SANTOS FILHO, JOAQUIM DOS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SANTOS FILHO, Joaquim dos
Nome Completo: SANTOS FILHO, JOAQUIM DOS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SANTOS FILHO, JOAQUIM DOS

SANTOS FILHO, Joaquim dos

*dep. fed. PR 1975-1979, 1983-1987, 1999-2003.

 

Joaquim dos Santos Filho nasceu em Bandeirantes (PR), no dia 27 de janeiro de 1933, filho de Joaquim dos Santos e de Elvira dos Santos.

Iniciou seus estudos no Grupo Escolar Nóbrega da Cunha em sua cidade natal, prosseguindo no Seminário São Vicente de Paulo em Irati (PR) e no Colégio Cristo Rei em Jacarezinho (PR). Estudou ainda nos colégios estaduais Rui Barbosa e Paraná, ambos em Curitiba. Em 1958 bacharelou-se em ciências econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas do Paraná e, dois anos depois, em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do mesmo estado. Freqüentou vários cursos de pós-graduação em direito, organizados pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná. Concluiu ainda o curso de segurança nacional da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra.

Em 1961 iniciou suas atividades profissionais como advogado da procuradoria jurídica da Secretaria da Fazenda do Paraná e da Consultoria Geral do estado. No pleito de outubro de 1962 candidatou-se a deputado estadual na legenda do Partido Social Democrático (PSD) alcançando apenas uma suplência. No ano seguinte exerceu o cargo de subchefe de gabinete do Ministério da Agricultura, cujo titular era Oscar Thompson Filho. Em 1966 assumiu a chefia do gabinete da presidência do Instituto Nacional do Mate, participando nesse mesmo ano da reunião da Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC) realizada em Montevidéu. Ainda em 1966 tornou-se chefe do escritório de representação do Paraná no antigo estado da Guanabara hoje Rio de Janeiro. No ano seguinte foi nomeado representante do governo de seu estado no conselho do Grupo Executivo de Racionalização da Cafeicultura (Gerca).

Em 1968 deixou a chefia do escritório de representação do Paraná na Guanabara, assumindo uma das diretorias do Instituto Brasileiro do Café (IBC) no Rio de Janeiro. No exercício desse cargo, cumpriu missões comerciais no Uruguai, Argentina, Quênia, Uganda, Tanzânia, Etiópia e Costa do Marfim. Nesse mesmo ano assumiu a Secretaria dos Negócios do Paraná, durante o governo de Paulo Pimentel (1966-1971), vindo a representar o estado, em 1970, na junta de administração do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (Brde). Em março de 1971 deixou a Secretaria de Negócios e, nesse mesmo ano, retirou-se também do conselho do Gerca. Passou então a dedicar-se à iniciativa privada, dirigindo, até 1974, as firmas Nova Pátria Companhia de Seguros, Metalgráfica Iguaçu e Merisa — Administração de Empresas.

Iniciou sua trajetória política elegendo-se, no pleito de novembro de 1974, deputado federal pelo Paraná na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar vigente no país desde abril de 1964. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro do ano seguinte. Membro da Comissão de Transportes e suplente da Comissão de Trabalho e Legislação Social, não candidatou-se à reeleição em novembro de 1978, deixando a Câmara em janeiro de 1979, ao final da legislatura. Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro desse mesmo ano e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS) e nessa legenda foi novamente eleito deputado federal pelo Paraná em novembro de 1982, iniciando o mandato em fevereiro do ano seguinte.

Na sessão da Câmara dos Deputados de 25 de abril de 1984, votou contra a emenda apresentada pelo deputado Dante de Oliveira (PMDB-MT), que propunha o restabelecimento de eleições diretas para a presidência da República em novembro daquele ano. No Colégio Eleitoral reunido em 15 de janeiro de 1985, votou no candidato Paulo Maluf, do PDS, derrotado por Tancredo Neves, lançado pela Aliança Democrática, frente de oposição.

Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1987, ao final da legislatura. Afastado da carreira política, no mesmo ano tornou-se vice-presidente de operações financeiras da Caixa Econômica Federal, cargo em que permaneceu até 1988. Entre 1987 e 1996 foi diretor-presidente do Grupo Independência de Telecomunicações, retransmissora da programação da TV Manchete para o Paraná.

No pleito de outubro de 1998 candidatou-se ao mandato de deputado federal pelo Partido da Frente Liberal (PFL), elegendo-se com 50.728 votos. Tomou posse em fevereiro do ano seguinte tendo sido nessa legislatura vice-líder do PFL nos anos 1999 e 2000, e vice-líder do bloco parlamentar formado pelo PFL e pelo Partido Social Trabalhista (PST) no dois anos seguintes. Foi também membro e presidente da comissão permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados e representante de seu partido na Comissão de Orçamento. Votou a favor do fim dos juízes classistas, da recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), das restrições à reedição de medidas provisórias pelo executivo, e foi contra a proibição do nepotismo. Em julho de 2002 declarou seu apoio ao candidato à presidência da República Ciro Gomes, do Partido Popular Socialista (PPS). No pleito de outubro de 2002 não se candidatou à reeleição para o mandato de deputado.

Nos anos seguintes continuou a militar no PFL paranaense. Em junho de 2006 teve seu nome divulgado numa lista de indiciados divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF) contendo 81 pessoas envolvidas no esquema que fraudava licitações para a compra de ambulâncias, conhecido como caso dos sanguessugas. Entretanto, no mesmo mês Santos Filho negou qualquer irregularidade na liberação de emendas para veículos de saúde durante os seus três mandatos, especialmente na última legislatura entre 1999 a 2003.

Casou-se com Regina Maria Magalhães dos Santos, com quem teve dois filhos. Um deles, Osvaldo dos Santos, foi secretário de Esporte e Turismo do Paraná, no primeiro governo de Jaime Lerner (1995-1999).

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1975-1979); Jornal do Brasil (15/11/78); NÉRI, S. 16; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6); Who’s who in Brazil; http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em: 12/12/2009); http://www.folha.uol.com.br/ (último acesso em: 12/12/2009); Gazeta do Povo (02/06/2006)

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados