VIVALDO SILVINO DA COSTA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: COSTA, Vivaldo
Nome Completo: VIVALDO SILVINO DA COSTA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
COSTA, VIVALDO

COSTA, Vivaldo

*gov. RN 1994.

               

                Vivaldo Silvino da Costa nasceu em Caicó (RN), no dia 1º de novembro de 1939, filho de Raimundo Silvino da Costa e de Francisca dos Anjos Costa.

                Em 1950, cursou o primário na Escola Reunida Jesuíno Azevedo, transferindo-se no ano seguinte para o Ginásio Diocesano Seridoense. Nesta instituição de ensino, concluiu o curso primário em 1953 e o ginasial em 1957.

                Em 1958, mudando-se para Natal, cursou o científico no Ateneu Norte-Riograndense, concluindo-o em 1960, já trabalhando como escriturário da Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Norte. Ainda nesse ano, foi sócio-fundador da Clínica de Medicina Preventiva e do Instituto de Medicina Pediátrica.

                Dois anos mais tarde, começou a estudar medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), concluindo o curso em 1967. No ano seguinte, foi médico plantonista do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) e também professor-adjunto da cadeira de medicina tropical na UFRN, ambos até 1972. Nesse ano, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instalado no país em abril de 1964, e, no ano seguinte, ocupou a presidência da Fundação Hospitalar Dr. Carlindo Dantas em sua cidade natal.

                Em novembro de 1974, concorreu pela Arena a uma vaga de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Eleito, foi líder da sua bancada durante o governo de Tarcísio Maia (1975-1979). Reeleito em novembro de 1978, com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), sucessor da antiga Arena. Pela sua nova legenda, voltou a se eleger deputado estadual nos pleitos de novembro de 1982 e de 1986. Numa dessas campanhas a deputado, adotou como símbolo o jerimum, o que lhe rendeu o reconhecimento na política regional como Papa-jerimum.

                Em 1988, deixou o PDS e transferiu-se para o Partido Liberal (PL). Presidente da Assembléia Legislativa potiguar de 1989 a 1990, neste ano deixou a presidência da Fundação Hospitalar Dr. Carlindo Dantas e concorreu no pleito de outubro de 1990 à vice-governadoria do Rio Grande do Norte, na chapa encabeçada por José Agripino Maia, logrando êxito.

                Em abril de 1994, com a renúncia do governador José Agripino Maia para concorrer a uma vaga no Senado Federal, Vivaldo Costa assumiu o governo do estado, exercendo-o até 31 de dezembro de 1994.

                No pleito de outubro de 1996, ainda pelo PL, concorreu à prefeitura de sua cidade natal, Caicó, sagrando-se vitorioso. Empossado em 1º de janeiro de 1997, desligou-se do cargo em abril de 1998 para disputar uma vaga de deputado federal na Câmara dos Deputados. Em seu lugar, assumiu o vice-prefeito Nilson Dias de Araújo (PSB). Contudo, nas eleições de outubro do mesmo ano, obteve apenas uma suplência.

                Em janeiro de 1999, ocupou a Secretaria de Promoção Social da prefeitura de Natal e, em julho do mesmo ano, passou a responder pela pasta da Secretaria Municipal de Saúde da mesma cidade, na administração da prefeita Vilma de Faria (1997-2000).

                Em 2000 candidatou-se novamente a prefeito de Caicó pelo Partido Liberal (PL), mas perdeu as eleições para Roberto Medeiros Germano (PP). Em outubro de 2002, após filiar-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), concorreu a uma vaga de deputado estadual. Sendo eleito com 28.234 votos, tomou posse na Assembleia Legislativa potiguar em janeiro de 2003. Transferiu-se mais uma vez para o PL em 2006 e por essa legenda tentou a reeleição no pleito de outubro daquele ano, conseguindo apenas uma suplência. Deixou a Assembléia em janeiro de 2007. Contudo, acabou vindo a exercer o mandato nesse mesmo ano, na vaga aberta por Larissa Rosado (PSB) que assumiu a Secretaria estadual de Agricultura, a convite da governadora Vilma de Faria (PSB).

                Filiado ao Partido da República (PR), agremiação do qual se tornou presidente de honra, em 2009 teve aprovado por unanimidade projeto de lei de sua autoria que estabelecia a obrigatoriedade dos hospitais do sistema público de saúde fazerem a triagem auditiva neonatal (“o teste da orelhinha)”.

 

FONTE: Agência Câmara (2/1/03 e 6/1/07); INF. BIOG.; Informativo da Câmara dos Deputados (30/5/08 e 25/6/09); MORAIS, Ione, ARAÚJO, Marcos Antônio & MEDEIROS N., Olívia. Espaço e cultura: (carto)grafias seridoenses; Notícias do RN (30/11/08); TSE (Eleições 2000, 2002 e 2006).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados