SILVIO LEOPOLDO DE MACAMBIRA BRAGA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRAGA, Sílvio
Nome Completo: SILVIO LEOPOLDO DE MACAMBIRA BRAGA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BRAGA, SÍLVIO

BRAGA, Sílvio

*dep. fed. PA 1959-1964.

 

Sílvio Leopoldo de Macambira Braga nasceu em Belém no dia 31 de maio de 1916, filho de José Antunes de Vasconcelos Braga e de Sílvia Augusta de Macambira Braga.

Iniciou o curso secundário no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, concluindo-o no Colégio Nossa Senhora de Nazaré, em sua cidade natal. Bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Pará em 1946.

Em janeiro de 1947, elegeu-se deputado à Assembléia Constituinte do Pará na legenda do Partido Social Democrático (PSD), tomando posse em março do mesmo ano. Reelegeu-se deputado estadual em outubro de 1950, dessa vez na legenda da Coligação Democrática Paraense, formada pela União Democrática Nacional (UDN), o Partido Social Progressista (PSP), o Partido Social Trabalhista (PST) e o Partido Libertador (PL), exercendo o mandato até janeiro de 1955, quando foi nomeado diretor do Banco de Crédito da Amazônia, cargo que ocupou até 1958.

Eleito em outubro de 1958 deputado federal por seu estado na legenda do PSP, assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro de 1959, licenciando-se do banco. Reelegeu-se em 1962, endossando durante a campanha eleitoral as teses da Frente Parlamentar Nacionalista, grupo interpartidário criado entre 1955 e 1956, cujas metas eram o combate ao capital estrangeiro e defesa de uma política desenvolvimentista. Pautou sua atividade parlamentar pela defesa de teses nacionalistas, dedicando-se sobretudo à luta pelo monopólio estatal da borracha e à denúncia da atuação dos trustes estrangeiros na Amazônia, tendo integrado a Comissão de Economia e de Valorização da Amazônia na Câmara Federal.

Sílvio Braga não pôde concluir seu último mandato como deputado federal, pois foi cassado em 10 de abril de 1964 na primeira lista de punidos pelo Ato Institucional nº 1, baixado na véspera pela junta militar instituída após a deposição do presidente João Goulart, em 31 de março desse ano. Após ser alijado da vida política nacional, em 1966 voltou para o Banco da Amazônia, exercendo as atividades de consultor jurídico. Aposentado, continuou dedicando-se à advocacia, no seu escritório particular em Brasília.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS) e nessa legenda concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo estado do Pará, no pleito de novembro de 1982, obtendo apenas uma suplência. No ano seguinte, em dezembro tornou-se assessor parlamentar do ministro da Previdência, Jarbas Passarinho, cargo que ocupou até dezembro de 1983.

Faleceu em Brasília no dia 27 de novembro de 1995.

Era casado com Lucimar Silvana Melo Braga, com quem teve quatro filhas.

Além de diversos discursos parlamentares publicou: O problema da terra na Constituinte paraense (1947), Borracha: uma experiência social (1947), Centenário de Santarém (1948), Hidrelétrica do Curaúna (1952), Porto de Santarém (1952), Ligação Cuiabá-Santarém (1953), Borracha (1960) e Monopólio estatal da borracha, Contra a liberação das importações de borracha, O falso monopólio da borracha e Reforma agrária — imperativo social.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros (1946-1967); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1963-1967); COUTINHO, A. Brasil; Estado de S. Paulo (5/9/62); Jornal do Brasil (7/4/74); ROQUE, C. Grande.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados