RADIO GUAIBA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: Rádio Guaíba
Nome Completo: RADIO GUAIBA

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
RÁDIO GUAÍBA

RÁDIO GUAÍBA

Com uma concorrida sessão de arte no Teatro São Pedro, em Porto Alegre, era inaugurada, oficialmente, no dia 30 de abril de 1957, a Rádio Guaíba. A ZYU-58 entrou no ar naquele dia, às 12 horas, com 10kw, em ondas médias e dois transmissores de ondas curtas, cada um com sete quilowatts e meio em 25 e 49 metros. Mantendo uma programação apenas musical, com orquestras e intérpretes consagrados, sem textos gravados, alta fidelidade de som e estilo sóbrio e pausado de leitura pelos locutores, a maioria do público ouvinte a elegeu imediatamente.

A iniciativa partiu de Breno Caldas, diretor da Cia. Jornalística Caldas Júnior, proprietária do Correio do Povo e da Folha da Tarde, então os dois jornais de maior circulação no Rio Grande do Sul, que começava a sentir a concorrência das novas empresas jornalísticas. Na ocasião, Alberto Pasqualini, nomeado diretor da emissora, disse: “Posso adiantar em poucas palavras que ela não terá o luxo das grandes montagens. Mas, mesmo usando a singeleza, jamais cairá na vulgaridade.”

A equipe era formada por Jorge Mendes Ribeiro, como diretor-geral, Flávio Alcaraz Gomes, na parte comercial, o produtor Luís Gualdi, o programador Osmar Meletti, o engenheiro Homero Simon e os técnicos Alcides e José Krebs e Hélio Custódio.

Como locutores foram convidados Aden Rossi, Adroaldo Streck e Petrônio Correia, este como noticiarista e redator. Logo em seguida ingressaram Marco Aurelius, Paulo Flores, Ênio Berwanger e Zalmiro Zimmermann. No esporte, Mendes Ribeiro repartia com Pedro Carneiro Pereira e Mílton Jung as transmissões domingueiras. Jorge Muccilo foi o primeiro diretor de rádio-teatro, além de narrador de turfe. Como produtor especial foi contratado Sérgio Jockymann, revelando-se, ao longo do tempo, um prestigiado autor de peças infantis, entre outros gêneros.

O Correspondente Renner foi um noticiário radiofônico de dez minutos, apresentado desde o início da Guaíba, por Ronald Pinto, passando depois a Mílton Jung, mantendo-se ainda hoje. É, possivelmente, um dos noticiários de maior duração no rádio brasileiro.

Entre os programas de maior sintonia nesta primeira fase estavam Você é o sabichão, programa de auditório apresentado do cinema Cacique. Histórias do mestre Estrela, também de auditório, Marcelino, pão e vinho, Aplausos para este homem, escrito por Oscar Fernando Fontoura, As aventuras de Sherlock Holmes, radiofonizado por Roberto Eduardo Xavier, Lendas de todo o mundo, escrita por Zaíra de Albuquerque Petry, Um amigo às ordens, por Fé Emma, Dê asas à sua imaginação, Teatrinho Cacique e As ruas contam histórias, todos com boa audiência. Tanto assim que, ao completar o quinto aniversário, a Guaíba destacava-se como uma das melhores emissoras nacionais.

Em 1958, a Rádio Guaíba transmitiu a Copa do Mundo, sendo a única emissora brasileira presente na Suécia, país-sede da competição.

Em 1961 o então governador Leonel Brizola, do Rio Grande do Sul, a requisitava para liderar a chamada rede da legalidade, passando a irradiar diretamente do palácio Piratini. O motivo foi a renúncia da presidência da República por Jânio Quadros, a 25 de agosto, sete meses depois de tomar posse, originando uma das mais graves crises políticas do país. Durante dez dias, a Rádio Guaíba manteve a resistência pela posse do vice-presidente, João Goulart, tornando-se, desse modo, a emissora mais ouvida da América do Sul. Em 1963 a potência foi aumentada para 50kw, ampliando o raio de ação para as três Américas. Com a tomada do poder pelos militares, em 1964, a Guaíba, em face dos acontecimentos, permaneceu fora do ar por mais de uma semana.

Muitas foram as coberturas internacionais, como a queda do presidente Arturo Frondisi, na Argentina, em 1962; a Copa da Mundo no Chile, no mesmo ano; o lançamento da cápsula Gemini Quatro, de Cabo Canaveral, na Flórida, EUA, em 1965; a visita do papa Pio VI a Nova Iorque e a posse do general Charles de Gaulle, na França; a luta do peso galo Éder Jofre no Japão; a Copa do Mundo na Inglaterra; o conflito entre árabes e israelenses, no Oriente Médio; a rebelião dos estudantes em Paris, conflitos no Vietnã e no Uruguai, o campeonato mundial de futebol no México, em 1970, entre outras. Em fevereiro de 1980, foi lançada a Guaíba FM (101.3 MHz), com uma programação de música e informação. Ao ser adquirida pelo empresário Renato Bastos Ribeiro, em 1985, depois da falência da Cia. Jornalística Caldas Júnior, foi adotado um estilo mais popular, inclusive com utilização de jingles. Ao contrário dos jornais, que suspenderam a publicação no período falimentar, a programação da emissora continuou a funcionar normalmente, embora com atraso de vencimentos aos funcionários.

Em 1991, a Rádio Guaíba duplicou sua potência, passando a irradiar com 100 quilowatts, tendo finalizado, em 1997 o processo de implantação de seu sistema digital. A sua programação passou a ser acompanhada ao vivo pela internet e permitia, também, o acesso às matérias especiais disponíveis em seu site.

Em março de 2007, a Guaíba passou a ser administrada pelo Grupo Record e a emissora renovou-se com a contratação de profissionais e a realização de reformas em suas infra-estruturas física e tecnológica. Dentro dessas inovações destaca-se a valorização do Estúdio Cristal, localizado na “Esquina da Comunicação”. Neste estúdio, a população podia acompanhar de perto algumas das principais atrações apresentadas pela emissora.

 

Colaboração especial Sérgio Dillenburg/Lilian Lustosa (atualização)

 

 

 

FONTES: Agert em Notícias (1970 a 1978); Cadernos de Jornalismo (1); Correio do Povo (1958 a 1960 e 1987); DILLENBURG, S. R. Os anos; HAUSSEN, D.F. Síntese noticiosas; LEMOS, H. M. Grandeza; LEONAM, M. O Rádio; Portal da Rádio Guaíba. Disponível em : <http://www.radioguaiba.com.br>. Acesso em : 12 out. 2009; TREMA, R. Muita; VAMPRÉ, O. A. Raízes.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados