CENTRAL GERAL DOS TRABALHADORES DO BRASIL (CGTB)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CENTRAL GERAL DOS TRABALHADORES DO BRASIL (CGTB)
Nome Completo: CENTRAL GERAL DOS TRABALHADORES DO BRASIL (CGTB)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB)

CENTRAL GERAL DOS TRABALHADORES DO BRASIL (CGTB)

 

 

A Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), fundada em 2004, tem suas raízes, nas tensões e divisões ocorridas no sindicalismo brasileiro nos anos 1980. Por isso ela defende que “nasceu” em 1981, na Conferência Nacional das Classes Trabalhadoras (CONCLAT) e que foi “fundada” em 1986. Embora a disputa central no movimento sindical fosse entre a Central Geral dos Trabalhadores (CGT) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), este fato não acabou com as disputas internas em ambos os campos. Neste sentido, se a CUT conseguiu se manter e mesmo ampliar seu espectro de influência, na CGT, um duro processo de divisão interna acabou por cindi-la.

A tensão se estabeleceu entre os setores mais tradicionais do sindicalismo, aliados dos partidos de esquerda atuantes na CGT, e um novo bloco que foi se formando conhecido como  sindicalismo de resultados, que, defensor da economia de mercado, anticomunista e pragmático, divergia tanto do sindicalismo de contestação da CUT, como de seus parceiros de esquerda dentro da CGT. Este tinha como nomes de proa Antônio Rogério Magri (eletricitários de São Paulo) e Luís Antônio de Medeiros (metalúrgicos de São Paulo).

O crescente conflito entre as partes caminhou rapidamente para seu desfecho. Em janeiro de 1988, em uma reunião da central, os militantes ligados a Magri e a Medeiros conseguiram aprovar a proposta de negociação com setores do chamado Centrão, na constituinte, visando a manutenção da contribuição sindical na constituição. Com isso, derrotam a proposta contrária defendida pelos militantes do PC do B, que se retiram da CGT, indo se organizar na Corrente Sindical Classista (CSC) que, posteriormente, se integrou à CUT, saindo desta nos anos 2000 para fundar a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Em setembro de 1988, em uma reunião ocorrida em Brasília, a CGT resolveu alterar seu nome para Confederação Geral dos Trabalhadores. Esta mudança tinha relação direta com a tentativa da central de reivindicar recursos oriundos das contribuições sindical e assistencial.

A Central Geral dos Trabalhadores, através de um ação cartorial, deixava de existir. Porém, isto não seria por muito tempo. As tensões internas na Confederação Geral dos Trabalhadores, já oriundas de seu tempo de Central Geral, não se atenuaram. No segundo congresso da central, agora, Confederação, realizado entre os dias 27 de abril e 1º de maio de 1989, Magri, com apoio de Medeiros, disputou e venceu a eleição para a direção da entidade, derrotando o então presidente Joaquim dos Santos Andrade, o Joaquinzão. Figura tradicional do sindicalismo metalúrgico de São Paulo, Joaquinzão era considerado pelego pelos setores ligados à CUT, e, ironicamente, fora substituído na direção de seu sindicato por Medeiros, então seu candidato.

Derrotados, Joaquinzão e o setor tradicional, somados ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) e ao Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR8), resolvem retomar a proposta da Central Geral dos Trabalhadores. Por algum tempo o Brasil teria duas CGTs (conhecidas no movimento como a "CGT do Magri" e a "CGT do Joaquinzão"). A entidade teve certa dificuldade inicial de se firmar já que se via espremida entre outras tantas e fortes concorrentes. A entidade tentou correr em raia própria. Por exemplo, enquanto a CUT e a Confederação Geral dos Trabalhadores articulavam a greve geral de 12 de junho de 1990, a CGT se pronunciou contrária ao movimento e defendeu a negociação através da constituição de fóruns de empresários, trabalhadores e governo. O quadro de dificuldades de inserção da entidade na vida político-sindical brasileira, agravou-se ainda mais quando os militantes de esquerda ligados ao PCB resolvem migrar para a CUT.

Em maio de 1991, Joaquinzão desliga-se da CGT sendo substituído no comando da entidade por Antônio dos Santos Neto. Neste ano, a central participa, junto com as demais centrais, das discussões acerca da lei salarial votada naquele período pelo Congresso Nacional. Em 1992, a entidade apoia o processo de impeachment contra o presidente Collor de Mello, no sentido de superação da crise política que se instalou. Ao mesmo tempo, entregou ao então vice-presidente Itamar Franco, que estava em vias de assumir a presidência, uma pauta contendo sugestões para seu programa de governo. Esta pauta tinha como ponto principal o pedido de cancelamento do programa de privatização levado à cabo pelo governo, solicitando, inclusive, que algumas das já realizadas fossem revistas. Além disso, pedia liberação de recursos para a construção civil, assentamento emergencial dos trabalhadores rurais e a redução das taxas de juros e da carga tributária.

Anos mais tarde, dirigentes da Confederação registram a CGT como uma marca exclusiva e abrem processo na Justiça, impedindo que a Central Geral pudesse usar a sigla. Até 2004, a CGT ficou conhecida como CGT Central, passando a se chamar, então, CGTB. Em termos de grupos políticos, a CGTB tem forte influência da organização de esquerda Movimento Revolucionário 8 de outubro (MR-8). Em termos de suas bandeiras de luta, a central defende, entre outras: a contribuição negocial para sustentação dos sindicatos, a reduçao dos juros, aumento real dos salários, o desenvolvimento nacional e a mudança na legislação de extração de petróleo tendo em vista o advento do chamado Pré-sal.  Segundo dados do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), em 2008, a CGTB tinha a quinta posição entre as centrais, com 5,38% de entidades sindicais existentes filiadas.

 

FONTES: http://www.cgtb.org.br/ - acessado em 03/11/2009; http://www.mte.gov.br/ - acessado em 07/11/2009.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados