RADICAL, O

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RADICAL, O
Nome Completo: RADICAL, O

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
RADICAL, O

RADICAL, O

 

Jornal carioca diário e matutino fundado em 1º de junho de 1932 e extinto em 9 de outubro de 1954.

 

Criação

Durante o primeiro semestre de 1932, a oposição ao Governo Provisório de Getúlio Vargas cresceu enormemente, reivindicando a reconstitucionalização do país e criticando o poder excessivo dos “tenentes”, evidenciado principalmente depois do empastelamento do Diário Carioca no dia 25 de fevereiro daquele ano. Em todo esse período, a esmagadora maioria dos jornais do Rio de Janeiro — então Distrito Federal — era contrária ao Governo Provisório. Se a censura conseguia conter os ataques diretos a Vargas, não tinha poderes por outro lado para fazer com que os jornais o defendessem ou elogiassem.

Preocupado em organizar uma imprensa abertamente favorável a Vargas e aos “tenentes”, João Alberto Lins de Barros, então chefe de polícia do Distrito Federal, tutelou a fundação de alguns jornais. Os fundos destinados a esse tipo de empreendimento, segundo Hílcar Leite, teriam origens diversas, provindo desde banqueiros do jogo do bicho até de uma “verba secreta” do governo destinada a melhorar a imagem de Vargas.

Nesse contexto, em junho de 1932 foi lançado O Radical, que trazia no cabeçalho o subtítulo “A voz da Revolução”, definindo-se como um órgão destinado a defender e propagar os princípios da Revolução de 1930, segundo a concepção dos “tenentes”, no seio da classe trabalhadora.

 

Atuação

Visando tornar o jornal atraente para essa camada social, O Radical caracterizou-se pela ênfase ao noticiário trabalhista, sindical e policial. Aberto às reivindicações imediatas dos trabalhadores, dava ampla cobertura às greves e convocações de assembléias, à atuação dos sindicatos e às condições de trabalho e de vida dos operários.

A primeira grande campanha de O Radical foi contra as forças paulistas que se opunham ao governo de Vargas, principalmente contra a Frente Única Paulista (FUP), criada em fevereiro de 1932 a partir da união do Partido Republicano Paulista (PRP) e do Partido Democrático (PD). Segundo o jornal, essa iniciativa tinha como objetivo anular as organizações partidárias já existentes. A campanha contra os paulistas se acirrou com a eclosão da Revolução Constitucionalista em julho de 1932, sendo enfatizado o caráter separatista e antipatriótico do movimento. Durante essa fase, a direção de O Radical era exercida por André Carrazoni e Trindade Cruz.

Com o término do movimento revolucionário paulista em outubro de 1932, João Alberto afastou-se de O Radical e o jornal esteve ameaçado de fechar. No entanto, pouco depois, Rodolfo de Carvalho comprou-o e procurou não alterar substancialmente sua orientação política, mantendo-o como um órgão de apoio ao governo de Vargas, e apenas aprofundando sua linha popular, voltada para as classes trabalhadoras.

Na preparação das eleições para a Assembléia Nacional Constituinte, marcadas para maio de 1933, O Radical deu cobertura especial à atuação de Pedro Ernesto Batista, então interventor no Distrito Federal. Assim, já em novembro de 1932, noticiou fartamente o I Congresso Nacional Revolucionário, presidido por Pedro Ernesto, que resultou na formulação de um programa a ser defendido na Constituinte.

Em março de 1933, foi fundado na cidade do Rio de Janeiro — por Pedro Ernesto, entre outros — o Partido Autonomista, tendo como principal meta defender na Constituinte a autonomia política e administrativa do Distrito Federal. O Radical foi um dos principais veículos da campanha do novo partido, que obteve ampla vitória, elegendo seis dos dez representantes cariocas à Assembléia. Nos meses que antecederam a eleição do presidente da República pela Assembléia, em julho de 1934, O Radical desempenhou um importante papel, dando grande cobertura à candidatura de Vargas e elogiando sua atuação política.

Após a promulgação da Constituição em 16 de julho de 1934, seguida um dia depois da eleição de Vargas, iniciou-se a campanha para as eleições legislativas marcadas para outubro seguinte. Novamente O Radical deu ampla cobertura aos candidatos do Partido Autonomista, que obtiveram expressiva vitória, conquistando oito das dez cadeiras da bancada carioca na Câmara dos Deputados e 20 das 24 cadeiras na Câmara Municipal. Nos meses seguintes, O Radical deu também um apoio especial à candidatura de Pedro Ernesto, que, em abril de 1935, foi eleito pela Câmara Municipal prefeito do Distrito Federal.

Com a decretação, também em abril de 1935, da Lei de Segurança Nacional, teve início um processo de endurecimento político que deu origem às primeiras divergências de O Radical com o governo federal. O jornal passou a criticar as medidas repressivas contra os sindicatos e as greves, ao mesmo tempo em que dava cobertura e demonstrava simpatia pela Aliança Nacional Libertadora (ANL), frente constituída pelos comunistas e demais opositores do governo. O Radical foi, entretanto, contrário à Revolta Comunista deflagrada em novembro de 1935 pela ANL.

Durante todo esse período, O Radical acompanhou de perto a obra administrativa de Pedro Ernesto. Como um jornal preocupado em manter um noticiário voltado para os interesses das camadas populares, deu grande destaque aos planos de reformulação nas áreas de educação, legislação social e saúde, que instituíram a assistência médico-cirúrgica e o montepio para os funcionários municipais, além de regularizar o pagamento de seus vencimentos.

Com a decretação do estado de guerra em março de 1936, as divergências de O Radical com o governo se aprofundaram, atingindo o clímax no mês de maio com a prisão de Pedro Ernesto, acusado de envolvimento na Revolta Comunista. Em virtude da posição abertamente contestatória do jornal, Rodolfo de Carvalho e a maioria dos jornalistas foram igualmente presos, o que impediu a circulação do matutino por algumas semanas.

O Radical voltou a circular graças à contratação provisória de Mário Martins, a quem coube organizar precariamente a redação. Com a libertação da equipe e a normalização da edição do matutino, Mário Martins foi contratado em caráter permanente, tornando-se secretário e posteriormente redator-chefe do jornal.

Esse episódio não alterou a linha de O Radical. Durante a ofensiva antiparlamentar que culminou com a apresentação ao Congresso de um pedido do governo de que fossem suspensas as imunidades dos parlamentares, pedido esse cuja aprovação em julho de 1936 permitiu processar os deputados Domingos Velasco, Abguar Bastos, João Mangabeira, Otávio da Silveira e o senador Abel Chermont, O Radical manifestou-se mais uma vez contrário à onda de repressão que atingia o país.

Em setembro de 1936, O Radical sofreu nova punição, tendo sua circulação suspensa por 60 dias, por ter publicado a foto de uma mulher com uma criança no colo e a legenda “Nasce uma criança”, numa alusão a Olga Benário, mulher de Luís Carlos Prestes, que estava sendo deportada grávida para a Alemanha.

Durante essa fase o jornal se caracterizou também pelo seu antifascismo. Na esfera internacional, posicionou-se em relação à Guerra Civil Espanhola (1936-1939), apoiando os republicanos que lutavam contra as forças franquistas. Internamente, fez intensa campanha contra o integralismo, publicando inúmeros artigos contra a Ação Integralista Brasileira (AIB) e seu líder supremo Plínio Salgado.

A despeito de sua postura crítica e das punições que sofreu, O Radical procurou manter seu apoio à pessoa de Getúlio Vargas. A proposta do jornal era sempre procurar preservar a figura do presidente da República, reservando todas as críticas para seus auxiliares. Essa atitude se explicava não só pelo desejo de burlar a censura à imprensa imposta com a decretação do estado de sítio em novembro de 1935, mas também pela posição de Rodolfo de Carvalho, que possuía grande admiração pessoal por Vargas.

Com a proximidade das eleições presidenciais previstas para janeiro de 1938, O Radical apoiou a candidatura situacionista de José Américo de Almeida e moveu intensa campanha contra Armando Sales, candidato da oposição, por suas ligações com a firma norte-americana Bond and Share.

Com a decretação do Estado Novo em novembro de 1937 — que significou a interrupção do processo eleitoral —, O Radical procurou manter sua estratégia anterior de criticar o governo em suas medidas repressoras e resguardar a figura de Getúlio. Além disso, deu ampla cobertura a inúmeros temas que estavam recebendo a atenção do governo, promovendo várias campanhas de caráter nacionalista, como as da nacionalização da marinha mercante e da aviação comercial e da criação da indústria siderúrgica no país. Com o objetivo de divulgar e popularizar esses temas entre as camadas mais pobres da população, que constituíam seu principal público, O Radical criou um slogan que dizia “Trigo para o homem, petróleo para a máquina, siderurgia para a segurança nacional”. Graças a essa orientação de apoio pessoal a Vargas e a alguns projetos do governo, O Radical foi algumas vezes poupado.

Em 1941, Amílcar Dutra de Meneses, diretor do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), escreveu um livro intitulado O futuro a Deus pertence e de certa forma coagiu a imprensa a fazer resenhas e comentários elogiosos sobre a obra. O Radical, contrariando essa tendência, fez uma crítica impiedosa que obteve grande repercussão. Amílcar de Meneses pediu a punição do jornal a Getúlio mas não foi atendido.

Ainda em 1941, com o agravamento da Segunda Guerra Mundial, O Radical tornou-se um dos precursores da luta pelo rompimento do Brasil com os países do Eixo. No ano seguinte, fez intensa campanha para que o Brasil ingressasse na guerra ao lado dos Aliados, o que se efetivou no mês de agosto.

Durante todo o Estado Novo, O Radical gozou de grande prestígio popular, atingindo uma tiragem de 20 mil exemplares, que eram vendidos principalmente na Zona Norte do Rio de Janeiro. Nesse período, além de se manter basicamente como um jornal voltado para as massas populares, tratando de temas trabalhistas e policiais e das condições de vida dos trabalhadores, passou a publicar duas novas seções, sobre a Marinha Mercante e sobre assuntos ligados à área militar.

Em 1945, com a luta pela redemocratização do país, O Radical passou a ser o porta-voz da campanha “queremista”, movimento popular que surgiu em maio no Rio de Janeiro e defendia a permanência de Getúlio Vargas na presidência da República, mas sob um regime constitucional. Através de suas páginas popularizou-se o lema “Constituinte com Getúlio”.

Com a deposição de Vargas em outubro de 1945 e, a seguir, a eleição de Eurico Gaspar Dutra para a presidência da República, O Radical assumiu uma posição de neutralidade, não fazendo críticas ao novo presidente, mas também não dando apoio ao seu governo.

Nessa ocasião, faleceu Rodolfo de Carvalho, tendo assumido a direção do jornal seu genro, George Galvão. Desde então O Radical iniciou uma fase de declínio, sofrendo acusações, em 1949, de ter sido subornado por Ângelo Mendes de Morais, então prefeito do Distrito Federal, para dar cobertura à sua administração.

Em 1950, com a eleição de Vargas para a presidência da República, O Radical deu todo apoio ao novo governo. Contudo, não conseguiu se recuperar, passando a viver grandes dificuldades financeiras. Finalmente, em outubro de 1954, foi fechado por ação executiva movida pelo Banco do Brasil por não ter conseguido saldar seus títulos.

Marieta de Morais Ferreira

 

 

FONTES: CARONE, E. Segunda; ENTREV. LEITE, I.; ENTREV. MARTINS, M.; ENTREV. SANTA CRUZ, R.; LEVINE, R. Vargas; MALTA, O. Tenentes; Radical.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados