SOUSA, MARIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOUSA, Mário
Nome Completo: SOUSA, MARIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOUSA, MÁRIO

SOUSA, Mário

*militar; rev. 1935.

Mário de Sousa nasceu em 1898 em Campo Grande, então no estado de Mato Grosso, atual capital do estado de Mato Grosso do Sul, filho de João Pedro de Sousa.

Sentou praça em abril de 1917, ingressando na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Promovido a segundo-tenente em outubro de 1930, foi designado para o 7º Batalhão de Caçadores (7º BC), com sede em Porto Alegre, e em 1935 passou a servir no 3º Regimento de Infantaria (3º RI), na Praia Vermelha, Rio de Janeiro.

Em 27 de novembro de 1935 participou do levante do 3º RI, que fez parte de uma tentativa de revolta em nível nacional liderada pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), então Partido Comunista do Brasil, defendendo o ideário da Aliança Nacional Libertadora (ANL), movimento nacionalista e antifascista que fora posto na ilegalidade pelo presidente da República Getúlio Vargas. Seu papel na revolta era o de, juntamente com os primeiros-tenentes Durval de Barros e Celso Bicudo de Castro, prender os oficiais que não aderissem a ela e sublevar a Companhia de Metralhadoras Leves do 1º Batalhão, da qual fazia parte. Não tendo conseguido alcançar sua companhia, o que tornou impossível o cumprimento de sua missão, deteve-se na entrada do quartel, isolando a passagem para o posto de comando legalista e prendendo todos os que procuravam chegar àquele local.

Preso quando da rendição dos revoltosos ainda no dia 27, afirmou nos depoimentos prestados no inquérito instaurado na polícia do Rio de Janeiro que havia participado do movimento por intermédio do tenente Tomás Meireles, não tendo, porém, tomado conhecimento das orientações e planos da revolta. Foi processado por participação no levante e por tentativa de homicídio do sargento Emiliano Amaro de Sousa, ajudante do regimento. Em conseqüência, foi expulso do Exército e teve sua patente cassada pelo Decreto nº 558, de 31 de dezembro de 1935. Em maio de 1937 foi condenado pelo Tribunal de Segurança Nacional a 12 anos e oito meses de prisão.

 

FONTES: AMADO, J. Homens; BARATA, A. Vida; CAMPOS, R. Tribunal; MIN. GUERRA. Almanaque (1934); PORTO, E. Insurreição; SILVA, H. 1935; SILVA, H. 1937.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados