RADIO RECORD

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: Rádio Record
Nome Completo: RADIO RECORD

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
RÁDIO RECORD

RÁDIO RECORD

 

Emissora paulista, fundada em 1928, com o prefixo PRA-R, sob a direção de Álvaro Liberato de Macedo, com estúdios localizados na Praça da República nº 17. Iniciou suas transmissões com a potência de quinhentos watts e onda de 297 metros, o que lhe permitia grande alcance. Durante o primeiro ano a emissora se manteve no ar com uma programação bastante irregular.

Durante a campanha presidencial de 1930, a Rádio Educadora de São Paulo, principal rival da Record, apoiou o candidato Júlio Prestes. Em outubro, com a deposição do presidente Washington Luís e a transmissão do controle do governo provisório da revolução vitoriosa a Getúlio Vargas, candidato derrotado nas eleições presidenciais, a programação da Educadora sofreu grande retração, permitindo que a Record ocupasse uma posição de destaque.

Em 1931 a emissora foi vendida por 25 contos de réis para Jorge Alves Lima, João Batista do Amaral e Paulo Machado de Carvalho. No mesmo ano, a Record inovou com um jornal falado que era produzido em parceria com os Diários Associados, que na época não possuíam emissora própria. Passou também a produzir um programa para crianças denominado Hora infantil, no qual escritores como Monteiro Lobato, Orígenes Lessa e Pascoal Carlos Magno liam estórias para os ouvintes.

Durante o Movimento Constitucionalista de 1932, em São Paulo, a emissora teve um papel de destaque: César Ladeira ganhou fama nacional como locutor oficial da revolução. Através de um boletim diário, que ia ao ar das duas às quatro horas da manhã, o locutor conclamava o povo em favor da causa paulista, terminando com um mesmo apelo revolucionário: “que renuncie o ditador”. A Record liderou a campanha “Doe ouro para São Paulo” e organizou uma cadeia de emissoras paulistas para a propaganda do movimento.

Após a Revolução Constitucionalista, a rádio passou a transmitir uma programação mais popular, cobrindo os carnavais e partidas de futebol, entre outros eventos. Passou a adotar um novo modelo de funcionamento, organizado por César Ladeira, baseado na contratação de um cast profissional e exclusivo com remuneração mensal. Pertenceram aos quadros da Rádio Record, o cantor e radioator Adoniran Barbosa, o redator e comentarista Blota Júnior, o radioautor Otávio Gabus Mendes, o radioator Cassiano Gabus Mendes, a radioatriz Nair Belo e os locutores esportivos Nicolau Tuma e Geraldo José de Almeida.

Em 1933, a Record e a rádio carioca Mayrink Veiga formaram, pela primeira vez, uma cadeia de emissoras brasileiras para a irradiação de um programa musical semanal que contava com a participação de importantes cantores populares da época, tais como: Francisco Alves, Carmem Miranda, Mário Reis, Orlando Silva, Sílvio Caldas, entre outros.

Nas décadas de 1940 e 1950, a emissora destacou-se pelos programas de auditório e pelas transmissões esportivas. Uma das características da rádio foi a de manter-se tecnicamente atualizada e em 1947 ela já utilizava o sistema FM, que somente se tornou de uso comum na década de 1970. A direção da emissora era composta da seguinte forma: João Batista do Amaral (presidente), Paulo Machado de Carvalho (superintendente), Paulo Machado de Carvalho Filho (diretor-geral) e José Blota Júnior (diretor de broadcasting).

Na década de 1960 a Rádio Record tornou-se uma espécie de apêndice da TV Record — ambas do grupo Paulo Machado de Carvalho. Foi a época dos festivais da MPB e à emissora coube, basicamente, desempenhar a função de fazer propaganda e reforço da programação da TV.

Na década de 1970, em meio a uma crise que afetava todo o grupo, a programação da rádio foi reformulada e passou a ter como objetivo atingir o “mercado marginal”, que, segundo Paulo Machado de Carvalho, é basicamente formado pelo homem rural que se urbaniza mas retém ligações culturais e afetivas com o meio de origem. Neste período a emissora adotou o slogan “especialista em Brasil” e dispensou um tratamento especial para a música sertaneja e para uma programação com um apelo mais popular, como o programa Hospital, que misturava cenas cotidianas com efeitos de radiodramatizações, na voz do veterano Rodolfo Mayer, que havia começado sua carreira de radioator na Record.

Em 1973 Sílvio Santos comprou 50% das ações da rádio e da TV Record e implantou inovações tecnológicas, ampliando a potência das transmissões. Para reforçar a filosofia de uma rádio popular, Sílvio Santos contratou, entre 1978 e 1979, o disc-jóquei Barros de Alencar (líder de audiência no gênero popular), Jacinto Figueira Jr., “o homem do sapato branco”, e o repórter policial Gil Gomes. Apoiada em uma programação matinal popular — o programa sertanejo de Zé Bettio, das 5:30h às oito horas, de reportagem policial de Gil Gomes, das oito horas às 9:20h, e o de variedades, de Sílvio Santos, das 9:30h às 10:30h — a emissora passou a ocupar o primeiro lugar na audiência em São Paulo, mantendo esta posição durante toda a década de 1980.

Entre o final de 1989 e o começo de 1990, a rádio foi vendida, como parte da Rede Record, ao Bispo Edir Macedo, da Igreja Universal.

Ao longo dos anos 1990 a Record manteve no ar uma programação eclética, adaptando-se às flutuações e preferências do mercado. Em 2001, porém, a rádio mudou seu público alvo e manteve uma programação quase exclusivamente evangélica, com exceção de sua programação esportiva, que foi mantida. Em 2002, sua programação passou a ser comandada exclusivamente por Bispos da Universal e o radialista Paulo Barboza, o último apresentador não evangélico da Rádio, deixou de apresentar seu programa na emissora.

A programação comercial variada retornou, no entanto, em 2004, depois que a emissora chegou a ocupar a oitava colocação em audiência. Voltou-se a investir nas áreas de esporte, jornalismo e entretenimento. Em 2008, a Rádio Record contratou Leão Lobo, apresentador de TV, para comandar um programa de entrevistas com celebridades, e o cantor Sérgio Reis foi contratado para apresentar um programa chamado Raízes do Sertão, voltado para a cultura rural do Brasil.

 Em 2009, a rádio voltou a subir na disputa pela audiência do público paulistano, conquistando a quarta colocação no ranking geral fornecido pelo Ibope.

A Rádio Record, através da rede Record Internacional, passou a ter o seu sinal transmitido também para Londres, Madri e Lisboa, inclusive com transmissão online através de seu site na internet.

 

colaboração especial Lia Calabre de Azevedo/Lilian Lustosa(atualização)

 

 

FONTES: Estado de S. Paulo (3/5/75); Folha de S.Paulo (online). Disponível em : <http://www.folhaonline.com.br>. Acesso em : 30 ago. 2009; JORGE, E. L. A. Rádio. LOPES, M. I. V. O rádio; MOREIRA, S. V. O rádio; ORTRIWANO, G. S. A informação; Portal da Rádio Record. Disponível em : <http://www.radiorecord.com.br>. Acesso em : 30 ago. 2009; Propaganda (fev. 1980);  dio Almanaque Paulistano (jan. 1951); RÁDIO; SAMPAIO, M. F. História; TOTA, A. P. A locomotiva;Veja (online). Disponível em : <http://veja.abril.com.br>. Acesso em : 30 ago. 2009.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados