PARTIDO LIBERAL MATO-GROSSENSE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PARTIDO LIBERAL MATO-GROSSENSE
Nome Completo: PARTIDO LIBERAL MATO-GROSSENSE

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
PARTIDO LIBERAL MATO-GROSSENSE

PARTIDO LIBERAL MATO-GROSSENSE

 

Partido político mato-grossense fundado em 22 de março de 1933 para concorrer às eleições para a Assembléia Nacional Constituinte (ANC). Foi organizado pelo interventor Leônidas Antero de Matos, que governou o estado entre 1932 e 1934. Cindiu-se em 1936, passando seus membros a integrar de um lado o Partido Republicano Mato-Grossense, e, de outro, a Aliança Mato-Grossense.

O Partido Liberal Mato-Grossense defendia os interesses da Revolução de 1930 e pretendia integrar-se num futuro partido nacional. Sua primeira comissão executiva era formada por Ítrio Correia da Costa, Júlio Müller, Silvino Costa, Modesto Lanzacker, Estêvão Correia, Ribeiro Filho e Antônio Leopoldo Reis Coelho.

Os pontos principais de seu programa defendiam a forma republicana federativa de governo; o sufrágio universal secreto para ambos os sexos; a adoção do plebiscito e do referendum para as questões de importância social; a autonomia dos estados e municípios, regidos por constituições e leis orgânicas, observadas as limitações expressas na Constituição federal; a abolição completa dos impostos de exportação; a não colaboração política dita antilatifundiária, considerada ainda inoportuna diante do despovoamento geral e, em particular, dos estados de Mato Grosso, Goiás, Pará e Amazonas; o estabelecimento imediato, mais por motivos de ordem nacional do que regional, de núcleos agrícolas à margem da estrada de ferro Madeira-Mamoré e dos rios navegáveis da mesma região, bem como a construção de ligações ferroviárias entre o norte de Mato Grosso, Santarém do Pará e a capital de Goiás; a socialização gradual de todos os serviços públicos ou de interesse coletivo que a comportassem técnica e economicamente; a criação de conselhos técnicos e consultivos; a reserva das minas de interesse econômico ou militar para o poder público federal; o regime de oito horas de trabalho para os trabalhadores manuais e mecânicos e para os empregados do comércio, e sua gradual redução; a criação de tribunais para a solução dos conflitos entre operários e patrões, e o reconhecimento dos sindicatos e cooperativas de consumo e produção e das associações profissionais regulares e estáveis, inclusive as de profissões liberais.

Para participar da ANC de 1933, foram eleitos sob sua legenda Generoso Ponce Filho, Alfredo Correia Pacheco e Francisco Vilanova.

Nas eleições estaduais de 14 de outubro de 1934, o partido elegeu nove deputados estaduais e um deputado federal, Ítrio Correia da Costa.

Os deputados estaduais, eleitos para participar da Assembléia Constituinte estadual, além de preparar a Constituição do estado, deveriam eleger o governador constitucional e dois senadores. Em função dessas eleições, as forças políticas do estado vinham-se articulando desde junho de 1934.

O governo do interventor Leônidas de Matos, do Partido Liberal, vinha provocando um descontentamento geral devido à precária situação financeira do estado. Esta situação remontava à administração anterior, de Mário Correia da Costa, que governara Mato Grosso de 1926 a 1930. Embora tivesse sido chefe de polícia nesse período, Leônidas de Matos se indispusera com Mário Correia da Costa, tornando-se seu inimigo político. Em 1934, este último voltou a Mato Grosso e foi recebido por grande manifestação popular.

A partir desse momento, Mário Correia da Costa congregou as forças de oposição ao interventor em torno da candidatura de Filinto Müller ao governo estadual. Concentradas no Partido Evolucionista de Mato Grosso, as forças oposicionistas receberam o apoio de diversos membros do próprio Partido Liberal, fortalecendo-se a ponto de provocar a intervenção federal no estado. Em outubro de 1934, Leônidas de Matos foi destituído, sendo nomeado interventor César Mesquita Serra, que governou apenas quatro meses. Em março de 1935 assumiu a interventoria Fenelon Müller, irmão de Filinto Müller.

A campanha pela candidatura de Filinto Müller foi então interrompida, tendo este desistido da indicação em favor do irmão. No entanto, as forças de oposição lideradas por Mário Correia da Costa não deram seu apoio a Fenelon, articulando a candidatura de seu próprio líder. João Vilasboas, então chefe do Partido Liberal, em troca de seu apoio a Mário Correia da Costa, garantiu sua eleição para senador.

A comissão diretora do Partido Liberal lançou a seguir um manifesto reafirmando essas decisões. Esse manifesto foi assinado pelos deputados João Celestino, Benjamim Duarte Monteiro, Palmiro P. de Barros, João Vilasboas, Antônio Reis Coelho, José Alves Ribeiro, Sátiro Martins A. Bezerra, Oliveira Melo e Estêvão A. Correia, os quais, diante do agravamento do clima de tensão, se refugiaram no quartel do 16º Batalhão de Caçadores.

Nova intervenção federal foi necessária para que a Assembléia pudesse se reunir. Em 30 de agosto, Fenelon Müller foi substituído pelo coronel Newton Cavalcanti, que governou apenas nove dias.

Em 7 de setembro a Assembléia reuniu-se e elegeu Mário Correia da Costa para governador e João Vilasboas e Vespasiano Barbosa Martins (este último, do Partido Evolucionista) para senadores.

Entretanto, a coligação que elegeu o governador rompeu-se em 1936, quando dois novos partidos foram fundados: de um lado, o Partido Republicano Mato-Grossense, formado por Mário Correia da Costa e seus partidários tanto do Partido Liberal como do Partido Evolucionista, e, de outro, a Aliança Mato-Grossense, formada pelos membros restantes dos dois partidos, liderados por João Vilasboas.

Regina Bressane

 

 

FONTES: ARQ. OSVALDO ARANHA; ASSEM. NAC. CONST. 1934. Anais; Diário de Notícias, Rio (9/1, 20/8, 10/9/35 e 13/9/36); Estado de S. Paulo (6/12/34); Jornal do Brasil (23/2/33); Jornal do Comércio (23/2/33).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados