SILVA, OSCAR ROSA NEPOMUCENO DA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SILVA, Oscar Rosa Nepomuceno da
Nome Completo: SILVA, OSCAR ROSA NEPOMUCENO DA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SILVA, OSCAR ROSA NEPOMUCENO DA

SILVA, Oscar Rosa Nepomuceno da

*militar; ch. Depto. Prod. e Obras Ex. 1963.

 

Oscar Rosa Nepomuceno da Silva nasceu em Pelotas (RS) no dia 25 de junho de 1899, filho de Clarimundo Adalberto Nepomuceno da Silva e de Alzira Rosa Nepomuceno da Silva.

Sentou praça como voluntário da 4ª Companhia de Infantaria, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em abril de 1917, e matriculou-se na Escola Militar do Realengo, também no Rio de Janeiro, em 1918. Foi declarado aspirante-a-oficial da arma de infantaria em dezembro de 1919, concluindo seu curso na Escola Militar no mês seguinte, quando foi transferido para o 9º Batalhão de Caçadores (9º BC), sediado em Pelotas.

Em abril de 1920, foi promovido a segundo-tenente e, em junho, tornou-se membro do Conselho Permanente de Justiça de Porto Alegre, voltando ao 9º BC em fevereiro de 1921. Aí ficou até agosto de 1922 e em setembro foi promovido a primeiro-tenente, servindo no 9º Regimento de Infantaria (9º RI), sediado em Pelotas, de dezembro desse ano a dezembro de 1923. Voltou novamente ao 9º BC neste mês e, de 15 a 17 de outubro de 1924, participou de combates em Formiga (PR), durante a revolta de diversas unidades militares do Rio Grande do Sul que apoiavam a sublevação que acontecia neste período em São Paulo, sob o comando de Isidoro Dias Lopes. Ferido nos combates no oeste do Paraná, onde juntaram-se os revoltosos gaúchos e paulistas para formar a Coluna Prestes, permaneceu no Hospital Militar de Curitiba de março a maio de 1925. A Coluna Prestes percorreria 13 estados combatendo as tropas legalistas, até refugiar-se, em 1927, na Bolívia (em fevereiro) e no Paraguai (em março).

Em setembro de 1925, voltou ao 9º BC, já sediado em Caxias (RS), e aí ficou até maio de 1928, quando retornou ao 9º RI. De fevereiro a dezembro de 1929, fez o curso da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) no Rio de Janeiro, retornando depois ao 9º RI. Foi promovido a capitão em fevereiro de 1930 e, após a revolução ocorrida neste ano, participou da repressão à Revolução Constitucionalista de São Paulo, em julho de 1932, embarcando com seu regimento para o Rio de Janeiro. Daí marchou para Barra Mansa e depois para Resende, ambas no interior do estado do Rio, tendo combatido as tropas rebeldes em diversas ocasiões, inclusive em território paulista, até setembro. Após a derrota dos constitucionalistas em outubro de 1932, voltou ao Rio de Janeiro e daí seguiu para Pelotas, onde ficou até março de 1934, quando foi matriculado no curso da Escola de Estado-Maior (EEM) no Rio de Janeiro.

Concluiu o curso da EEM em dezembro de 1936, tendo estagiado no Estado-Maior do Exército (EME) de outubro desse ano a abril de 1937. Passou então a servir na 4ª Região Militar (4ª RM), sendo promovido a major em setembro de 1937. Em maio de 1938, já durante o Estado Novo (1937-1945), tornou-se oficial-de-gabinete do ministro da Guerra, general Eurico Gaspar Dutra, ocupando o cargo até outubro de 1939, quando foi transferido para o 14º RI, sediado em Niterói, então capital do estado do Rio de Janeiro. Em janeiro de 1940 passou a servir no 3º RI, também em Niterói, e em dezembro tornou-se adjunto de seção do EME. Em dezembro de 1941 foi promovido a tenente-coronel. Assumiu o comando do 32º BC, com sede em Blumenau (SC), em abril de 1942, retornando ao EME em julho do ano seguinte. Aí ficou até maio de 1944, quando foi transferido para o Batalhão-Escola, no Rio de Janeiro, do qual foi comandante interino.

Em junho de 1944 foi promovido a coronel e tornou-se comandante do 3º RI, então sediado em São Gonçalo (RJ). De janeiro a julho de 1947 e de fevereiro a junho de 1949 exerceu cumulativamente o comando das guarnições de Niterói e de São Gonçalo. Deixou o comando do 3º RI em março de 1951, para matricular-se no curso da Escola Superior de Guerra (ESG), que concluiu em fevereiro de 1952. Após o curso, permaneceu adido ao Departamento de Pessoal da Guerra até setembro, quando passou a adido na Secretaria Geral do Ministério da Guerra e foi promovido a general-de-brigada. Em abril de 1953, assumiu o comando da Artilharia Divisionária da 4ª RM, sediada em Pouso Alegre (MG). Em março de 1954 assumiu o comando da EsAO, onde ficou até dezembro, quando passou a comandar o Centro de Aperfeiçoamento e Especialização da Reserva (CAER). Retornou ao comando da EsAO em janeiro de 1955, e nessa escola exerceu ainda as funções de diretor de ensino e diretor de aperfeiçoamento e especialização.

Em novembro de 1958, deixou a EsAO e foi nomeado presidente da Comissão de Promoções do Quadro de Oficiais de Administração e do Quadro de Oficiais Especialistas, sendo promovido a general-de-divisão em dezembro. Neste mês, foi nomeado chefe do Departamento do Pessoal da Ativa, exercendo cumulativamente, como interino, a chefia do Departamento Geral do Pessoal do Exército de janeiro a fevereiro de 1959. Em abril, foi nomeado membro da Comissão de Promoções de Oficiais do Exército. Foi exonerado das funções no Departamento de Pessoal da Ativa em março de 1960, para assumir, no mês seguinte, a primeira subchefia do EME. Em agosto, foi nomeado membro da Comissão Mista Brasil-Estados Unidos, cuja presidência exerceu interinamente de novembro a dezembro de 1960 e de abril a maio de 1962. Ainda em abril, chefiou interinamente o EME.

Em julho de 1960, representando o Exército, presidiu a delegação brasileira à Conferência dos Exércitos Americanos no Panamá, voltando a exercer a chefia do EME, interinamente, de agosto a setembro. Em janeiro de 1963, foi nomeado chefe do Departamento de Produção e Obras do Exército em substituição ao general Nestor Penha Brasil, sendo exonerado de suas funções anteriores. Em junho foi promovido a general-de-exército e transferido para a reserva, deixando a chefia do Departamento de Produção e Obras em agosto, quando assumiu o general Artur da Costa e Silva. Já na reserva, foi promovido a marechal.

Faleceu no dia 20 de novembro de 1966.

Foi casado com Ofélia Figueiroa Nepomuceno da Silva, com quem teve quatro filhos.

 

 

FONTES: ARQ. MIN. EXÉRC.; CORRESP. SECRET. GER. EXÉRC.; COUTINHO. A. Brasil.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados