MOVIMENTO NACIONAL POPULAR TRABALHISTA (MNPT)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MOVIMENTO NACIONAL POPULAR TRABALHISTA (MNPT)
Nome Completo: MOVIMENTO NACIONAL POPULAR TRABALHISTA (MNPT)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
MOVIMENTO NACIONAL POPULAR TRABALHISTA (MNPT)

MOVIMENTO NACIONAL POPULAR TRABALHISTA (MNPT)

 

Organização criada no meio sindical em maio de 1955 com o objetivo de obter o apoio dos sindicatos para os candidatos às eleições presidenciais de outubro daquele ano que apresentassem uma plataforma nacionalista e de defesa dos interesses populares. Acusado de ser controlado pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), cessou suas atividades após a eleição de Juscelino Kubitschek e João Goulart.

O MNPT lançou seu programa em 12 de junho de 1955, afirmando que apoiaria o candidato à presidência que se comprometesse “a defender as liberdades democráticas e sindicais, a soberania nacional, a indústria nacional, o monopólio estatal do petróleo, as nossas riquezas naturais, o ensino primário obrigatório e gratuito, a reforma agrária democrática e os interesses do campesinato”. O candidato deveria igualmente lutar “contra a carestia…, pela elevação dos salários e do salário mínimo de acordo com o custo de vida”, e pelo estabelecimento de relações com todos os países.

O documento também apresentava algumas reivindicações imediatas dos trabalhadores, que incluíam a garantia do direito de greve e de organização e representação das entidades sindicais nos locais de trabalho, a entrega dos fundos recolhidos através do imposto sindical aos sindicatos, a passagem da direção dos institutos e caixas de aposentadoria e pensões a trabalhadores eleitos diretamente pelos segurados, o pagamento de salário igual por trabalho igual às mulheres e aos jovens, a extensão da legislação social aos trabalhadores do campo etc.

O programa era assinado por conhecidos líderes sindicais comunistas como Roberto Morena, Benedito Cerqueira, Ramiro Luchesi e Jocelin Santos, e por não-comunistas como Ari Campista, que ocupava a presidência do movimento, e Salvador Lossaco.

No início de setembro de 1955, o congresso nacional do MNPT, reunido em São Paulo, decidiu apoiar as candidaturas de Juscelino Kubitschek e João Goulart respectivamente à presidência e à vice-presidência da República, lançadas pelo Partido Social Democrático (PSD) e pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Um mês antes, a direção do PCB já havia indicado os nomes de Kubitschek e Goulart por se terem ambos declarado dispostos a lutar “em defesa da Constituição e das liberdades democráticas e pela melhoria das condições de vida do povo”.

A decisão do congresso desagradou Ari Campista que, ainda durante o encontro, afirmou não estar disposto a fazer o papel de “inocente útil” dos líderes sindicais comunistas, e os acusou — em particular a Roberto Morena — de trair os trabalhadores, vendendo a posição política do MNPT aos líderes do PSD e do PTB. Após o discurso, Campista renunciou à presidência do movimento.

Vitoriosos nas urnas, Kubitschek e Goulart foram acusados pelos partidos derrotados, liderados pela União Democrática Nacional, de terem firmado aliança eleitoral com os comunistas através do MNPT. Entre outros pontos, Kubitschek teria prometido legalizar o PCB em troca do apoio comunista à sua campanha.

Sérgio Lamarão

 

 

FONTES: CHILCOTE, R. Brazilian; DULLES, J. Unrest; Imprensa Popular (12/6 e 18/8/55).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados