COMANDO DE CACA AOS COMUNISTAS (CCC)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS (CCC)
Nome Completo: COMANDO DE CACA AOS COMUNISTAS (CCC)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS (CCC)

COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS (CCC)

 

Organização paramilitar de extrema direita criada em 1964 em São Paulo com o objetivo de combater os movimentos de esquerda.

O CCC surgiu como resultado da fusão de vários grupos de extrema direita, entre os quais a “Canalha” do Colégio Mackenzie e os “Matadores” da Faculdade de Direito do largo de São Francisco. Em 1964, participou ativamente do movimento que depôs o presidente João Goulart, atuando principalmente na tomada da Companhia Telefônica de São Paulo e na ocupação das docas de Santos. Depois disso, só tornou a agir em 1968, quando, em carta aberta ao governador paulista Roberto Abreu Sodré, anunciou sua volta em função do que considerava a omissão do governo em face do “avanço comunista”.

Em outubro de 1968, integrantes do CCC ligados à Faculdade Mackenzie atacaram os estudantes da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP), que recolhiam dinheiro para o XX Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), a ser realizado clandestinamente ainda naquele ano. Com a reação dos estudantes da USP, iniciou-se um conflito, no qual os membros do CCC utilizaram armas de fogo e coquetéis molotov. O estudante secundarista José Guimarães foi morto a tiros e a luta só terminou com a intervenção da polícia. Ainda no mês de outubro, o CCC realizou um atentado contra o Teatro Ruth Escobar, na capital paulista, onde era encenada a peça Roda viva, ameaçando e espancando os atores. O grupo atuou também no Rio de Janeiro, atacando o Teatro Mesbla, onde era apresentada a peça Cordélia Brasil.

No início da década de 1970, o CCC praticamente cessou suas atividades. Em 1975, porém, a morte do jornalista Vladimir Herzog nas dependências do Departamento de Operações Internas-Comando de Operações para a Defesa Interna (DOI-CODI) do II Exército, em São Paulo, suscitou protestos, principalmente do movimento estudantil, que realizou uma série de manifestações. Em resposta a essa mobilização, o CCC voltou a agir, visando principalmente as entidades estudantis e os jornais da imprensa dita alternativa. Ocorreram atentados em Minas Gerais, contra o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais, e em São Paulo, contra o Centro Acadêmico das faculdades de Física e Matemática da USP. Os escritórios dos semanários Em Tempo e De Fato em Belo Horizonte também foram atacados.

A despeito dos inquéritos abertos para investigar as atividades do CCC, nunca ocorreram prisões de integrantes da organização.

Nos últimos anos da década de 1970, o CCC passou a agir contra as entidades de defesa da anistia e contra setores do clero, responsabilizando-se por exemplo, em 1977, pelo seqüestro de dom Adriano Hipólito, bispo de Nova Iguaçu (RJ), conhecido por sua atuação em defesa das camadas menos favorecidas da população.

Teresa Veloso

FONTES: Cruzeiro (11/68); Veja (11/68).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados