JORNAL DE DEBATES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JORNAL DE DEBATES
Nome Completo: JORNAL DE DEBATES

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
JORNAL DE DEBATES

JORNAL DE DEBATES

 

Jornal carioca semanal fundado em 28 de junho de 1946 por João Augusto de Matos Pimenta e extinto por volta de 1951. Durante a década de 1970, o título foi usado em outra publicação dirigida por Fernando Gasparian.

Dirigido inicialmente por Matos Pimenta, Plínio Cantanhede e Mário de Brito, o Jornal de Debates pretendia ser uma tribuna livre, aberta a “toda e qualquer idéia manifestada com proficiência sobre assuntos políticos, econômicos e sociais, não importando a cor política, a escola filosófica e o credo religioso dos autores”. Cada número trazia no alto a frase “Não concordo com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo”, de Voltaire.

Nascido durante o governo de Eurico Gaspar Dutra, o Jornal de Debates surgiu em pleno processo de redemocratização, ocupando o espaço que se abrira para o confronto de opiniões políticas divergentes. O jornal refletia o panorama ideológico do período pós-Estado Novo, traduzindo o conflito entre as diferentes correntes de opinião e publicando matérias em que uma mesma posição era alternadamente defendida e atacada. Acusado de comunista por setores conservadores, Matos Pimenta definiu em editorial sua linha política, confessando-se católico, favorável às franquias democráticas e contrário tanto ao capitalismo privado, “intrinsecamente ateu e materialista”, como ao “ateísmo comunista”. Declarou porém que, malgrado sua fé cristã, apoiaria sempre os comunistas em tudo que fosse do interesse dos trabalhadores. Mário de Brito e Plínio Cantanhede teriam por seu turno pensamentos políticos próprios.

Os principais debates desencadeados ao longo da existência do jornal versaram sobre os partidos políticos criados em 1945 e sobre a questão do petróleo. Em outubro de 1946, o jornal publicou um artigo do engenheiro Fernando Lobo Carneiro examinando as diferentes possibilidades de financiamento da exploração do petróleo no país. Poderiam ser utilizados capitais nacionais, capitais estrangeiros ou capitais mistos. O capital nacional poderia ser privado ou estatal. O artigo de Lobo Carneiro lançou as bases para um inquérito que o jornal promoveu, ouvindo a opinião de várias pessoas ligadas ao assunto.

A partir de 1947, a direção do Jornal de Debates defendeu abertamente o monopólio estatal do petróleo, criticando o recém-aprovado Estatuto do Petróleo, que permitia ao capital estrangeiro explorar o subsolo brasileiro. O jornal questionava não apenas a intensidade com que os investimentos externos entrariam no Brasil, mas sua própria validade, uma vez que o Estado poderia fornecer os recursos necessários. Ao menos, o Estado acabara de avalizar um vultoso empréstimo para a empresa Brazilian Traction Light and Power.

O Jornal de Debates recebeu a colaboração de inúmeras figuras da vida pública e dos meios intelectuais brasileiros. Os colaboradores que mais se aproximaram da direção foram Rafael Correia de Oliveira, Osório Borba e Álvaro Moreira.

O Jornal de Debates não recebia nenhuma espécie de subsídio e só aceitava publicidade da Bolsa de Imóveis do Rio de Janeiro, entidade a que estava ligado Matos Pimenta. A partir de dezembro de 1947, Matos Pimenta passou a dividir a direção e as despesas do jornal com Gentil Fernando de Castro, presidente da Bolsa de Imóveis. Gentil de Castro, sob o pseudônimo de Gil de Miranda, escrevia pequenas narrativas ironizando os defensores de uma política antinacionalista.

As dificuldades financeiras que o jornal enfrentava por não ter fins lucrativos acabaram por determinar seu fechamento, no início da década de 1950.

Carlos Eduardo Leal

 

 

FONTE: Jornal de Debates.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados