PUNTA DEL ESTE, CONFERENCIA DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PUNTA DEL ESTE, Conferência de
Nome Completo: PUNTA DEL ESTE, CONFERENCIA DE

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
PUNTA DEL ESTE, CONFERÊNCIA DE

PUNTA DEL ESTE, Conferência de

 

Denominação pela qual ficou conhecida a VIII Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores da Organização dos Estados Americanos (OEA) realizada em Punta del Este, Uruguai, entre 22 e 31 de janeiro de 1962. A reunião teve como objetivo central discutir o impacto da Revolução Cubana nos assuntos hemisféricos, evidenciando divergências de atitude e encaminhamento entre o Brasil e os EUA.

As intervenções de Francisco Clementino de San Tiago Dantas, ministro das Relações Exteriores do primeiro gabinete parlamentarista de João Goulart — chefiado por Tancredo Neves — refletiram a orientação geral da chamada política externa independente, estabelecida ainda no governo Jânio Quadros e que, além de rejeitar o alinhamento automático às posições dos EUA, preconizava o estreitamento de vínculos diplomáticos e comerciais com os países do bloco socialista e do Terceiro Mundo, e defendia os princípios da não-intervenção e autodeterminação dos povos. Com base nesses postulados, San Tiago Dantas condenou a insistência com que o secretário de Estado norte-americano Dean Rusk exortou os países do continente a adotarem medidas para isolar o regime socialista de Cuba — implantado após a revolução de 1º de janeiro de 1959 que derrubou a ditadura de Fulgencio Batista e levou Fidel Castro ao poder, desencadeando uma série de reformas políticas, econômicas e sociais. Tais mudanças contrariavam os interesses das grandes empresas norte-americanas, até então detentoras do monopólio de produção e comercialização do açúcar cubano, principal fonte de riqueza do país.

Na oportunidade, Dantas advertiu que a progressiva marginalização de Cuba da comunidade interamericana e as permanentes ameaças de violação de sua soberania levá-la-iam a buscar garantias de segurança junto à União Soviética. Nesse sentido, esforçou-se para convencer Rusk da conveniência de sanções mais brandas, sob a forma de um estatuto obrigando Castro a suspender seu apoio à luta armada no continente.

Irredutível, a delegação norte-americana preferiu reagir com pressões econômicas, dando a entender que o resultado da conferência poderia prejudicar a aprovação das verbas da Aliança para o Progresso, programa de ajuda econômica do governo dos EUA dirigido à América Latina. Os EUA reagiram também com pressões militares, acenando com a possibilidade de fazer da Argentina seu principal aliado na defesa do continente, em detrimento do Brasil.

Por fim, a rigidez dos conceitos estratégicos de Washington prevaleceu sobre a moderação de Brasília: Cuba foi expulsa da OEA por 14 votos a favor. O Brasil absteve-se. Na mesma ocasião, aprovou-se por unanimidade um documento condenando a adesão do regime de Havana ao marxismo-leninismo, considerando incompatível com a segurança coletiva do hemisfério.

Paulo Kramer

 

 

FONTE: BANDEIRA, M. Presença.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados