REALIDADE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: Realidade
Nome Completo: REALIDADE

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
REALIDADE

REALIDADE

 

Revista mensal de âmbito nacional, fundada em abril de 1966 por Vítor Civita, presidente da Editora Abril. Saiu de circulação em 1976.

Realidade sofreu durante os anos que foi publicada diversas modificações em sua linha editorial, na composição gráfica e na tiragem.

Na primeira fase da revista, de 1966 a 1968, as primeiras edições privilegiavam a abordagem de temas polêmicos ligados à política e ao comportamento. Realidade produziu reportagens enfocando a Revolução Cultural na China, a ditadura de François Duvalier no Haiti e a participação brasileira na ocupação da República Dominicana em 1965, além de publicar entrevistas com personalidades políticas já exiladas: João Goulart, Leonel Brizola, Celso Furtado e Ademar de Barros, entre outros.

Desde cedo a revista tornara-se uma preocupação para a censura. Foi, contudo, devido a reportagens de comportamento que a revista teve sua primeira apreensão em janeiro de 1967, por ordem dos juizados de Menores dos estados da Guanabara e de São Paulo. Tratava-se de uma edição especial sobre a mulher que trazia estatísticas sobre aborto, entrevistas com mães solteiras, debates sobre a virgindade e fotografias de um parto. Dos 475 mil exemplares que haviam sido publicados apenas duzentos mil chegaram aos leitores, sendo o restante apreendido sob a alegação da edição ser “obscena e ofensiva à dignidade da mulher”. Na edição seguinte, a revista reagiu em seu editorial, alertando sobre os riscos que a imprensa corria.

Durante o ano de 1968 a revista desafiou repetidas vezes o regime político, publicando trechos dos Diários de Che Guevara, questionando o celibato na Igreja Católica, entrevistando vietcongs (guerrilheiros do Vietnã do Norte), líderes políticos que defendiam a redemocratização do Brasil, representantes das tendências que faziam parte da União Nacional dos Estudantes (UNE), entre eles os líderes estudantis Luís Travassos e Vladimir Palmeira.

Realidade recorreu a uma ampla utilização de fotografias e ilustrações, preocupando-se em estabelecer relações entre os padrões estéticos da fotografia com o texto. Destacou-se também na revista a preocupação de que sua cobertura jornalística contasse com a presença de seus repórteres nos locais dos acontecimentos. Exemplo destas estratégias de cobertura jornalística foi a reportagem de Hamílton Ribeiro sobre a guerra do Vietnã: na capa da revista, a foto do repórter sendo socorrido após a explosão de uma mina que lhe amputou a perna esquerda. Outro exemplo coube a Paulo Patarra, que em dezembro de 1968 conseguiu uma entrevista exclusiva com o dirigente do Partido Comunista Brasileiro, Luís Carlos Prestes, e descrevia na reportagem as regras de segurança a que teve de submeter-se para não descobrir e manter secreto o local do esconderijo.

No início de 1969, na segunda fase da revista, os jornalistas Sérgio de Sousa e Paulo Patarra deixaram a redação, sendo substituídos por Paulo Mendonça e Mílton Coelho da Graça. Nesse mesmo ano houve modificações sobre o elenco de temas tratados por Realidade e na composição de suas reportagens. Começaram a ganhar maior destaque reportagens de teor comportamental, principalmente as que enfocavam temáticas sobre medicina e curiosidades científicas. As reportagens sobre política brasileira passaram a enfocar muito mais as iniciativas governamentais, além de entrevistas com os dirigentes do regime político surgido após a instauração do Ato Institucional nº 5 em 13 de dezembro de 1968.

Realidade começou também a lançar sucessivamente mão do expediente de pesquisas de opinião. Em novembro e dezembro de 1969 foram publicadas as expectativas da revista sobre o então futuro presidente da República, general Emílio Garrastazu Médici. A revista publicou vários dados da biografia do presidente que revelavam a sua capacidade de liderança, não economizando em adjetivos: “bom menino”, “bom moço”, “bom conspirador”, “bom militar”, “bom revolucionário”, “bom pai” e “bom amigo”. Poesias também foram publicadas para homenagear o futuro presidente.

Nesse período sua tiragem caía mês a mês: dos 475 mil exemplares vendidos em setembro de 1966, começou o ano de 1969 com 435 mil, caindo para 365 mil em agosto do mesmo ano. Em outubro, Realidade parou de publicar sua tiragem e passou a dedicar-se a grandes reportagens sobre o Brasil. A primeira delas foi um número especial, com 330 páginas, publicado em julho de 1970, sobre a situação econômica e as perspectivas de crescimento do país. Outras edições seguiram esse mesmo tipo de estratégia, surgindo então grandes reportagens sobre as metrópoles brasileiras, o Pantanal, a Amazônia, o Nordeste, entre outras que envolviam toda a equipe de jornalistas da revista, tanto nas pesquisas quanto na redação das reportagens.

Em agosto de 1970 houve modificações na revista. Tais mudanças foram apresentadas por Paulo Mendonça, então diretor de redação, como adequações à nova realidade do país. A revista tornou-se mais ilustrada, os textos mais curtos e maior número de reportagens, que enfocavam principalmente os temas relativos aos costumes, modas e serviços. Ao mesmo tempo voltaram a ser publicadas reportagens de natureza mais polêmica, envolvendo temas como a Igreja, a situação social dos trabalhadores que viviam com o salário mínimo no Brasil e entrevistas com personalidades políticas que se opunham ao regime militar. Das entrevistas, a mais importante foi a do ex-presidente Juscelino Kubitschek.

Esta fase culminou em setembro de 1973, quando anunciou-se o término do projeto jornalístico original da revista e o nascimento de uma “nova” Realidade.

Nessa sua nova fase foi Ulisses Alves de Sousa quem ficou à frente da direção da redação. Uma primeira característica foi o seu formato um pouco menor na largura e na altura. Mudaram também os textos, que ficaram ainda menores e mais diversificados. Passou a publicar diversas reportagens que muito se aproximavam de certos guias para o dia-a-dia ou manuais de auto-ajuda. Desta forma surgiram muitas reportagens que pretendiam oferecer dicas sobre a resolução de diversos problemas, entre eles: Manter a sua empregada doméstica, “Passar no vestibular”, “Conseguir uma bolsa de estudos no exterior” e “Se proteger da inflação”. A preocupação maior era mostrar aos leitores como era possível “vencer na vida”, sendo inclusive esse o tema principal da edição de novembro de 1973.

Em janeiro de 1976, Realidade publicou previsões para o ano que então começava. Tais previsões eram muito pessimistas em relação aos rumos da economia brasileira e mundial, com a revista fornecendo algumas dicas aos seus leitores de como tentar passar ileso pela onda de crise. Realidade, porém, foi extinta alguns meses depois.

Dimas Sales Pereira Júnior

FONTES: KOECHE, A. A revista; MAIA, M. Realidade; Realidade.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados