REDE BANDEIRANTES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: Rede Bandeirantes
Nome Completo: REDE BANDEIRANTES

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
REDE BANDEIRANTES

REDE BANDEIRANTES

Rede de televisão pertencente ao grupo paulista Bandeirantes, fundado por João Jorge Saad, e que teve origem a partir da criação da TV Bandeirantes de São Paulo, em 13 de maio de 1967. Além da Rede Bandeirantes, o grupo é formado por redes de rádio, TVs por assinatura (Bandnews, Bandsports e Terraviva) e jornais (Metro e Primeiramão).

João Jorge Saad nasceu em 22 de julho de 1919, em Monte Azul Paulista, atual Olímpia, no estado de São Paulo, e faleceu em 10 de outubro de 1999 na cidade de São Paulo. Filho de imigrantes libaneses, fez fortuna no comércio de tecidos. Em 1944, casou-se com Maria Helena Mendes de Barros, filha do ex-governador de São Paulo Ademar de Barros, que, em 1948, comprou a Rádio Bandeirantes de Paulo Machado de Carvalho, proprietário da TV Record. Com a compra da rádio, João Jorge Saad passou a trabalhar na Rádio Bandeirantes, vindo a assumir definitivamente o controle da empresa em 1951.

Na primeira metade da década de 1950, João Jorge Saad recebeu do presidente Getúlio Vargas a concessão para explorar um canal de televisão em São Paulo. Durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1951), a concessão chegou a ser cancelada, mas Saad a recuperou durante o governo do presidente João Goulart (1961-1964). No entanto, a TV Bandeirantes, canal 13 de São Paulo, só iniciou suas transmissões em 13 de maio de 1967.

No dia 15 de maio de 1967, entrou no ar a telenovela Os Miseráveis, de Wálter Negrão e Chico Assis baseada na obra homônima do escritor francês Victor Hugo. Dirigida por Walter Avancini, a telenovela era exibida em capítulos diários de 45 minutos, uma inovação já que os capítulos duravam, na época, entre 15 a 30 minutos. A TV Bandeirantes estabeleceu, desta forma um padrão que passou a ser usado por todas as emissoras de televisão.

Nas três décadas seguintes à sua entrada em operação, a TV Bandeirantes transformou-se em uma rede, com a criação ou aquisição de emissoras nos seguintes estados: Distrito Federal (canal 4 de Brasília), Minas Gerais (canal 7 de Belo Horizonte), Rio de Janeiro (canal 7 do Rio de Janeiro), Bahia (canal 7 de Salvador), Paraná (canal 2 de Curitiba) Rio Grande do Sul (canal 10 de Porto Alegre), São Paulo (canal 6 de Taubaté, canal 3 de Campinas e canal 10 de Presidente Prudente).

Em julho de 1969, um incêndio destruiu o prédio do Morumbi e todo o equipamento da emissora, que continuou transmitindo suas imagens dos seus caminhões de externa. Foram perdidos também 30% do arquivo de filmes e muitos capítulos inéditos da novela O Bolha, que tiveram que ser regravados. Após o incêndio, a TV Bandeirantes passou a ser sustentada financeiramente pela Rádio Bandeirantes.

Tendo o governo acenado que a TV em cores seria implantada no país, o grupo Bandeirantes decidiu substituir os equipamentos destruídos pelo incêndio por máquinas que permitissem a emissora transmitir em cores sua programação. Esta decisão possibilitou à TV Bandeirantes, em 1972, ser a primeira emissora a produzir e transmitir integralmente uma programação em cores.

Ainda como parte do esforço de recuperação da emissora, a TV Bandeirantes contratou, em 1973, Cláudio Petraglia como diretor artístico. Com Petraglia, a Bandeirantes passou a levar ao ar programas gravados em estúdio, e não somente filmes estrangeiros, redefinindo sua programação. Tendo sido verificado que 70% da audiência da TV Bandeirantes era composta de pessoas da classe A, a programação da emissora passou a se basear em musicais, teleteatro, telejornalismo e esporte.

Com a estréia de Informação, em dezembro de 1973, a Bandeirantes tornou-se a única emissora a possuir um programa voltado exclusivamente para a discussão dos assuntos políticos, ainda no período de mais severa censura e vigilância exercido pelo regime militar de 1964 sobre os meios de comunicação de massa.

Em 1974, Cláudio Petraglia convidou Fernando Pacheco Jordão para ser diretor de telejornalismo da Bandeirantes. Contudo, seu nome foi vetado pelos órgãos de segurança; em seu lugar foi contratado Gabriel Romeiro, que fez inovações no telejornalismo da emissora.

O presidente Ernesto Geisel assinou, no dia 18 de abril de 1974, o ato que outorgava a concessão para que o grupo paulista Saad explorasse o canal 7 do Rio de Janeiro (TV Guanabara). Na ocasião, o governo brasileiro alegou que as novas concessões eram um incentivo a uma concorrência mais equilibrada entre as estações e novas alternativas para o público. Apesar de já possuir a TV Vila Rica de Belo Horizonte, da qual era proprietária desde 1975, e uma concessão em Salvador (BA), foi a partir da obtenção da concessão para explorar a TV Guanabara que o grupo Bandeirante deu início a sua rede.

Em 1975, a emissora lançou Interesse público, programa dedicado à política e transmitido em cores.

Segundo declarou Gabriel Romeiro, editor responsável do Jornal Bandeirantes, em entrevista concedida à revista Veja, em 1977, o telejornal da Rede Bandeirantes de Televisão diferenciava-se dos demais telejornais porque seu “(...) material diário (é editado) como um jornal impresso, agrupando os assuntos afins (...) (Assim) a cobertura da televisão não é mais um amontoado de fragmentos, mas um todo onde as coisas se relacionam”. Os repórteres Newton Cardoso (internacional) e Joelmir Beting (economia) praticavam um jornalismo interpretativo: interpretavam as notícias e davam dados históricos e elementos para que os telespectadores situassem o fato em um contexto mais amplo.

Em novembro de 1977, Gabriel Romeiro pediu demissão porque, segundo ele, o presidente da Rede Bandeirantes de Televisão, Jorge Saad, proibiu os telejornais da emissora de transmitir matérias contendo reclamações populares ou que abordassem temas tais como constituinte, sindicatos e anistia política. De acordo com a interpretação de Elizabeth Carvalho, a autocensura imposta por Saad teria sido, provavelmente, uma conseqüência do projeto de expansão da emissora. A Bandeirantes teria se endividado com a compra do Canal 7 do Rio de Janeiro e com os convênios firmados com outras emissoras de diversos pontos do país, tendo então que recorrer a favores estatais, o que a teria deixado ainda mais vulnerável a pressões políticas.

Em 1978, apesar de realizar investimentos mensais na ordem de um milhão de dólares na compra de novos equipamentos, contratar quase uma centena de funcionários e atingir dez estados brasileiros com sua rede de 11 emissoras, a Rede Bandeirantes de Televisão se mantinha no terceiro lugar no ranking da audiência nacional.

Entre 1978 e 1980, a emissora aumentou a exibição de produções nacionais de 30% para 70%.

Com a anistia política em 1979, a TV Bandeirantes levou ao ar entrevistas com alguns personagens da esquerda brasileira e latino-americana e da resistência ao regime militar. Em meados de 1979, a emissora transmitiu, no programa Encontro com a imprensa, entrevista que Luís Carlos Prestes, então secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro (PCB), concedeu a Roberto D’Ávila e Evaldo Dantas. Em outubro de 1981, a emissora levou ao ar, no programa Variety 90 minutos, uma entrevista concedida pelo presidente cubano, Fidel Castro, à repórter Rute Escobar. A Rede Bandeirantes também transmitiu uma entrevista com o arcebispo de Olinda, dom Hélder Câmara, para Ziraldo no programa Etc.

Entre 1977 e 1980, a Rede Bandeirantes dobrou o número de estações espalhadas pelo País: passou de 12 pequenas estações para 24 emissoras.

Em 1981, a Rede Bandeirantes de Televisão passou a transmitir dois programas de jornalismo produzidos pelo jornal Gazeta Mercantil, Dinheiro e Crítica e autocrítica. Dinheiro era um jornal de cinco minutos de duração que era apresentado como seguimento do Jornal da noite da emissora. Crítica e autocrítica era um programa em que empresários e economistas debatiam temas econômicos. Em 1983, Crítica e autocrítica possuía uma audiência média de 5%, o que correspondia a 1,5 milhão de telespectadores em todo o país.

Em 1982, a Rede Bandeirantes de Televisão barateou os custos de sua operação substituindo o sistema de microondas pelo satélite, tornando-se a primeira emissora de televisão brasileira a empregar esta tecnologia. Segundo a própria emissora, isso ocorreu para permitir o crescimento da cobertura nacional: “a Embratel só possuía dois canais para os Estados com menor densidade populacional e que já estavam ocupados por Tupi e Globo. [...] A Band foi buscar (então) na Intelsat, com o apoio da Embratel, tecnologia e know-how para operar por satélite 24 horas por dia. (...)”

Ainda em 1982, a emissora foi a primeira emissora brasileira a levar ao ar produções independentes. O núcleo de TV da Editora Abril produziu Bastidores, apresentado pelo jornalista e diretor da Editora Abril Tomás Souto Correia, e Nova mulher, que tinha como uma das suas apresentadoras Fátima Ali, diretora da revista Nova. Válter Moreira Sales Júnior produziu Outras palavras, um programa apresentado pelo jornalista Fernando Gabeira dirigido ao público jovem. A Bandeirantes exibiu também Mocidade independente e Noventa minutos da produtora TVDO.

Embora a tradição esportiva da Rede Bandeirantes tenha começado em 1970, somente a partir de 1983 a emissora começou a investir mais neste segmento. Neste ano, estreou o programa Show do Esporte, que permaneceu no ar durante 20 anos, tendo, entre os membros da equipe jornalística, Luciano do Valle, Silvio Luiz e Álvaro José. A Rede Bandeirantes foi a primeira a transmitir a Fórmula Indy, o basquete norte-americano da National Basketball Association (NBA) e os campeonatos de futebol italiano e espanhol. Enviou equipes de reportagens para fazerem a cobertura dos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984), Seul (1988), Barcelona (1992), Atlanta (1996), Sydney (2000), Atenas (2004) e Pequim (2008). Em 2008, a Rede Bandeirantes e a Rede Globo foram as únicas na TV aberta que transmitiram os Jogos Olímpicos de Pequim.

Em março de 1986, o Jornal da Bandeirantes passou a contar com as análises econômicas do ex-ministro do Planejamento Delfim Neto.

A Bandeirantes foi também a primeira emissora brasileira a levar ao ar uma campanha visando deter o avanço da AIDS no país. Em 1987, a campanha da Bandeirantes divulgou as vantagens do uso da camisa-de-vênus e alertou para os riscos de se fazer sexo com parceiros desconhecidos.

Para melhorar a posição do Jornal da Bandeirantes no ranking dos telejornais, a Rede Bandeirantes de Televisão contratou, em 1988, Rubens Furtado para o cargo de superintendente de operações da emissora. Uma das primeiras providências foi a reformulação do visual do telejornal. Na época, foram feitos investimentos no valor de 1,7 milhão de dólares em equipamentos.

No dia 17 de julho de 1989, a Bandeirantes levou ao ar o primeiro debate com os candidatos à presidência da República, o que levou a sua audiência a crescer de 1% para 13% naquele horário. Além desse, a emissora promoveu, ainda, outros três debates televisivos durante esta campanha.

Uma semana após o primeiro debate com os presidenciáveis, a TV Bandeirantes estreou o programa Presidente responde. Este programa permitiu ao então presidente da República, José Sarney, responder aos seus críticos, sobretudo aos então candidatos à presidência da República.

Devido ao plano econômico de combate à inflação posto em prática pelo governo recém-empossado de Fernando Collor de Melo — o chamado Plano Collor — e que retirou de circulação consideráveis quantias de moeda, provocando uma recessão, a Rede Bandeirantes de Televisão, em abril de 1990, demitiu 108 dos 186 funcionários que atuavam na área de shows da emissora.

Em 1991, a Rede Bandeirantes de Televisão abocanhava 9,5% do mercado publicitário de televisão nacional. A emissora estava atrás da Rede Globo de Televisão (67%) e do Sistema Brasileiro de Televisão (14%) e na frente da Rede Manchete de Televisão (7%) e da Rede Record de Televisão (2,5%).

Em julho de 1992, a Rede Bandeirantes de Televisão deu cobertura exclusiva aos depoimentos prestados pelo embaixador Marcos Coimbra e pelo motorista Eriberto França à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigava as denúncias contra o empresário Paulo César Farias, o PC, tesoureiro de campanha de Collor, acusado da organização de um grande esquema da corrupção para beneficiar a si e ao presidente. Durante o depoimento de Coimbra, a emissora alcançou, na Grande São Paulo, 12% do índice de participação no horário matutino, o que significava quatro pontos de audiência contra 6% de participação do Sistema Brasileiro de Televisão e 19% da Rede Globo de Televisão. Durante a transmissão do depoimento de Eriberto França, a Rede Bandeirantes alcançou o segundo lugar de audiência, com 24% do índice de participação contra 17% do Sistema Brasileiro de Televisão e 40% da Rede Globo de Televisão.

Durante a campanha eleitoral de 1994, a Bandeirantes foi novamente a primeira a realizar um debate entre os candidatos à presidência da República.

Em 1995, Johnny Saad, vice-presidente da emissora, decidiu que a TV Bandeirantes deveria investir novamente em uma programação voltada para o público infantil e feminino, já que, na sua opinião, a opção por jornalismo, esporte e filmes dava à emissora um perfil “muito masculino”, o que dificultava a disputa com o Sistema Brasileiro de Televisão pela audiência. De acordo com o diretor-geral da emissora, Rubens Furtado, a Rede Bandeirantes de Televisão visava, em 1995, passar de 8% para 12% do mercado televisivo. Para o público feminino, a emissora lançou a novela A idade da loba (1995) e O campeão (1996); para os jovens, Anos incríveis e Confissões de adolescente.

As modificações atingiram também a área de telejornalismo, com mudanças na estética e na equipe jornalística.

De par com investimentos na ordem de 23 milhões de dólares em uma nova torre, dois transmissores e uma antena potente, a Rede Bandeirantes de Televisão demitiu, no início de 1996, cerca de quatrocentos funcionários.

Em 1998 a Rede Bandeirantes de Televisão possuía 11 emissoras próprias que, com 68 afiliadas, formavam um total de 79 emissoras de sinal aberto em VHF, entre geradoras e retransmissoras mistas espalhadas por todo o país, garantindo uma cobertura de mais de 90% do território nacional. A Rede Bandeirantes de Televisão era a segunda rede física — em número de emissoras — do Brasil.

Além das emissoras de sinal em VHF, já estava também em operação, em São Paulo, um canal por assinatura (Canal 50) e um canal aberto com transmissão UHF (Canal 21).

No dia 4 de agosto de 2002, a Rede Bandeirantes realizou primeiro debate entre os candidatos a presidente da República: Anthony Garotinho (PSB), Ciro Gomes (PPS), José Serra (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Já em março de 2005, o Grupo Bandeirantes levou ao ar o canal Terraviva, voltado para os interesses e defesa do setor de agronegócios. Em sua grade de programação, o canal exibia então telejornais, programas de entrevistas, debates, dicas, drops informativos, cotações e previsão do tempo, programas de música, rodeio e de compras. Além disso, realizava a cobertura das principais feiras agropecuárias do país, transmitindo leilões ao vivo, presenciais e virtuais

Ainda no segmento de TV por assinatura, os canais Bandnews e Bandsports iniciaram o fornecimento de conteúdo exclusivo para operadoras de telefonia. Um acordo com o UOL garantiu o acesso on line, de qualquer parte do mundo, aos noticiários do Bandnews. Ainda m 2005, a Rede Bandeirantes contratou também comunicadores importantes como Raul Gil e Claudete Troiano. No Esporte, a Rede Bandeirantes mostrou com exclusividade os campeonatos espanhol e inglês. Transmitiu, ainda, a Fórmula Indy. Com essa nova estratégia, a emissora garantiu com frequência o segundo lugar no Ibope.

Além disso, em 4 abril de 2005, na TV aberta, estreou a telenovela Floribella, versão brasileira da original argentina intitulada Floricienta. Produção voltada para o público infanto-juvenil que marcou o retorno da Rede Bandeirantes à produção de telenovelas. O sucesso levou a emissora a por no ar, no dia 23 de janeiro de 2006, a segunda temporada da telenovela. Tanto a primeira quanto a segunda temporada estiveram sob a direção geral de Elisabetta Zenatti.

Durante a campanha eleitoral de 2006, a Rede Bandeirantes realizou o primeiro debate entre os candidatos à presidência da República. Mediado pelo jornalista Ricardo Boechat contando com a presença de Cristovam Buarque (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Heloísa Helena (PSOL), José Maria Eymael (PSDC) e Luciano Bivar (PSL). O candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, faltou ao debate, tendo a produção do programa decidido manter no cenário a cadeira vazia destinada ao presidente que tentava a reeleição.

A Rede Bandeirantes, em 2008, contava com 79 emissoras em todo o país, estado presente  também está nos Estados Unidos com os canais Band Internacional e Bandnews.Ainda em 2008, os jornalistas Boris Casoy e Rosana Hermann, o humorístico "CQC" e a apresentadora Daniela Cicarelli estrearam na Rede Bandeirantes.

Em agosto de 2008, a Rede adquiriu duas antigas afiliadas no estado do Amazonas, a TV Rio Negro (Manaus) e a TV Tupebas, (Tefé). Em 2009, estas passaram a se chamar respectivamente TV Bandeirantes Manaus e TV Bandeirantes Tefé.

Em outubro de 2008, foi inaugurada a sua primeira emissora própria na Região Norte do País: a TV Bandeirantes Palmas, na capital do estado do Tocantins e a TV Potengi passou a se chamar Band Natal. Finalmente, em 2009, foi comprada a TV Regional afiliada da emissora no Triângulo Mineiro, que passou a se chamar TV Bandeirantes Triângulo. E a partir de maio de 2009, a TV Cidade Verde, de Cuiabá, passou a retransmitir o sinal da Rede Bandeirantes para o estado do Mato Grosso.

A diretoria da Rede Bandeirantes era formada em 2009 por João Carlos Saad (Presidente), Walter Vieira Ceneviva (Vice-Presidente Executivo) e quatro Vice-Presidentes: Frederico Nogueira, Gilson Lagoeiro, Marcelo Meira, Paulo Saad Jafet. Mário Baccei é Vice-Presidente de Rádios.. Além desses, ocupavam cargos de direção na emissora: Hélio Vargas (Direção de Programação), Raimundo Lima (Direção de Produção) e Fernando Mitre (Direção Nacional de Jornalismo)

 

Vladimyr Lombardo Jorge

 

 

 

FONTES: CAPARELI, S. Televisão; CARVALHO, E. Telejornalismo; Folha de S. Paulo (11/4/74, 11/10/99); MATOS, S. Perfil; Portal eBand. Disponível em : <http://www.band.com.br>. Acesso em : 29 set. 2009; Portal Grupo Bandeirantes de Comunicação. Disponível em : <http://www.band.com.br/grupo/grupo.asp>. Acesso em : 29 set. 2009; Portal TERRA. Disponível em : <http://www.terra.com.br/istoe/1673/artes/ 1673_cacique_noite.htm>. Acesso em : 29 set. ; Portal TV Terra Viva. Disponível em : <http://tvterraviva.band.com.br/canal.asp>. Acesso em : 29 set. 2009; PRIDOLI, G. Tela; SAMSUNG E BAND. Disponível em : <http://www.band.com.br/fiquedeolho/conteudo. asp?ID=93226>. Acesso em : 29 set. 2009;Veja (24/4/74, 7/9, 5/10 e 30/11/77, 4/7/79, 7/10/81, 19/1/83); Wikipédia. Disponível em : <http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_ Bandeirantes> e <http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_emissoras_da_Rede_Ban deirantes>. Acesso em : 29 set. 2009.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados