PARTIDO ECONOMISTA DO BRASIL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PARTIDO ECONOMISTA DO BRASIL
Nome Completo: PARTIDO ECONOMISTA DO BRASIL

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
PARTIDO ECONOMISTA DO BRASIL

PARTIDO ECONOMISTA DO BRASIL

 

Partido político de âmbito nacional, também chamado Partido Econômico Nacional, fundado na cidade do Rio de Janeiro em novembro da 1932. Em fins de 1933, fundiu-se com o Partido Democrático do Distrito Federal, dando origem ao Partido Economista Democrático do Distrito Federal.

O Partido Economista do Brasil foi fundado por comerciantes e industriais do Rio de Janeiro (então Distrito Federal) ligados à Associação Comercial do Rio de Janeiro, com o principal objetivo de “construir as bases de um novo edifício político e social para as classes produtoras”. Visava também combater a política formulada pelos “tenentes”, considerada antiempresarial. Entre seus organizadores figuravam João Daudt d’Oliveira, um dos diretores da Associação Comercial do Rio de Janeiro; Serafim Valandro, presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro e da Federação das Associações Comerciais; Oliveira Passos, presidente da Federação Industrial do Rio de Janeiro; Carlos da Rocha Faria, presidente do Centro de Fiação e Tecelagem; João Augusto Alves, presidente do Centro de Comércio e Indústrias; Oscar Ferreira de Carvalho, presidente da Liga do Comércio, e Heitor Beltrão. A direção do partido era integrada ainda por Darke Bhering Matos Júnior, Herbert Moses, Mário de Andrade Ramos, Mário de Oliveira e Rodrigo Otávio Filho.

Os estatutos e o programa do Partido Economista do Brasil foram elaborados por Gilberto Amado. O partido propunha-se a defender na Assembléia Constituinte o regime representativo sob a forma republicana federativa, o governo constitucional e a autonomia dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, que deveriam ter assegurado o direito à livre escolha de seus governantes, observando porém as seguintes condições: não contrair empréstimos no estrangeiro sem autorização federal, não levantar obstáculos à livre circulação de produtos dentro do território nacional, e prefixar  sobre a receita total a percentagem a ser atribuída à instrução primária e profissional. O partido defendia a liberdade de pensamento, de opinião, de imprensa e de reunião, e a garantia da propriedade. Em seu programa incluía-se a luta para integrar na vida pública do país o pensamento das forças econômicas e culturais, de modo que estas viessem a interferir eficientemente na solução dos problemas brasileiros e que as classes econômicas viessem a influir na criação, junto à administração executiva dos municípios, dos estados e da União, de órgãos técnicos e econômicos de caráter decisório, ou, excepcionalmente, consultivo. O partido pretendia lutar pela eliminação de impostos excessivos e pela simplificação da legislação fiscal. Propunha-se finalmente a defender todas as justas e legítimas reivindicações dos trabalhadores, tendo em vista os supremos interesses da coletividade, e a “evitar que o trabalho humano fosse considerado como simples mercadoria sujeita à lei da oferta e da procura”, estudando a fixação do salário mínimo de subsistência de acordo com o custo de vida nas diversas regiões do país.

Ao contrário da grande maioria dos partidos criados depois de 1930, o Partido Economista do Brasil não pretendeu limitar sua ação ao âmbito regional. Estendeu sua atuação a vários estados, como Pernambuco, Rio de Janeiro, Ceará, Minas e Paraná. Sua forma de organização inspirou-se nos moldes políticos europeus e norte-americanos.

Nas eleições para a Assembléia Nacional Constituinte de 1933, elegeu dois representantes pelo Distrito Federal: Henrique de Toledo Dodsworth e Miguel de Oliveira Couto.

Alzira Alves de Abreu

 

 

FONTES: CONNIFF, M. Rio; LEME, M. Ideologia.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados