CARTA BRANDI

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CARTA BRANDI
Nome Completo: CARTA BRANDI

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
CARTA BRANDI

CARTA BRANDI

Carta divulgada em setembro de 1955, endereçada a João Goulart, candidato a vice-presidente da República, e atribuída ao deputado argentino Antônio Jesús Brandi. O documento aludia a supostas articulações de Goulart com o governo argentino, chefiado por Juan Domingo Perón, visando à deflagração no Brasil de um movimento armado de cunho sindicalista. Um inquérito policial-militar, instaurado em outubro do mesmo ano, comprovou tratar-se de um documento apócrifo, forjado por falsários argentinos para ser vendido aos opositores de Goulart.

A Carta Brandi foi veiculada pela primeira vez no dia 16 de setembro de 1955, em um programa de televisão. O documento foi lido por Carlos Lacerda, jornalista e deputado federal pela União Democrática Nacional (UDN), partido que aglutinava a oposição às candidaturas de Juscelino Kubitschek e João Goulart nas eleições presidenciais de 3 de outubro de 1955. No dia seguinte, a carta foi publicada na íntegra pelos jornais Tribuna da Imprensa, de propriedade de Lacerda, e O Globo.

A carta, datada de 5 de agosto de 1953, estava escrita em papel timbrado da presidência da Câmara de Corrientes, cidade argentina vizinha a Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. Era dirigida a João Goulart, então ministro do Trabalho do governo Getúlio Vargas, e assinada pelo deputado argentino Antonio Jesús Brandi. O conteúdo do documento referia-se, entre outros pontos, à formação de uma “coordenação sindical entre o Brasil e a Argentina”, à criação de “brigadas operárias de choque” e à compra de determinadas mercadorias em Córdoba, que Lacerda concluiu tratar-se de material bélico destinado ao suposto movimento armado sindicalista. Os armamentos entrariam no Brasil através de Uruguaiana.

Lançado num momento de grande agitação política, e a menos de 20 dias das eleições, o documento teve grande repercussão nos círculos políticos e militares. Uma comissão de deputados do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), do qual Goulart era o presidente, solicitou ao ministro da Guerra, general Henrique Lott, a abertura de um inquérito policial-militar que esclarecesse a autenticidade da carta. O general Emílio Maurel Filho, secretário-geral do Ministério da Guerra, foi encarregado de chefiar o Inquérito Policial-Militar (IPM) instaurado a seguir.

No dia das eleições, o Ministério da Guerra emitiu nota, baseada em notícias enviadas da Argentina, dando margem a admitir-se a denúncia como verdadeira. De fato, o general Maurel mandara a Lott um telegrama cifrado no qual afirmava que a polícia argentina chegara à conclusão de que era “sumamente provável” que a mão que assinara a carta tivesse sido a mesma que havia firmado as assinaturas de Brandi em outros documentos.

Ainda em outubro, porém, o inquérito concluiu que a carta era “incontestavelmente falsa”, forjada pelos falsários Cordero e Malfussi, que posteriormente foram presos e condenados. Muniz Bandeira levanta a hipótese de que a  Central Intelligence Agency (CIA), órgão de informações do governo norte-americano, estivesse envolvida no caso.

Sérgio Lamarão

 

 

FONTES: BANDEIRA, M. Governo; COSTA, J. Marechal; SKIDMORE, T. Brasil.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados