MARCHA, A

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARCHA, A
Nome Completo: MARCHA, A

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
MARCHA, A

MARCHA, A

 

Jornal carioca semanal fundado em 20 de fevereiro de 1953 e extinto em dezembro de 1962. Era dirigido por Gumercindo da Rocha Dória. Entre seus principais colaboradores destacaram-se Plínio Salgado, Ataíde de Miranda, Ernâni Lomba Ferraz, Wolfram Metzler, Seno Cornely e Ordival Gomes.

Órgão divulgador da doutrina integralista, cujo partido, a Ação Integralista Brasileira (AIB), havia sido fechado após o golpe frustrado de maio de 1938, A Marcha surgiu durante o último governo de Getúlio Vargas veiculando as idéias do Partido de Representação Popular (PRP), fundado por Plínio Salgado em 1945 para manter vivos os princípios do integralismo.

Feroz opositor do que definia como “comunismo” e “burguesismo”, o jornal não publicava matérias teóricas, apenas revelando sua posição através dos editoriais assinados por Plínio Salgado e do próprio noticiário político. Declarando que “nossa pátria está sendo minada dia a dia pela horda moscovita”, A Marcha considerava o comunista um capitalista sem dinheiro, e o capitalista um comunista rico. Ambos limitariam suas preocupações às coisas materiais, “descuidando de Deus e do espírito”.

O jornal dava ampla cobertura às atividades do PRP e periodicamente publicava matérias visando conquistar a juventude para o integralismo. O Manifesto à mocidade brasileira, de 1953, conclamava aqueles que ainda não “se estiolaram no abuso dos prazeres materiais” a se empenharem num movimento que tinha por base os “princípios do cristianismo e da brasilidade”.

A Marcha dedicava-se ainda à crítica literária, mantendo a coluna “A marcha das artes e das letras”, geralmente assinada por Tasso da Silveira. Para o jornal, a criação do Teatro Experimental do Negro, idealizado por Abdias do Nascimento, seria “um experimento psicossociológico tendo em vista adestrar gradativamente a gente negra nos estilos de comportamento da classe média e superior da sociedade brasileira”.

Carlos Eduardo Leal

 

 

FONTE: Marcha.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados