ACAO IMPERIAL PATRIONOVISTA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: AÇÃO IMPERIAL PATRIONOVISTA
Nome Completo: ACAO IMPERIAL PATRIONOVISTA

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
AÇÃO IMPERIAL PATRIONOVISTA

AÇÃO IMPERIAL PATRIONOVISTA

Organização neomonárquica, católica e corporativista, fundada em 1928 com a finalidade de restaurar a monarquia tradicional, caracterizada como um regime apoiado no rei, na Igreja Católica e nas corporações medievais. “Sem religião católica e sem rei não pode haver corporativismo.” O patrionovismo rejeitava o Império brasileiro, que, influenciado pelo liberalismo, aboliu na constituição as corporações de ofício, seus juízes, escrivães e mestres.

O programa patrionovista colocava em primeiro plano seu credo: restauração do privilégio do catolicismo e “religião obrigatória nas escolas públicas, nos quartéis, institutos hospitalares e correcionais etc”. Em seguida, desenvolvia a tese da monarquia associada à restauração de um “imperador responsável que reine e governe, escolhendo livremente os seus ministros” e a organização do Estado imperial sobre a “base municipal sindicalista”. Os patrionovistas lutavam pela implantação do corporativismo alicerçado “numa organização sindical das classes profissionais, de produção espiritual e econômica...., como base da verdadeira representação nacional”. Por fim, defendiam uma política internacional “nacionalista, altiva e cristã”.

Muitos patrionovistas ingressaram na Sociedade de Estudos Políticos (SEP) e acompanharam a fase inicial da Ação Integralista Brasileira (AIB) até o momento em que, por definição do secretário nacional de doutrina, Miguel Reale, ficou estabelecido o caráter “republicano” do futuro Estado integral. A partir desta época os patrionovistas afastaram-se do integralismo.

A organização corporativa do Estado foi minuciosamente descrita pelo patrionovista Paim Vieira no âmbito de uma “monarquia orgânica e integral”, exaltando os méritos das corporações medievais nas quais a perfeição moral era indispensável à “ascendência moral e profissional..., e o trabalho era uma honra”, a “religião, o esteio em que repousa toda essa portentosa estrutura econômico-político-social”. Em face da anarquia do trabalho provocada pelo regime liberal, o autor sugere a solução corporativa cristã: “A organização corporativa, por si só, não realiza a harmonia das classes. Ela é simplesmente o instrumento de que o espírito cristão é a energia. Não há corporativismo leigo. Sindicalismo sem Deus é absurdo.”

Hélgio Trindade

colaboração especial

FONTES:

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados