VALANDRO, SERAFIM

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VALANDRO, Serafim
Nome Completo: VALANDRO, SERAFIM

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VALANDRO, SERAFIM

VALANDRO, Serafim

*pres. ACRJ 1930-1933.

 

Serafim Valandro nasceu em Santa Maria da Boca do Monte, hoje Santa Maria (RS), no dia 1º de outubro de 1883.

Até 1909 residiu em sua cidade natal, dedicando-se ao comércio, ao jornalismo e à política, tendo sido membro destacado do Partido Federalista. Essa agremiação, que se opunha, no âmbito estadual, ao Partido Republicano Rio-Grandense (PRR), veio a dissolver-se em 1928, e seus membros se incorporaram ao Partido Libertador, criado nesse ano.

Em 1909, Serafim Valandro mudou-se para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Aí ligou-se ao comércio de charque e de cereais, tendo fundado um estabelecimento comercial com seu nome. Em 1922, foi designado representante da Associação Comercial de Santa Maria junto à Federação das Associações Comerciais do Brasil (FACB). A princípio exerceu o mandato interinamente, em substituição a Mário Petrucci. Efetivado mais tarde, foi indicado também como representante de Cachoeira do Sul (RS).

Segundo o Jornal do Comércio, embora atuasse discretamente, toda vez que se discutia na federação qualquer proposta de louvor a atos políticos dos governantes, Serafim Valandro pedia que constasse da ata o seu voto contrário. Em 1929, foi eleito diretor da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), durante a gestão de Ernesto Pereira Carneiro.

Identificada com a situação deposta pela Revolução de 1930, a diretoria da ACRJ entrou em crise e quase todos os seus membros renunciaram aos cargos. Serafim Valandro, considerado “correligionário histórico” dos principais líderes gaúchos do movimento vitorioso, foi então escolhido para compor a junta governativa da associação. Sua atuação nesse posto conduziu-o, ainda em 1930, à presidência da ACRJ e da FACB.

No exercício desses cargos, combateu o tabelamento de gêneros alimentícios e resolveu numerosos casos tributários, visando a harmonizar o interesse do fisco e o dos contribuintes. Também solucionou questões orçamentárias, de férias e de sindicalização.

Em fins de 1931, Serafim Valandro, na qualidade de presidente da FACB e da ACRJ, e João Daudt d’Oliveira, diretor dessa associação, lançaram a idéia de criar um partido político que reunisse todo o empresariado. Por ocasião da Revolução Constitucionalista de 1932, desenvolveu intensa atividade em favor da cessação do conflito armado, mobilizando para tanto associações comerciais, industriais, agrícolas e culturais. Em novembro de 1932, com ampla participação de várias associações industriais, viria a ser fundado o Partido Economista do Brasil, do qual Valandro e João Daudt se tornaram presidentes.

Em 1933, segundo o Jornal do Comércio, não permitiu a apresentação de sua candidatura à Assembléia Nacional Constituinte pelo Partido Economista do Distrito Federal, embora fosse presidente de sua comissão executiva. Afirmou nessa oportunidade que não desempenharia mandatos políticos, pois não desejava exercer atividade fora do âmbito de sua classe. No entanto, eliminada a possibilidade de Valandro ser candidato partidário, os delegados do comércio elegeram-no à sua revelia, pois não era delegado-eleitor — representante profissional de sua categoria à Constituinte, com votação expressiva.

Serafim Valandro, contudo, não chegou a tomar posse de seu mandato de deputado: em 21 de setembro de 1933, faleceu no Rio de Janeiro, vítima de um aneurisma.

Foi membro do Conselho Superior da Sociedade Nacional de Agricultura, do Conselho Consultivo da Cidade do Rio de Janeiro e do Conselho de Contribuintes. Quando faleceu, acumulava a presidência da ACRJ e da FACB com a do conselho fiscal do Banco do Brasil. Era, ainda, membro do conselho de emissão do mesmo banco.

Era casado com Corina Portinho Valandro, com quem teve três filhas.

Sônia Dias

 

 

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; ASSEMB. NAC. CONST. 1934. Anais (1); BARROS, E. Associação; CONSULT. MAGALHÃES, B.; ENTREV. PEIXOTO, A.; GODINHO, V. Constituintes; Jornal do Comércio, Rio (22/9/33).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados