SILVA, EDSON (DEP. CE)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SILVA, Edson (dep. CE)
Nome Completo: SILVA, EDSON (DEP. CE)

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
Mucio Sá DOSSIÊ

SILVA, Edson

*dep. fed. CE 1991-1999.

 

Edson Silva nasceu em Fortaleza no dia 9 de maio de 1949, filho de Francisco de Sousa Melo e de Francisca Rosa da Silva.

Bancário, jornalista e comunicador, filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) e no pleito de novembro de 1986 elegeu-se deputado estadual constituinte, com 21. 215 votos,  tendo como base eleitoral a população pobre da capital e ouvintes de seu programa policial de rádio. Empossado em fevereiro seguinte, entre 1987 e 1991 foi líder do PDT na Assembléia Legislativa do Ceará (ALCE), tendo atuado durante este mandato na Comissão de Finanças e Orçamento, Comissão de Defesa do Consumidor, como presidente, e na Comissão dos Direitos Humanos. No pleito de novembro de 1988 disputou a prefeitura de Fortaleza, na legenda do PDT e obteve 173. 957 votos, sendo derrotado pelo candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Ciro Gomes, votado por 179.274 eleitores.

Nas eleições de outubro de 1990, candidatou-se a uma vaga na Câmara dos Deputados, sendo eleito com 61. 692 votos, quinta melhor votação do estado. Deixou a ALCE em janeiro seguinte, iniciando o mandato de deputado federal em fevereiro. Como vice-líder do PDT na Casa, participou da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, em 1991. Na sessão da Câmara de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha, Paulo César Farias. Após a votação na Câmara, Collor foi afastado da presidência, renunciando em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo de impeachment pelo Senado Federal. Com sua renúncia, o vice-presidente da República, Itamar Franco, que já vinha exercendo interinamente o cargo desde 2 de outubro, foi confirmado na presidência.

Em 1993 esteve no Peru como membro da missão do Congresso brasileiro para avaliar o governo local e o fechamento do Congresso peruano. Foi também a Romênia, em missão que visava aproximar o Brasil daquele país. No ano seguinte, concorreu à reeleição no pleito de outubro conseguindo apenas uma suplência. Com o término de seu mandato parlamentar, deixou a Câmara em janeiro do ano seguinte.  Nas votações dos projetos de lei ocorridas no Congresso durante sua gestão, Edson Silva posicionou-se contra a criação de um fundo social de emergência (FSE), a favor da criação do Imposto sobre Movimentação Financeira (IPMF) e ausentou-se da votação do fim do voto obrigatório.

Em setembro de 1995 voltou à Câmara como suplente, em virtude da saída de Ariosto Holanda para ocupar a Secretaria de Ciência e Tecnologia do governo de Tasso Jereissati (1995-2002). Nessa ocasião tornou-se integrante da Comissão de Economia, Indústria e Comércio, além de membro da Comissão Executiva Nacional do PDT. No decorrer desse ano, em decorrência de votação da proposta de criação do FSE, Edson Silva votou a favor da implementação do fundo.

Em 1996, ano em que se filiou ao PSDB, foi a Ucrânia como membro do grupo parlamentar Brasil-Ucrânia. Em Brasília, deu voto favorável à criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), aprovada pela Câmara. Passou a integrar também as comissões permanentes de Constituição e Justiça e de Fiscalização Financeira e Controle, além de duas comissões especiais para proposta de emenda constitucional (PEC), arquivadas pelo Congresso, sobre mandatos parlamentares de vices e sobre gratuidade dos transportes coletivos urbanos e dos serviços de diversão pública para idosos.

Em janeiro de 1997, foi efetivado no mandato de deputado federal, em virtude da renúncia de Zé Gerardo, que assumira a prefeitura do município cearense de Caucaia. Posteriormente esteve na cidade portuguesa de Coimbra, onde participou do Seminário Internacional sobre Controle da Administração Pública. Ainda integrando a Comissão de Constituição e Justiça, votou a favor da emenda que propunha reeleição para os cargos do Executivo e pelo fim da estabilidade dos servidores públicos — ambas aprovadas pela Câmara.

            Além da comissão para PEC sobre previdência social, no decorrer de 1998 tornou-se membro da comissão especial que avaliou a proposta, ainda em tramitação no Congresso, referente a aproveitar os ex-ocupantes do extinto cargo de Censor Federal nos cargos de nivel superior da carreira da Policial Federal. Atuou também como primeiro-vice-presidente do grupo que avaliou a PEC sobre imunidade parlamentar e foi escolhido relator da comissão para a proposta sobre habeas corpus, transformada em emenda constitucional.

Candidatou-se a uma vaga na ALCE no pleito de outubro de 1998, pela legenda do PSDB, agora em coligação com o Partido Popular Socialista (PPS) e o Partido Social Democrático (PSD), mas não conseguiu eleger-se. Em janeiro de 1999, deixou a Câmara dos Deputados.

Nas eleições de outubro de 2006 concorreu novamente a uma vaga na ALCE, pela legenda do Partido da Frente Liberal (PFL), atual Democratas (DEM), sendo eleito com 43. 464 votos.  Em fevereiro de 2007 foi empossado como deputado estadual, sendo escolhido para presidir a Comissão de Defesa Social da ALCE.

Ao longo de sua trajetória profissional, foi presidente da Companhia de Habitação do Ceará (COHAB-CE) e membro do Conselho Estadual de Segurança Pública desse estado. Como comunicador, além de radialista, assumiu a apresentação do programa Cidade 190, transmitido pela TV Cidade Fortaleza, afiliada à Rede Record.

Casou-se com Albanisa Sousa da Silva, com quem teve quatro filhos.

 

 

 

 

Luciana Pinheiro (atualização)

 

 

 

 

FONTES: Portal da Assembléia Legislativa do Estado do Ceará (http://www.al.ce.gov.br/; acessado em 10/08/2009); Portal da Câmara dos Deputados (http://www2.camara.gov.br/; acessado em 10/08/2009); Portal da TV Cidade Fortaleza (http://tvcidadefortaleza.blogspot.com/; 10/08/2009); acessado em Portal do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (http://www.tre-ce.gov.br/; acessado em 10/08/2009);

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97 e 5/2/98); Olho no voto/Folha de S. Paulo (18/9/94 e 29/9/98); Perfil parlamentar/IstoÉ (1991).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados