VOLNEI QUEIROS MACIEL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: QUEIRÓS, Volnei
Nome Completo: VOLNEI QUEIROS MACIEL

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
QUEIRÓS, VOLNEI

QUEIRÓS, Volnei

*dep. fed. PE 1995-1999; 2001-2002; 2007-2011

Volnei Queirós Maciel nasceu em Caruaru (PE) no dia 12 de dezembro de 1972, filho de José Queirós de Lima e Maria do Carmo Maciel Santos Queirós de Lima.

Estagiário do Banco do Brasil em sua cidade natal entre 1988 e 1990, ingressou na Faculdade de Direito de Caruaru em 1992. Nesse ano, filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) e candidatou-se em outubro a uma cadeira na Câmara Municipal de Caruaru. Eleito, tomou posse em janeiro, assumindo em seguida a vice-presidência da mesa diretora da Câmara e a presidência da Comissão de Orçamento e Finanças.

Em outubro de 1994, elegeu-se deputado federal, tendo como base eleitoral os municípios do agreste pernambucano. Renunciou ao cargo de vereador e assumiu em fevereiro de 1995 a cadeira na Câmara dos Deputados. Nesse ano, integrou a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, e assumiu a vice-liderança de seu partido na Câmara.

Em 1995, ao longo do processo de reforma constitucional proposto pelo governo federal, votou contra a quebra do monopólio estatal nas telecomunicações, a extinção do monopólio da Petrobras na exploração de petróleo, o fim do monopólio dos governos estaduais na distribuição de gás canalizado, a abertura da navegação de cabotagem à concorrência estrangeira e a revisão do conceito de empresa nacional. Não compareceu à votação da prorrogação do Fundo Social de Emergência (FSE), rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), que permitia ao governo desvincular 20% da arrecadação de impostos, sem que estas verbas ficassem obrigatoriamente vinculadas aos setores de saúde e educação.

Em junho de 1996, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), tributo de 0,25 % sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a área da saúde.

Em janeiro/fevereiro de 1997, durante a votação da emenda constitucional que instituiu a reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos, Volnei Queirós seguiu a orientação partidária não registrando presença em plenário, como forma de obstruir o andamento dos trabalhos. Ainda em 1997, participou dos trabalhos legislativos como membro titular da Comissão de Educação, Cultura e Desporto.

Durante as votações da reforma da previdência e da administração pública, rejeitou as propostas encaminhadas pelo Executivo federal. Manifestou-se contra a exigência de idade mínima e tempo de contribuição para aposentadoria no setor privado. Recusou a proposta de quebra da estabilidade dos servidores e ausentou-se da sessão que estabeleceu o limite de 1.200 reais para aposentadoria no setor público.  

Derrotado nas eleições de outubro de 1998, retirou-se da Câmara dos Deputados ao final da legislatura, em janeiro de 1999.  Exerceu, porém, como suplente, durante um breve período, o cargo de deputado federal, em substituição a Sérgio Guerra (PSDB-PE), entre fevereiro de 2001 e abril de 2002. Nas eleições de 2006, conseguiu retornar à Câmara para exercer o mandato por mais quatro anos. Nessa legislatura, foi titular da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

 

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); DIAP. Quem; Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/2/96 e 29/9/98); Globo (29/1/97, 10/10/98); Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em : <http://www2.camara.gov.br/internet/deputados/ biodeputado/index.html?nome=WOLNEY+QUEIROZ&leg=53>. Acesso em : 23 ago. 2009;TRIB. REG. ELEIT. PE. Dados (1998).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados