Permanecendo naquele estabelecimento até 1955, no ano seguinte freqüentou a Escola de Guerra Naval e foi oficial do Estado-Maior do Exército (EME) e em 1957 serviu na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ). De 1958 e 1959 voltou a atuar como instrutor na EsAO. Promovido a tenente-coronel em dezembro de 1959, em 1960 tornou-se instrutor-chefe de geografia e história militar da ECEME, cargo em que permaneceu até 1964.

Ascendeu à patente de coronel em dezembro de 1964. De 1967 a 1968 comandou o 6º Regimento da Cavalaria e de 1969 a 1970, voltou a servir na ECEME. Chefe de gabinete da Diretoria do Serviço Militar (DSM) em 1970 e 1971, foi assistente-secretário do vice-chefe do Departamento Geral do Pessoal e subchefe do Estado-Maior do IV Exército, sediado em Recife, de 1972 a 1973.

Chegou ao generalato em março de 1973, como general-de-brigada. Nesta patente assumiu, em junho, o comando da 3ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, aí permanecendo até janeiro de 1975, quando ingressou na Escola Superior de Guerra (ESG), como estagiário, ali permanecendo até fevereiro de 1976. Neste mesmo mês, foi designado comandante da 4ª Brigada de Infantaria, sediada em Belo Horizonte. Promovido a general-de-divisão em novembro de 1977, no mês seguinte deixou o comando da 4ª Brigada, assumindo em janeiro de 1978 o cargo de diretor da DSM. Em setembro de 1979, tornou-se titular da Diretoria de Especialização e Extensão (DEE). Foi nomeado comandante da 1ª Região Militar ao deixar aquela diretoria, em abril de 1980. General-de-exército em julho de 1981, no mês seguinte ao de sua promoção deixou o comando da 1ª RM, vindo a assumir, ainda em agosto, o comando do IV Exército, no lugar do general Florimar Campelo.

O general Ênio dos Santos fazia parte dos amigos pessoais do presidente da República, general João Batista Figueiredo (1979-1985), que haviam recebido deste cargos de confiança como estratégia para a transição do regime de abertura política. Manifestou, ainda nesta ocasião, total confiança à realização das eleições em 1982. Segundo ele, o Brasil havia atingido a maturidade política, e não mais retrocederia ao passado de anarquia, do “caos social e político, dirigido pelo governo”. Segundo o general, este havia sido o ideal do movimento político-militar de 1964.

Em setembro de 1982, após pouco mais de um ano no comando do IV Exército, assumiu a chefia do Departamento Geral de Serviços do Exército (DGS). Passou para a reserva em abril de 1984, mas permaneceu neste comando até maio seguinte.

Ao longo da sua carreira militar, cursou também a Escola de Equitação do Exército.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 16 de maio de 2000.

Era casado com Vera Brás da Cunha Santos e teve duas filhas.

 

FONTES: Almanaque do Exército de 1976 e 1984; CURRIC. BIOG.; Estado de S. Paulo (1 e 18/8/81; 9/9/82); Folha de S. Paulo (1 e 19/8/81); Globo (1, 18 e 30/8, 1/9/81, 17/5/00); Jornal do Brasil (6/2/76, 9/4/80, 1/8/81).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados