VANDA MENDES REIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: REIS, Vanda
Nome Completo: VANDA MENDES REIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

REIS, Vanda

*dep. fed. RJ 1991-1995.

 

                Vanda Mendes Reis nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 20 de janeiro de 1953, filha de Valdemiro Mendes e de Abigair de Souza Mendes.   

Estudou até o segundo grau, tendo concluído o curso em 1987. Casada com o empresário Albano Reis, também conhecido como “Papai Noel de Quintino” foi vice-presidente da entidade filantrópica Centro de Reabilitação Infantil Albano Reis e chefe de gabinete do marido, deputado estadual entre 1987 e 1991.

Aproveitando-se da popularidade de Albano Reis, Vanda iniciou sua carreira política em outubro de 1990, elegendo-se deputada federal pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Assumiu seu mandato na Câmara em fevereiro de 1991. Integrou como membro titular a Comissão de Constituição e Justiça e de Redação e, como suplente, a Comissão de Seguridade Social e Família e a comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre o tráfico e o consumo de drogas.

                Na sessão de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura de um processo de impeachment contra o presidente da República, Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação da Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro seguinte, pouco antes da conclusão do processo no Senado, sendo efetivado na presidência o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde o dia 2 de outubro.

                Em 1993, Vanda Reis foi chamada para depor na Corregedoria da Câmara, por ter sido acusada de haver mudado de legenda, para o Partido Social Democrático (PSD), em troca de dinheiro. Segundo as acusações, com o objetivo de aumentar sua bancada para obter mais tempo na propaganda eleitoral gratuita da televisão, o PSD teria comprado alguns deputados. Vanda Reis e mais 15 parlamentares tiveram a filiação àquele partido suspensa por decisão da mesa diretora da Câmara, em 5 de outubro de 1993.

                Nas principais matérias votadas na legislatura 1991-1995, foi contra a criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) - imposto de 0,25% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde ; foi a favor da revisão do conceito de empresa nacional e à criação do Fundo Social de Emergência (FSE) - que permitiu ao governo retirar recursos de áreas como saúde e educação para outros setores; esteve ausente na votação do fim do voto obrigatório.

                Em outubro de 1994, concorreu à reeleição pelo PMDB fluminense, mas não teve sucesso. Em virtude de suspeitas de fraude, a eleição foi anulada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro. Convocado novo pleito para novembro seguinte, Vanda Reis foi novamente derrotada, deixando com isso a Câmara em janeiro seguinte, ao término da legislatura 1991-1995.

                Com a reeleição de Albano Reis para a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, voltou a ocupar a chefia de seu gabinete.

                Vanda e Albano Reis tiveram quatro filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados Brasileiros. Repertório (1991-1995); Folha de São Paulo (18/9/94); Globo (20/3/96); Jornal do Brasil (6/10/93); Perfil Parlamentar/Isto É (1991)

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados