TEMISTOCLES CARNEIRO TEIXEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TEIXEIRA, Temistocles
Nome Completo: TEMISTOCLES CARNEIRO TEIXEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TEIXEIRA, TEMÍSTOCLES

TEIXEIRA, Temístocles     

*dep. fed. MA 1967-1971, 1975-1979 e 1980-1983.

Temístocles Carneiro Teixeira nasceu em Pastos Bons (MA) no dia 3 de junho de 1932, filho de Teoplistes Teixeira de Carvalho e Cunha e de Antônia Amélia Carneiro Teixeira. Seu pai foi deputado estadual de 1947 a 1959.

Bacharelou-se em 1956 pela Faculdade de Direito do Maranhão.

Ingressou na política filiando-se ao Partido Social Democrático (PSD), em cuja legenda foi eleito deputado estadual no Maranhão no pleito de outubro de 1958. Assumindo sua cadeira na Assembléia Legislativa em fevereiro de 1959, tornou-se membro efetivo das comissões de Educação e de Orçamento. Voltou a se eleger deputado estadual em outubro de 1962, ainda pelo PSD, iniciando novo período legislativo em fevereiro do ano seguinte. Tornou-se líder da maioria, manteve-se na Comissão de Educação e passou a integrar a Comissão de Justiça, das quais foi presidente.

Após a vitória do movimento político-militar de 31 de março de 1964 que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), iniciou-se no país um período de governos militares que duraria 21 anos. Ainda nesse ano foi eleito presidente da Assembléia e, no ano seguinte, tornou-se segundo-secretário da mesa.

Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar, em cuja legenda foi eleito deputado federal pelo Maranhão no pleito de novembro de 1966. Concluindo seu mandato na Assembléia maranhense em janeiro de 1967, em fevereiro seguinte assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, na qual tornou-se membro efetivo da Comissão de Trabalho e Legislação Social. Candidatou-se à reeleição no pleito de novembro de 1970, na legenda da Arena, mas obteve apenas a segunda suplência. Com esse resultado, deixou a Câmara no fim de janeiro de 1971, quando se encerraram o seu mandato e a legislatura. Não retornou no período seguinte porque, sendo um tradicional inimigo político do então governador Pedro Neiva de Santana (1971-1975), não foi feita, por parte daquele mandatário, qualquer composição política, como nomeação de deputados para secretarias do estado, que possibilitasse seu retorno ao Legislativo.

No pleito de novembro de 1972 foi eleito prefeito de Pastos Bons na legenda da Arena. Assumindo a chefia do Executivo municipal em janeiro do ano seguinte, em maio de 1974 renunciou ao mandato, no qual foi substituído pelo vice-prefeito Carlos de Sousa Camapum, desincompatibilizando-se do cargo para concorrer a uma cadeira na Câmara dos Deputados. No pleito de novembro de 1974 voltou a ser eleito deputado federal, sempre na legenda da Arena. Assumindo seu mandato em fevereiro de 1975, passou a integrar, como titular, a Comissão de Finanças e, como suplente, a Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Reeleito em novembro de 1978, ainda na legenda da Arena, iniciou novo período legislativo em fevereiro do ano seguinte. Com a assunção de João Castelo Ribeiro Gonçalves ao governo do estado em março de 1979, Temístocles licenciou-se da Câmara para assumir a Secretaria do Interior e Justiça do Maranhão. Sua cadeira na Câmara foi ocupada pelo suplente José Ribamar Marão Filho.

Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, Temístocles não se filiou de imediato a nenhuma das novas agremiações surgidas. Permaneceu à frente da Secretaria do Interior e Justiça até abril de 1980, quando foi substituído pelo deputado Magno Barcelar e, em seguida, reassumiu sua cadeira na Câmara.

Filiando-se, posteriormente, ao Partido Democrático Social (PDS), no pleito de novembro de 1982 concorreu a novo mandato, mas não conseguiu se eleger, tendo sido o último colocado da legenda. Entretanto, segundo sua justificativa, efetivamente, não concorrera nesse pleito. Como a legislação da época garantia aos deputados, no exercício do mandato, uma inscrição automática para concorrer a um novo período, seu nome permanecera entre os que disputavam uma cadeira na Câmara. Permaneceu no Legislativo federal até o fim de janeiro de 1983, quando se encerraram o seu mandato e a legislatura. A partir de então, afastou-se da política. Não tendo mais concorrido a qualquer cargo público eletivo, passou a se dedicar às suas atividades agropecuárias.

Foi casado com Ceres Neto Teixeira, com quem teve três filhos, e com Enêmona Ferreira Gaspar, com quem teve uma filha.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971, 1975-1979 e 1983-1987); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (21/5/76); NÉRI, S. 16; Perfil (1980); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (4, 6, 8, 9 e 11); Jornal Pequeno (3/06/2007).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados